sábado, 13 de setembro de 2014

A providência divina

Folclore no PSB reforça suspeita sobre morte de Eduardo Campos, esboçada por jornalista dos EUA

Jornalista investigativo com passagem pela Marinha norte-americana, Wayne Madsen escreveu no site da Strategic Culture Foundation  sobre as suspeitas de envolvimento da CIA – a inescrupulosa agência de espionagem dos EUA – no acidente que causou a morte do presidenciável Eduardo Campos no dia 13 de agosto passado.

Li dois artigos seus a respeito (dias 19 e 30 de agosto), traduzidos e divulgados pela Rede Castorphoto. Não dei muito crédito, por que estou escolado com as teorias das conspirações disseminadas a qualquer evento anormal. Mas desde as primeiras informações contraditórias sobre o acidente fiquei com a pulga atrás da orelha, tentando entender por que Marina Silva, habitual companheira de viagens, não estava exatamente no vôo fatídico.

Neste sábado, 13 de setembro, quando se reza a missa do trigésimo dia, fiquei encucado com a notinha na coluna do Jorge Basto Moreno, de O GLOBO.

"Entre os socialistas mais ligados ao governador, morto há um mês, virou piada a declaração dada por Marina Silva de que não estava no avião acidentado por providência divina. Marina não acompanhou Campos no dia do acidente para evitar ser recebida por Márcio França, candidato a vice na chapa de Alckmin contra a sua vontade, no evento em Santos. Agora, segundo dirigentes do PSB, Márcio França tem se apresentado com a seguinte saudação:
 - Prazer, eu sou a Providência Divina".

Também já tinha ouvido falar dessa frase atribuída a Marina, mas achava que era intriga dos adversários. Só sendo muito cara de pau para fazer declaração tão despropositada, quando o corpo do parceiro ainda estava quente na tumba.

Agora, diante desse comentário que mereceu a indignação de Roberto Amaral, atual presidente do PSB, vejo-me na tentação de  procurar entender quem realmente foi o autor da  providência divina que eliminou Eduardo Campos como candidato que fazia um treino para 2018, e pôs no seu lugar alguém que poderia levar as eleições para o segundo turno e aparecer como um fenômeno eleitoral diante do fracasso visível de Aécio Neves.

De fato, o jornalista norte-americano pode ter razão em suas ilações, nas quais aponta Marina com um relacionamento muito mais comprometedor do que com Neca Setúbal, herdeira do Banco Itaú.  Ela faria parte de uma rede mundial bancada pelo especulador George Soros, o maior manipulador das bolsas de valores do mundo.

Sei que é muito delicado, para não dizer leviano, e desnecessário incursionar sobre o alegado envolvimento de Marina Silva com um esquema internacional, montado para inviabilizar a reeleição da presidenta Dilma Rousseff. Mas o contexto enseja toda e qualquer suspeita nesse sentido.

Não sou dos que vêem parentesco próximo entre os governos do PT e a rebeldia bolivariana, apesar da política externa adotada em contrariedade pontual com a orientação sagrada dos Estados Unidos. Neste caso, a criação de um banco próprio dos 5 membros do BRICS e a possibilidade de que esses países saiam da área do dólar têm gerado um mal estar insuportável na desgastada e cambaleante aliança ocidental.  

Os Estados Unidos e a União Européia se sentem vulneráveis diante de dois poderosos membros do BRICS, a Rússia, que os desafia politicamente, e a China, que os mina economicamente. Além de integrar o bloco, o Brasil de Dilma ainda serve como ponte para os países da América Latina.

Além disso, as elites dominantes se posicionam frontalmente contra a reeleição de Dilma muito mais pelo que possa ser o seu segundo governo, como pelo atual.  Não foi por acaso que poderosos segmentos da chamada base governista aliaram-se aos tucanos em grandes colégios eleitorais, como Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e Ceará.

