sábado, 16 de maio de 2015

Anotações sobre o sucateamento da previdência pública brasileira


Antes da ditadura minar a previdência pública, de onde tirou dinheiro para suas obras faraônicas, os institutos de aposentadoria e pensões esbanjavam saúde econômica - a aposentadoria chegava até 20 salários mínimos.

A unificação da previdência violou seu próprio histórico. C ada um dos institutos surgiu por iniciativa das categorias - a primeira foi a CAPFESP, dos ferroviários, antes mesmo da década de 30.
O  INSS foi criado por Collor pelo Decreto nº 99.350 de 27 de junho de 1990, substituindo o INSS, o INAMPS e o IAPAS. Aí a Previdência Privada já começava a tomar conta do pedaço, a exemplo do que aconteceu com as empresas de planos de saúde.  

No governo de FHC, a previdência pública sofreu o primeiro grande golpe com a Emenda Constitucional 20. quando surgiu o "fator previdenciário".. No governo de Lula, por acordo do falecido ministro Gushiken com o norte-americano Stanley Gacek, a Emenda Constitucional 41, de 19 de dezembro de 2003, conseguiu o que FHC não havia conseguido: o aposentado passou a contribuir em 11% para um caixa que não lhe daria retorno. Isso fora outras amputações que favoreceram o mercado de previdência privada. 

A Dilma também fez a sua. A Lei nº 12.618, de 30 de abril de 2012, instituiu o Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos federais civis titulares de cargo efetivo da União, suas autarquias e fundações, inclusive para os membros do Poder Judiciário, do Ministério Público da União e do Tribunal de Contas da União e fixou o limite máximo para as aposentadorias e pensões a serem concedidas pela União de acordo com o teto estabelecido para os benefícios do Regime Geral de Previdência Social – RGPS. 

Essa mesma Lei autorizou a criação de três entidades fechadas de previdência complementar – EFPC, denominadas Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo (Funpresp-Exe), Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Legislativo (Funpresp-Leg), Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Judiciário (Funpresp-Jud).
Se em 1970 a poupança da previdência privada era praticamente nula, no final de 2009 já somava meio trilhão de reais, representando 16% do PIB de R$ 3,143 trilhões. Segundo cálculos da própria previdência privada, projeta-se uma participação de 40 a 50% no PIB nos próximos dez anos.
Toda essa choradeira que une petistas, tucanos e o sistema Globo é uma grande hipocrisia. O favorecimento da previdência privada é um grande negócio, que foi orientado recentemente por Gasek, uma espécie de eminência parda das confederações sindicais norte-americanas - AFL-CIO, que tem uma poderosa influência sobre Lula, Nos Estados Unidos, os sindicatos têm na venda de planos de aposentadoria a sua maior fonte de renda hoje.

6 comentários:


  1. This is really a pleasant and useful, containing all data furthermore greatly affect the new innovation. Much obliged for sharing it,
    Avriq
    Avriq India
    AVRiQ - Data Recovery<
    AVRiQ Crunchbase
    Avriq Services
    Avriq Us

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.