sábado, 13 de setembro de 2014

Propinoduto blindado

Propineiros nas chapas de Aécio, Alckmin e Serra são “esquecidos”

publicado em 9 de setembro de 2014 às 15:07



Pelo menos desde 2006, sistematicamente, a mídia e grupos de direita têm lembrado aos eleitores que havia na chapa do PT os chamados “mensaleiros”, denominação equivocada, visto que não se provou pagamentos mensais e sequer a Justiça anulou a votação da Previdência, uma das que teriam sido influenciadas pelo suposto “mensalão”.
O “mensalão” já foi julgado, mas serviu como instrumento da direita para caracterizar o PT ligado à corrupção e, com isto, se esqueceu dos maiores escândalos do Brasil: o caso Banestado e a privataria tucana. Agora, com as novas denúncias da Petrobrás, a mídia dá a impressão que a simples citação já é prova suficiente para a pessoa ser condenada, tanto que exige providências sem saber se existem provas reais e concretas.

A ética seletiva da direita e da turma do ódio acaba se esquecendo, propositalmente, do “mensalão tucano mineiro” e dos pagamentos para o então candidato Aécio Neves.
Agora, enquanto a Siemens entrega provas do propinoduto tucano para o Ministério Público Paulista, sobre o escândalo do Metrô, CPTM e setor elétrico, encontramos uma situação muito interessante, para não dizermos cínica: a turma da propina vai disputar a eleição e a mídia se cala frente a esta participação.
Rodrigo Garcia (DEM) é candidato a deputado federal na chapa de Geraldo Alckmin, o candidato do PSDB ao governo do Estado de São Paulo. O DEM é o mesmo partido citado em outro mensalão, o de Brasília, do governo Arruda. E o pior: é o partido de um dos coordenadores da campanha de Aécio, o senador Agripino Maia.

Outro citado no caso é José Aníbal, que agora é candidato a suplente do ex-governador  José Serra na disputa por uma vaga no Senado.

Agravante: segundo o plano tucano, se Aécio for eleito e Serra  se tornar ministro, o propineiro Aníbal vai ser senador.
Isso sem falar que o candidato Serra vai ter de depor, em 7 de outubro, na Polícia Federal para explicar a sua participação no propinoduto.
Agora o governador Alckmin, que diz que nada sabia disto tudo, afirma que a Petrobrás foi assaltada, mas  se esquece de dizer que  o metrô também foi. E o pior: nada faz para acabar com o esquema no metrô e ainda é conivente em que esses candidatos que disputam a eleição na sua chapa.

Além do mais, o candidato a vice-presidente da chapa de Aécio, o senador Aloysio Nunes, é citado pelos executivos da Siemens como um dos envolvidos neste esquema.

O coordenador da Casa Civil de Alckmin, Edson Aparecido, é tricampeão em citações: casos Castelo de Areia, Demop e agora o propinoduto tucano (Alston /Siemens) (aqui e aqui).

Isso sem falar de Andrea Matarazzo, investigado  pela citação de propina ao partido no setor elétrico (aquie  aqui) e que agora responde como coordenador da campanha de Aécio na capital paulista.
Desta forma, é cínico o discurso tucano em defesa da ética e contra a corrupção, visto que esta turma fala uma coisa, mas faz outra.

Ante todas as acusações contra petistas como André Vargas e Luiz Moura, o PT fez a limpeza e mandou estes senhores para fora, mesmo antes de serem condenados. Agora se esperava o mesmo gesto dos tucanos e do DEM, mas, ao contrário, se deu legenda e os trata como se nada houvesse ocorrido. Lembrem-se de todos esses fatos na hora de votar.
Por último, este texto visa lembrar a todos estes fatos e fazer com que as pessoas se lembrem disso na hora de votar.

A propósito. O programa de rádio de Alckmin afirma que o governo   Luiz Antônio Fleury Filho foi um desastre  e quebrou são Paulo. O governador “esquece” que senador Aloysio Nunes era o  vice de Fleury e foi aeu secretário de Transportes Metropolitanos. Muitos dos citados no propinoduto já trabalhavam nesta gestão como Zaniboni, entre outros.

Assim, o desespero de Alckmin com a possibilidade cada vez mais concreta de segundo turno  faz com  que ele dar esses tiros no pé.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.