Pelo que conheci de Eduardo Campos, não
havia semelhança entre o seu discurso e o
de Marina, que entrou no PSB pela janela

e em caráter provisório.
(Foto com ele, em 2012)
A filiação surpreendente de Marina ao PSB, pelo fracasso na formação da sua Rede, já foi um fato insolente só assimilado pelos dirigentes socialistas por interferência pessoal de Eduardo Campos. Marina nunca foi uma pessoa qualquer. Até mesmo sua indicação para o Ministério do Meio Ambiente  no primeiro governo do PT já contou com o beneplácito de George W. Bush e aconteceu logo após a reunião de Lula com ele, em 12 de novembro de 2002. Naqueles dias, a pressão sobre o novo governo que se instalaria era violenta, o que levou o ex-metalúrgico a fazer aproximações pragmáticas para desarmar os arsenais conspiratórios.

Neste momento, o jornalista norte-americano se mostra muito seguro em apontar Marina Silva como instrumento de interesses capitaneados pelo megainvestidor George Soros.

"Marina, que é pregadora cristã evangélica em país predominantemente cristão católico romano, também é conhecida por ser muito próxima da infraestrutura da “sociedade civil” global e dos grupos de “oposição controlada” financiados por George Soros, capitalista e operador de hedge fund globais. Conhecida por sua participação nos esforços para proteção da floresta amazônica brasileira, Marina tem sido muito elogiada por grupos do ambientalismo patrocinado pelo Instituto Open Society [Sociedade Aberta], de George Soros. A campanha de Marina, como já se vê, está repleta de palavras-senha da propaganda das organizações de Soros: “sociedade sustentável”, “sociedade do conhecimento” e “diversidade”.

Sua participação na disputa já garantiu o segundo turno e é aí que os  adversários de Dilma esperam dar o golpe final, juntando e misturando todos os insatisfeitos e manipuláveis.

Neste caso, tem sentido o esforço que os partidários de Dilma estão fazendo para assegurar a vitória já no primeiro turno. Como Marina é indiscutivelmente confusa, contraditória e desapontadora, não será novidade de ela própria conduzir sua desconstrução.  Da mesma forma, só uma outra "providência divina" poderia ressuscitar a candidatura moribunda de Aécio Neves.

Cada dia que passará, até o próximo 5 de outubro, poderá nos trazer surpresas de toda natureza. Afinal, a "providência divina" está de olho na sucessão presidencial no Brasil.

Para ler os artigos de Wayne Madsen, na tradução do pessoal da Vila Vudu, clique os links abaixo:


9 comentários:

  1. Anônimo6:35 AM

    Sr. Porfírio, O "Soros", é o povo brasileiro, que depois de 12 anos de PT, abriu os olhos !

    ResponderExcluir
  2. Jileno Sandes.11:35 AM

    Sempre que algo pode ser altamente contra ao governo mundial, a providência divina é fatal.
    Deus é bom o homem é mau.
    Quantas vezes usarão Deus pra se livrarem do mal?.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo12:06 PM

    A morte de Chico Mendes é uma incógnita e Marina subiu após seu assassinato. Quando Silas Malafaia em seu vídeo proibido (por êle é claro) disse que mataria quam denunciasse pastor ladrão a situação da Marina fica em cheque, o evangelismo desssa gente não é tão divino. O Brasil se libertou do Ditador do Mundo e isso criou uma grande confusão para os poderosos. Primeiro tentaram derrubar o Governo por corrupção, corrupção esta que é uma gotinha em relação da entrega do Brasil pelos tucanos (leiam "A Privataria Tucana") com o maior crime de corrupção, roubo, lavagem de dinheiro e paraisos fiscais no exterior. A sociedade com o Banco BRICS foi a gota dágua e isso enfraqueceu os Rockefeller da vida capitalista. A Bolsa tem manipulado resultados e culpado o atual Governo e as eleições pela queda. Idiota será o povo em votar na vontade desses dominadores do Mundo por intermédio de Bolva de Valores. Eu não invisto em bolsa e não aposto em corrida de cavalos, portanto que se danem quem investe. Finalizando, a morte (assassinato) de Educardo Campos só interessava a Marina Malafaia Setubal Silva.

