segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Antes que façam de você massa de manobra de um golpe revanchista

"O Brasil tomara que tenha uma ditadura de 100 anos. Mas, por favor, coloca torturador de verdade".
Aluisio Queiroz <aluisioimoveis@hotmail.com>
7.9.2015


O descontentamento legítimo está sendo  manipulado por quem quer usá-lo para saciar suas ambições pessoais
Quem pretende participar das manifestações de rua programadas por grupos sem raízes deve ter consciência de que poderá estar servindo apenas de massa de manobra (ou bucha de canhão) de golpistas, saudosistas do regime de arbítrio e políticos inescrupulosos que, sob comando de figuras manjadas, formam a maioria do Legislativo. 
É claro que muitos manifestantes são impulsionados por sentimentos respeitáveis: a exposição das vísceras dos podres poderes, graças a investigações que jamais chegaram tão longe como agora, o mau começo do segundo mandato da presidente Dilma, reeleita há menos de 10 meses, e o impacto da crise econômica são combustíveis explosivos que estão provocando um clima de insatisfação generalizada.

Os ingredientes legítimos, porém, vêm sendo ostensivamente manipulados por um laboratório que responde a interesses escusos e insaciáveis. Interesses que já não escondem o propósito de rasgar a Constituição para tornar sem efeito o cristalino resultado das urnas de outubro passado.

Já não se bastam com um projeto de impeachment forçado e sem base legal para depor a chefa do Estado brasileiro, contra quem até hoje não extraíram nenhuma cláusula prevista no artigo 85 da Constituição e na Lei 1079/50, ainda em vigor, que regulam o procedimento a respeito.

Não escondem o fito de passar por cima do arcabouço constitucional com o objetivo de abrir caminho para desesperadas ambições pessoais. É o que demonstram quando propõem a realização de novas eleições para a Presidência da República, ritual que não consta da Carta Magna, que pretendem jogar no lixo, abrindo caminho para um novo regime ditatorial.

Essa proposta só interessa ao Aécio Neves, duas vezes derrotado, com o agravante de ter perdido as eleições no Estado que governou. Ele sabe que é carta fora do baralho em 2018, quando o governador Geraldo Alckmin será o candidato lógico do PSDB. E que corre o risco até de não se reeleger senador: os mineiros já demonstraram o grau de rejeição em 2014.

Junto com ele agem grupos de ressentidos principalmente com a Comissão da Verdade, que se limitou a revelar a crueldade assassina dos porões da ditadura e mais não fez. No Brasil, ao contrário da Argentina, Chile e Uruguai, nenhum criminoso dos anos de chumbo foi punido e é exatamente por isso que estão aí querendo aproveitar a onda para restabelecer aquilo que nem as Forças Armadas admitem mais.

Aliás, sobre isso, ficamos devendo ao próprio regime militar. Desde a crise deflagrada após a morte do general Costa e Silva, quando a maioria dos oficiais queria "eleger" nos quartéis o general de Divisão Afonso de Albuquerque Lima, o centro do poder iniciou um processo de despolitização e desmobilização da tropa, graças ao qual o general Ernesto Geisel impediu de uma tacada o golpe comandado por seu ministro da Guerra, general Sylvio Frota.  Desde então, há um rodízio de oficiais superiores, que não podem ficar mais de dois anos à frente de uma unidade, o que inviabilizou a fecundação de qualquer nova "liderança" militar, à margem dos regulamentos castrenses.

Os "generais" do golpe do Século XXI são civis como o conhecido deputado Eduardo Cunha, que se investe de poderes ditatoriais para minar o governo da presidente Dilma, numa tentativa de virar a mesa antes do que tenha o mesmo destino de outros detalhadamente delatados como ele, esperando, assim, ganhar a complacência dos bolsões golpistas. Com o apoio suspeito de uma mídia que também quer depor Dilma a qualquer preço ele vem tentando inviabilizar o governo na sucessão de ilegalidades que vão desde a realização de novas votações quando é derrotado até a usurpação em matérias que são prerrogativas do Congresso em conjunto, como a aprovação de contas presidenciais.

Quem pretende oferecer sua gasolina para fazer o circo pegar fogo deve saber que também será chamuscado, pois o golpe fundado no "quanto pior melhor" não se limitará à deposição de uma presidente da República. Destruindo as bases jurídicas do Estado de direito o abuso de poder será a marca dos dias seguintes. E ninguém terá a proteção da Lei.

