segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Quem diria: Cesar Maia faz as contas e mostra que Mercadante mentiu sobre gastos com pensionistas


Veja o que ele escreveu em seu blog:

"MINISTRO CHEFE DA CASA CIVIL MENTIU SOBRE PENSÕES AO COMPARAR COM OUTROS PAÍSES! MAIS DO QUE NUNCA SE APLICA, LITERALMENTE, A EXPRESSÃO: QUEM VAI PAGAR É A VIÚVA!

1. O ministro Chefe da Casa Civil –Aloisio Mercadante-, ao apresentar as mudanças que o governo vai realizar no seguro desemprego e nas Pensões, projetou quadros para justificar as decisões. Entre estes, mostrou que o gasto previdenciário com Pensões vinha crescendo muito nos últimos anos.

2. A tabela em gráfico de barras mostra o crescimento ano a ano. Por ser em valores nominais, isso acentua o crescimento das Pensões pelo efeito inflacionário. Mas –digamos- há um erro muito mais grave, numa simples conta de divisão.

3. Segundo a tabela apresentada pelo Ministro, em 2013 a Previdência Social teve uma Despesa Bruta com Pensões, de 86,5 bilhões de reais. A Despesa Líquida é o que Pensionistas recebem: a diferença são receitas do governo. Mas deixemos isso de lado. O número de pensionistas alcança 7,2 milhões. Com isso, a Pensão Bruta Média é de menos que 1,2 salários mínimos.

4. O ministro denunciou uma “fraude”, que são casamentos fictícios entre pessoas muito idosas e muito jovens. Com isso, justificou as mudanças de critérios de idade. Mas não informou quanto essas “fraudes” representam hoje das despesas totais. Elas são recentes ou sempre se usou este recurso?

5. No quadro seguinte são apresentados os valores de Despesas com Pensões em vários Países e no Brasil. Pela tabela, o Brasil seria o líder, com 3,2% do PIB, na frente dos demais países, como Bélgica 2,8%, Itália 2,6%, Portugal 1,6%, França 1,5%, que vêm a seguir.

6. O PIB do Brasil em 2013 alcançou 4 trilhões e 840 bilhões de reais. Sendo assim, as despesas com Pensões em relação ao PIB seriam 86,5 / 4,84 trilhões ou 1,78% do PIB. Portanto, mentiu o ministro. Mas se usarmos o PIB pelo Poder de Compra –PPC-, que o governo gosta tanto de usar para comparar a situação dos brasileiros com a população de outros países, teríamos: Pensões R$ 86,5 bilhões. PIB PPC R$ 6 trilhões e 630 bilhões. Nesse caso, as despesas com Pensões sobre o PIB alcançariam 1,3% do PIB.

7. Conheça os dois quadros/gráficos apresentados pelo ministro.

8. Números como esses não justificam uma redução das Pensões futuras em 50%. Se há abusos, que sejam cortados. Mas abuso maior é esse corte de 50% nas Pensões futuras. O argumento do ministro é macabro: essa medida só atinge as futuras Pensões. Mas as futuras pensões em relação à expectativa de vida dessas pessoas mostram que, em poucos anos, alcançarão quase todas as pensões. Seria bom o ministro informar a taxa de mortalidade das Pensionistas.

9. Essa medida acompanha as receitas adotadas pela União Europeia/BCE/FMI para os países sob tutela, como Portugal e Grécia, e sugerida aos demais. Lá foram consideradas medidas drásticas. Mas mesmo assim, são extremamente suaves em relação ao que o Brasil está adotando. Até Portugal, que no pós-2008 virou um protetorado do FMI, adotou medidas mais suaves em relação às Pensões.

10. (CES-Maio de 2014) O conjunto das medidas introduzidas desde o Memorando de Entendimento inicial e previstas no Documento de Estratégia Orçamental (DEO) está a afeta até mesmo as pensões mais baixas. Caso se considere o rendimento líquido dos pensionistas:

a) Uma pensão bruta de 500 euros passa a valer em 2015, em termos líquidos, quase menos 3% do que valia em 2011. Entre 2011 e 2015 o pensionista perde quase 700 euros. / b) Uma pensão bruta de 1000 euros, passa a valer menos 6,4% em 2015. Entre 2011 e 2015 o pensionista perde um pouco mais de 4000 euros. / c) Uma pensão bruta de 1250 euros perde em 2015, mesmo com a nova Contribuição de Sustentabilidade, cerca de 7,8% do seu valor em termos líquidos e em quatro anos mais de 5500 euros. / d) Um pensionista com uma pensão bruta de 2000 euros perde 8,9% do seu rendimento líquido, cerca de 8000 euros ao longo do período".

Um comentário:

  1. Anônimo12:23 PM

    Só sentindo na carne que se fala mal do governo. Assim como esses dados fantasiosos, todos os dados no Brasil são manipulados ao bel prazer da máquina governamental e propaganda petista. Temos os piores índices em educação, transferência de renda, desvios de verbas, impunidade, custo de vida, maior juros do mundo, energia mais cara entre outros péssimos índices e tem gente que está sempre defendendo o PT. Sem índices favoráveis vai defender o quê? Só sentindo na carne para ver que está tudo errado no país. O brasileiro honesto e que não trabalha no governo ou para o governo, não vive, sobrevive.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.