domingo, 8 de junho de 2014

Dez anos que parecem uma eternidade

Dia 21, lembraremos 10 anos da morte de Leonel Brizola. Parece que foi uma eternidade. Nunca ninguém teve tanta visão de país como ele. E nunca ninguém foi tão massacrado pelo sistema e pelo seu braço midiático. Espero estar com saúde para escrever sobre seu legado. Como tudo seria diferente se o sistema não tivesse saído vitorioso na conspiração internacional para impedir que ele chegasse á Presidência.

Um comentário:

  1. Anônimo6:35 PM

    I do not underdtand how I ended up here, but after studying your blog I needed to leave you a post to
    say good fortune on your career - you possess a genuinely
    uncooked talent for this kind of matter.

    Also visit my blog :: tobacco e liquid []

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.