segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

O dólar em alta

Eduardo Cunha e Renan Calheiros são as caras de um congresso sem pudor e sem compromissos republicanos
Não será surpresa se em meio a esses turbilhões pintar na Câmara um projeto de PRIVATIZAÇÃO TOTAL DA PETROBRÁS, como conclusão de uma CPI direcionada. 

O que se pode esperar de um sistema de poderes compartilhados que tem Eduardo Cunha como presidente da Câmara dos Deputados e Renan Calheiros, mais uma vez, à frente do Senado Federal? 
Daqui para frente, a República estará mais do que nunca nas mãos de uma súcia sem qualquer compromisso republicano. E não é surpresa para ninguém. Esse Congresso que saiu das urnas de 2014 é de longe o mais tarado pela causa própria, misturando interesses espúrios, ambições pessoais e ausência de qualquer recato.

Eduardo Cunha e Renan Calheiros são as expressões mais toscas de um processo eleitoral em que o mandato é conferido em sua quase totalidade aos que podem gastar rios de dinheiro em campanhas onde a despolitização campeia. Ninguém melhor do que eles para comandar esses parlamentares mais interessados em recuperarem seus investimentos.

Com essa dupla no comando das casas legislativas o jogo vai ser mais sujo ainda e a prática do DÁ LÁ TOMA CÁ será determinante.  Suas escolhas estão sob medida como ferramentas de um ardiloso retrocesso, em que uma presidenta engessada não verá outro caminho se não o de ceder, frustrando ainda mais quem imaginou dias melhores no seu segundo mandato.

E não verá outro caminho por que ela própria já capitulou na formação de seu ministério e de suas políticas econômicas, afastando-se de qualquer possibilidade de confronto com o sistema e, o que é mais patético, frustrando a milhares de brasileiros que acreditaram no seu suposto "coração valente".

Nesse cenário, pode estar certo o senador José Serra ao dizer que a presidenta Dilma Rousseff não concluirá seu mandato. Os adversários têm mostrado muito mais competência na derrota e na química que faz do limão uma limonada.

Por suas capitulações surpreendentes só um milagre levará o povo a ocupar as ruas e entrincheirar-se na defesa do seu governo quando a articulação dos piores interesses decidir removê-la.   Com certeza, não vai ser a turma da Kátia Abreu, do Bradesco ou da Igreja Universal que vai postar-se ao seu lado quando o bicho pegar.

Pior para o povo, que acabará sendo a vítima do seu descuido eleitoral nas eleições parlamentares. Pior, principalmente, para os que ainda tinham alguma esperança de algum tipo de avanço, qualquer avanço – não precisa ser nem esses passos firmes do índio Evo Morales nos altiplanos bolivianos.

Vai ser difícil a partir de agora imaginar qualquer mudança pra melhor – reforma política consistente, nem pensar. Vai ser difícil registrar seriedade nas decisões envolvendo os podres poderes. Renan e Eduardo Cunha não jogam por meias patacas. Os seus colegas não investiram neles à toa.  A República está desmilinguindo para a satisfação das corjas patrimonialistas que vão deitar e rolar.   

E para a infelicidade geral da nação.

3 comentários:

  1. Anônimo7:36 AM

    Se é ruim para o PT é bom para o Brasil, e que se privatize mesmo a Petrobras para sair das mãos dessa corja petista, a maior revolta dos Petralhas é que não conseguiram roubar um centavo da Vale como assaltaram a Petrobras.Impeachment já!

    ResponderExcluir
  2. Pois é, amigo Pedro Porfírio, a roubalheira sempre existiu no Brasil, mas nunca se fez tão presente e tão atuante. O citado por vc, manto escarlate, acoberta a maior e mais bem articulada quadrilha instalada na máquina pública nos últimos doze anos. Confira: "As digitais do tesoureiro" - http://www.istoe.com.br/reportagens/402287_AS+DIGITAIS+DO+TESOUREIRO?pathImagens=&path=&actualArea=internalPage

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.