    ResponderExcluir
  4. ESCORREGANDO ENTRE OS DEDOS,QUANDO OS EUA VÊ A POSSIBILIDADE DE PERDER O CONTROLE DO BRASIL,QUE TINHA DESDE O TEMPO DOS MILICOS,E QUE PERDUROU ATÉ O GOVERNO DO FHC/PSDB.NÃO SOU PT,E MUITO MENOS SIMPATIZANTE,MAS TEMOS NO GOVERNO DILMA A ÚNICA POSSIBILIDADE DE SAIRMOS DEBAIXO DA MÃO PESADA DOS ESPECULADORES NORTE AMERICANOS,E SUA POLITICA DE ESCRAVIDÃO ECONÔMICA.E CLARO QUE PRECISAMOS DE BOA POLITICA ECONOMICA,MAS ISSO NÃO SIGNIFICA ABRIR AS PERNAS PRO TIO SAM!

    ResponderExcluir
  5. Anônimo3:02 PM

    Há mais mistérios na morte do Eduardo Campos do que imagina a nossa vã filosofia.
    Esta caixa preta, que só não gravou o que interessava ....
    Para quem já matou vários presidentes, inclusive o Kennedy, derrubou as Torres Gêmeas, etc., derrubar mais um avião é café pequeno.
    Se não é verdade, é bem provável !

    ResponderExcluir
  6. AGORA E' ASSIM,AQUI NO BRASIL TODO MUNDO QUE MORRE VIRA SANTO,OU SALVADOR DA PÁTRIA,COMO ALGUNS TENTAM CLASSIFICAR O FINADO.VAMOS DEIXAR QUE SUA ALMA DESCANSE EM PAZ! JÁ FOI,TRAZER ESPECULAÇÕES EM TORNO DE SUA MORTE,SEM PROVAS E' FOLCLORE.FOI ASSIM COM GETULIO,JUSCELINO,TANCREDO,ULISSES,E AGORA O EDUARDO! OS POLÍTICOS SÃO TÃO MORTAIS COMO NÓS,SÓ EU QUEM VOS ESCREVO PERDI DOIS SOBRINHOS DE MORTES TRÁGICAS,UM DE 5 ANINHOS,QUE FOI ATROPELADO EM CIMA DA CALÇADA NOS BRAÇOS DA MÃE,E OUTRO DE 10 ANOS VÍTIMA DE AÇÃO DE CRIMINOSOS.NÃO ESTOU QUERENDO COM ESSE RELATO PESSOAL,APELAR PARA O DRAMA,MAS LEMBRAR A TODOS,QUE A MORTE CHEGA PARA TODOS,INCLUSIVE POLÍTICOS,E GRANDE EMPRESÁRIOS!

    ResponderExcluir
  7. Minha opinião sobre a "Providência" que salvou Marina:

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1556597141235637&set=a.1387737164788303.1073741826.100006560979612&type=3&theater

    ResponderExcluir
  8. Anônimo4:30 PM

    Sr. Porfírio, finalmente se convenceu das manobras espúrias e cruéis dos EUA e da elite udenista. Em tudo existe um propósito e o propósito dos EUA é se manter como império. Império formado na guerra e pela guerra. Esse império está em decadência, mas para continuar e consolidar sua hegemonia por mais tempo, diante de um cenário em que o mundo se vê na orbita da virada, que pode configurar o planeta de ponta a cabeça, prepara a guerra das guerras, onde envolve o Oriente Médio,Ásia e parte da Europa e o resto do mundo vai a reboque, pois, só assim, numa guerra maior os EUA tem as condições de manter o mundo submisso.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.