quinta-feira, 16 de abril de 2015

Um impeachment por bem ou por mal

Fatos demonstram orquestração deliberada para derrubar a presidenta reeleita, por bem ou por mal

Jogo pesado e orquestrado. É o terceiro turno sem tirar, nem pôr. Nada mais perigoso para as instituições democráticas, para o exercício do regime de direito que conquistamos a duras penas. É o que se deduz da sequência de ações ainda no contexto das manifestações do dia 12 de abril, aquelas pautadas e impulsionadas pela grande rede – o complexo midiático da poderosa família Marinho, incomodada com sua própria crise e com sugestões sobre taxações de grandes fortunas num país em que são os assalariados que realmente pagam impostos, conforme a escondida "OPERAÇÃO ZELOTES".
Naquele domingo em que a Globo entrou em estado de mobilização desde o alvorecer só faltou aparecer alguém com aquele cartaz para as câmeras: "FILMA EU, GALVÃO".  Foi de longe o uso mais escancarado de uma concessão pública para fins políticos desestabilizadores. Algo sem precedentes, mesmo comparando com o apoio mútuo da empresa quase monopolista com a ditadura militar, cujos crimes acobertava em troca das benesses para o seu vertiginoso crescimento.

O evento saiu pela culatra. Os "cabeças" de mobilizadores "laranjas", abortados no mundo fácil do Facebook, prometiam a quem os financiava botar 5 MILHÕES de brasileiros no rabo de foguete do IMPEACHMENT. Ao contrário, o direcionamento malicioso para um produto político transgênico afastou a maior parte dos que se manifestaram nos idos de março. A ficha começou a cair e a explicitação das intenções golpistas, em que o gorila Bolsonaro discursou e foi chamado de presidente, se converteu de um prenúncio fatal em relação a outras trapaças. Deu chabu, viram todos, gregos e troianos, da mesma forma como murcharam os protestos populares de 2013 por conta da porra-louquice dos depredadores de vidraças.

O projeto de golpe revanchista se alimenta de fatos novos, devidamente manipulados. O juiz Sérgio Moro, de uma comarca federal que, em princípio, não tem nada com o peixe, determinou a prisão do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, sob a alegação de que, solto, ele poderia atrapalhar as investigações. Tão suspeitos como ele, os presidentes do Senado e da Câmara Federal, que encabeçam um dos três podres poderes, permanecem na crista da onda, desafiando a Polícia Federal e ganhando decoração do Exército pelas mãos da própria. Tem lógica?

Sua ordem, mostrando o prócer petista algemado, causou impacto e foi saudada por amargos ouriçados. O primeiro porta-bandeira midiático do projeto do impeachment, aquele se entrou pra academia sem que conhecêssemos sua veia literária, foi logo dizendo que a coisa estava ficando insustentável para a chefa de Estado. 
Mas, apesar da fogueira acesa, as chamas ficaram circunscritas ao prisioneiro e muita gente passou a perguntar: – e os tesoureiros dos outros partidos que mamaram nas mesmas fontes?  

Não há dúvida: o pega pra capar é em cima do PT e, por via, da presidente Dilma Rousseff – por que os demais estão previamente absolvidos por infusão ideológica. Já não se fala das contas sujas da Suíça, da roubalheira no metrô de São Paulo, do mensalão tucano de Minas e até mesmo do ululante espetáculo de corrupção dos sonegadores, mostrado num breve ensaio pela "OPERAÇÃO ZELOTES".

Daí a manipulação midiática de uma decisão do Tribunal de Contas da União sobre uma prática bancária que sempre existiu, mesmo depois da Lei de Responsabilidade Fiscal, em vigor desde 2001.  Mais uma vez os instrumentos vocais da orquestração golpista acharam chifres em cabeças de burro.  Viram ali a brecha legal para alimentar um pedido de impeachment de Dilma, que sequer foi relacionada para os esclarecimentos cobrados pelo TCU.

É um jogo pesado e eu mesmo não sei onde vai dar. Por que tem muito chumbo grosso e uma enorme variedade de buchas de canhão. Tem fogo inimigo, mas há digitais de fogo amigo. Tem um esquizofrênico convencido de que daqui a 4 anos já não vai dar para ele: pela lógica, o governador de São Paulo é o primeiro da fila. E ele, o esquizofrênico, que já saiu desmoralizado com as derrotas nas alterosas, ainda corre o risco de não permanecer à tona: senador por Minas Gerais, despreza os conterrâneos e fixou residência numa badalada praia do Rio de Janeiro.

Independente da insatisfação com os recentes erros e concessões infelizes da presidenta e de entender parte da irritação de muitos como resultado dos métodos sectários do PT, não podemos deixar que o projeto golpista prospere.  

Derrubar um chefe de Estado por vias legais presume premissas bem explicitadas na Constituição e na Lei do impeachment. Fora disso, é jogar pesado para manter o governo acuado e agravar uma crise que afeta a todos, coxinhas ou pés de chinelo.


Não se pode esperar sensatez de uma malta de políticos interessados tão somente em beliscar fatias do bolo. Mas aos cidadãos é lícito advertir: UMA COISA É UMA COISA E OUTRA COISA É OUTRA COISA. PARA UM BOM ENTENDEDOR, MEIA PALAVRA BASTA.

9 comentários:

  1. Anônimo10:42 AM

    Está querendo uma vaga de tesoureiro, não é??

    ResponderExcluir
  2. Sérgio Amorim8:04 AM

    Porra, Porfìrio, você vai defender esses bandidos até quando?

    ResponderExcluir
  3. Anônimo6:32 PM

    Sem comentários, para os "coxinhas" anteriores ...
    Honestíssimos são: o PSDB, o PP, o DEM, a banda podre do PMDB, e seus aliados ... e os juízes tucanos.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo12:59 AM

    Observando os coxinhas devemos admitir: quem começou com este discurso moralista anti corrupção foi o PT. Nunca enxerguei o PT como um almoxarifado da ética e da moral. Afinal, como ser e participar atuante num sistema que cresceu a revelia da ética e da moral? O sistema tá tão entranhado no partido, que digo com toda sinceridade, não vejo como a terceirização seja vetada pela presidente. Não vejo no horizonte vontade do partido em questionar o superávit primário e a dívida pública. Bandeiras de um velho PT.

    ResponderExcluir
  5. Chega de PTralhas atormentando as nossas vidas. O povo já está cansado de tanta roubalheira e desmando. Nunca acreditei no PT como a reserva ética na política. Bastou subir ao poder para mostrar a sua reserva de bandalheira. Molusco Apedeuta, filho do Molusco Apedeuta, Zé Dirceu, Delúbio, Vaccari, cunhada do Vaccari et caterva. E o Celso Daniel??? Como é que fica???

    ResponderExcluir
  6. Sérgio Amorim8:03 PM

    Uma coisa deve ser reconhecida: a foto que abre esta discussão inútil é uma das melhores coisas que aconteceram nesse blog até hoje!

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.