Foi assim em 1964. Quem participou das marchas que inundaram ruas contra o governo constitucional do presidente João Goulart não podia imaginar que estava abrindo caminho para 20 anos de regime de força que, por sinal, não poupou nem seus grandes próceres: Carlos Lacerda e Ademar de Barros, que comandaram a conspiração, acabaram cassados.  Jornais que pediram a deposição de Jango em nome da ordem ameaçada, como o CORREIO DA MANHÃ, foram perseguidos até a falência por terem entendido que entraram numa grande fria.

Naquele 1964 também ficou claro que o presidente da República, legitimado por uma acachapante votação em plebiscito, estava sendo derrubado pelo que fizera de bom e não pelo que, eventualmente, tivesse feito de ruim. Este é também o escopo do processo que está encurralando Dilma Rousseff.

E não é só ela que passa por esse perrengue. A Venezuela vem sendo minada desde a morte "de laboratório" do presidente Hugo Chávez. Maduro só não caiu por que lá, ao contrário do Brasil, há uma militância organizada em condições de defender a legalidade junto com as Forças Armadas. No Equador, os antigos donos do poder se agitam em perdidos cordões para enfraquecer o presidente Rafael Correa até conseguir por onde derrubá-lo. Mesmo na Bolívia, onde Evo Morales tem 80% de aprovação graças aos invejáveis índices de crescimento do país, fomentam conflitos regionais para miná-lo. A situação também se tornou dramática neste fim de governo da presidente Cristina Christner, na Argentina, e no início do mandado da presidente Michelle Bachelet, no Chile.

Pelas prioridades que o momento exige, não quero aqui discutir a própria frustração com as opções de Dilma na direção contrária da expectativa criada com sua vitória suada. Não vou fazer a defesa de ninguém, embora tenha a minha pulga atrás da orelha diante do direcionamento das investigações midiáticas.

O que me obriga a alertar a meus parceiros de classe média é o grande perigo que manifestações manipuladas alimentam. Estamos a pouco mais de um ano de novas eleições – as municipais – que são o melhor caminho para que cada um se posicione sobre os acontecimentos atuais.

Felizmente, ainda não saímos do prumo e temos as urnas abertas para dizer o que queremos. Construir esse ambiente de legalidade nos custou muito caro e um retrocesso institucional dividiria o país, consumando um grande desastre.

Diria mais: mesmo divergindo dos rumos desse governo, não vejo posição mais sensata de que dar-lhe algum tempo para que comece a governar em toda a plenitude. Os que querem derrubá-lo são muito piores, sob todos os aspectos, e, paradoxalmente, admitem mesmo manter Dilma, assim, encurralada, submetendo-a ao suplício que a faça cair em seus braços.

As ruas estão aí para ecoar as causas do povo e não para favorecer políticos ambiciosos e golpistas ressentidos. Quem não tiver clareza quanto a isso, quem engrossar marchas de agressão ao Estado de Direito sem pensar duas vezes não terá tempo para se arrepender. 

Esse filme nós já vimos antes. A gente sabe como começa, mas não tem ideia de como e quando termina, de quanto pagaremos com a subtração da nossa cidadania mais uma vez.

7 comentários:

  1. Anônimo12:42 PM

    De fato, na democracia que esquerdista vagabundo gosta, como Cubana , norte coreana, chinesa, só se pode sair nas em favor do governo. Se não, é direito do governo mandar bala. Porém, a reunião dos petistas com o Marinho desarmou qualquer golpe de direita. Esse agora acha também que uma nação bolivariana daqui até Cuba no comando de Lula, o fará dono da maior tv do mundo.

    ResponderExcluir
  2. Sai de órbita e volta pro Brasil real, pois viver com salário de parlamentar, de deputado e vereador é mole, já foi no supermercado hoje ou mandou a empregada? Faz o seguinte: pra vc que mora no RJ vá ao supermercado Guanabara! Fora PT e seus corruptos e aficionados!!

    ResponderExcluir
  3. Anônimo9:18 PM

    Toda ditadura é nefasta, por conseguinte deve ser repudiada por todas as pessoas que têm sentimento democrático. O grupo político que está no poder a longos anos, está desgastado politicamente e perdendo a credibilidade da população, porque se igualou aos outros que já estiveram no poder. Eles falavam que eram diferentes e melhores, que respeitavam os direitos do povo e não é verdade, eles são iguais aos outros. É por isto que o povo está se revoltando contra o governo.

    ResponderExcluir
  4. Sábias palavras Pedro. Jamais serão novamente! Lula 2018!

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.