quarta-feira, 15 de abril de 2015

Não recorra a bodes expiatórios

Se você não consegue enfrentar seus problemas econômicos, sociais, existenciais e afetivos não procure bodes expiatórios. Dê um tempo e descubra a zona de lucidez que ainda existe em seu cérebro. 

Os problemas econômicos são como um câncer, dependem da fase em que forem diagnosticados. Os sociais são como um diabetes, a primeira providência é uma dieta saudável. Os existenciais são como a AIDS, só um coquetel de remédios ajuda a minimizar seu sofrimento.  Já os afetivos são como a esquizofrenia, o mais indicado é procurar um especialista imediatamente por que, de fato, não há remédio que cure.  

6 comentários:

  1. Parabéns pelo texto Porfírio. Sou o rapaz que faz as revisões de seu veículo na VW. Seu Consultor automotivo jornalista. Rsrs.
    Confira meu blog:
    coluna-geral.blogspot.com.br
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo texto Porfírio. Sou o rapaz que faz as revisões de seu veículo na VW. Seu Consultor automotivo jornalista. Rsrs.
    Confira meu blog:
    coluna-geral.blogspot.com.br
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Valeu, Ataíde. Já fui lá no seu blog e postei um comentário.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.