sábado, 31 de maio de 2014

Basta de fingir

CRISTOVAM BUARQUE

(Assino embaixo)
Pedro Porfírio



O Brasil comemora sua posição de sétimo maior PIB do mundo, mas o PIB per capita rebaixa o país para a 54ª posição no cenário mundial; no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) ficamos em 85º lugar. Fingimos ser ricos, apesar da pobreza.

Nos últimos 20 anos, passamos de 1,66 milhão para 7,04 milhões de matrículas nos cursos superiores, mas quase 40% de nossos universitários sabem ler e escrever mediocremente, poucos sabem a matemática necessária para um bom curso nas áreas de ciências ou engenharia, raros são capazes de ler e falar outro idioma além do português. Fingimos ser possível dar um salto à universidade sem passar pela educação de base.


Comemoramos ter passado de 36 milhões, em 1994, para 50 milhões de matriculados na educação básica, em 2014, sem dar atenção ao fato de termos 13 milhões de adultos prisioneiros do analfabetismo; 54,5 milhões de brasileiros com mais de 25 anos não terminaram o Ensino Fundamental e 70 milhões não terminaram o Ensino Médio. Fingimos que os matriculados estão estudando, quando sabemos que passam meses sem aulas por causa de paralisações ou falta de professores.

A partir de 1995, no Distrito Federal e em Campinas, iniciamos um programa que serve de exemplo ao mundo inteiro, atualmente chamado de Bolsa Família e que transfere por mês, em média, R$ 167 por pessoa pobre, o que lhe assegura R$ 5,67 por dia, valor insuficiente para aliviar suas necessidades mais essenciais.

E fingimos que, com esta transferência, estamos erradicando a pobreza que é caracterizada efetivamente pela falta de acesso aos bens e serviços essenciais que não estamos oferecendo. Fingimos ter 94,9 milhões na classe média, sabendo que a renda média mensal per capita dessas pessoas está entre R$ 291 e R$ 1.019, quantia insuficiente para uma vida cômoda, especialmente em um país que não oferece educação e saúde públicas de qualidade.

Comemoramos o aumento da frota de automóveis de, aproximadamente, 18 milhões, em 1994, para 64,8 milhões, em 2014, fingindo que isto é progresso, mesmo que signifique engarrafamentos monumentais.
Comemoramos, corretamente, termos desfeito uma ditadura, esquecendo que a democracia está sem partidos e a política se transformou em sinônimo de corrupção. Fingimos ter uma democracia com liberdade de imprensa escrita em um país onde poucos são capazes de ler um texto de jornal. Assistimos a 56 mil mortos pela violência ao ano, e fingimos ser um país pacífico, sem uma guerra civil em marcha.
Fingimos ser um país com ambição de grandeza, mas nos contentamos com tão pouco que os governantes se recusam a ouvir críticas sobre a ineficiência dos serviços públicos. Preferem um otimismo ufanista, comparando com o passado que já foi pior, e denunciam como antipatriotas aqueles que ambicionam mais e criticam as prioridades definidas e a incompetência como elas são executadas. Antipatriota é achar que o Brasil não tem como ir além, é acreditar nos fingimentos.


Cristovam Buarque é senador (PDT-DF).

5 comentários:

  1. A manifestação mais eficiente, a mais legítima, a mais ostenciva, a mais inexorável e de resultados mais irrevogáveis é o voto. Isso dura alguns segundos e é um momento de total liberdade. É com discursos como o do Senador Cristóvão Buarque que se convoca, pela Internet, para esta manifestação. Repassarei.

    ResponderExcluir
  2. O sr. André Mendes aproveita as corretas reflexões do senador Cristóvam para convocar ao voto de oposição, para virar a mesa. infelizmente, prevalece a partidarização dos problemas brasileiros. A situação era melhor quando governava a atual oposição? Ela é continuadora de una tradição política quinquesecular que construiu o país que temos, a ponto de Celso Furtado afirmar que o país que temos é o que nossas elites quiseram e fizeram (inclusive a nobiliarquia usineira do Nordeste, a que pertencem os Buarque de Holanda). Não se percebe que se trata de uma cultura política, e só a partir da mudança dessa cultura podemos mudar o país. Sem isso, ficam as meias soluções, como ocorreu na libertação dos escravos: a facção de Joaquim Nabuco queria preparar os escravos para a liberdade: alfabetização, posse de terras; a facção dos proprietários venceu; apenas a Lei Áurea. O que queriam era libertar-se das "peças" escassas, caras e envelhecidas - a Inglaterra impedia o tráfico - para o governo abastecer as lavouras de imigrantes - e os ex-escravos se refugiaram nos morros, donde hoje estão descendo armados. para cobrar a conta. Foi sempre esse o modelo de solução de nossos problemas.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo2:55 AM

    Hello, I enjoy reading all of your article post. I wanted to write a
    llittle comment to suppoort you.

    Visit my web blog :: sexercise

    ResponderExcluir
  4. Anônimo9:03 AM

    Awesome blog! Is your theme custom made or did you download it from somewhere?
    A design like yours with a few simple tweeks would
    really make my blog shine. Please let me know where you got your design. Thanks

    My website myspace music marketing torrent ()

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.