quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Minha saúde, minha vida

o tumor ou eu!
Nesta quinta, estarei "entrando na agulha" de uma radiologia intervencionista para vencer um nódulo no fígado

CLQIUE NA IMAGEM PARA VÊ-LA MAIOR
Confesso que senti um friozinho na barriga, ontem,  quando a secretária do dr. Feliciano ligou para marcar o início do tratamento radiológico do tumor que foi localizado em meu fígado:

-  O plano já autorizou. Quer fazer amanhã?

- Amanhã? Não, amanhã, não. Preciso falar com a esposa e os filhos. Preciso me preparar psicologicamente. Pode ser na sexta?

Ela ficou de falar com o médico, contatar o hospital e me dar retorno: marcou o procedimento para amanhã, quinta-feira, às 14 horas, na Casa de Saúde São José, em Botafogo.

Quando ela ligou, estava começando a escrever sobre a  judicialização do futebol, como reflexo de todo um ambiente de hipertrofia do Judiciário e com vista à preservação dos negócios da bola. Não poderia ser mais frustrante ver um time que não se classificou em campo no campeonato brasileiro beneficiar-se da aplicação burocrática e claramente direcionada de um artigo disciplinar para nele permanecer em detrimento de outro, penalizado conforme o velho adágio nordestino: aos amigos, tudo; aos inimigos, a Lei.

O que prevaleceu de fato foi o interesse do mercado. Para quem investe em um dos maiores campeonatos do mundo, ter apenas dois times do Rio de Janeiro entre os 20 de 2014 causaria prejuízo inevitável, afetando inclusive as transmissões televisionadas, que são as principais fontes do futebol: A GLOBO não teria como enviar imagens para o mercado do Rio de Janeiro todas as quartas e domingo com apenas 10% dos clubes cariocas no certame.  A Portuguesa paulista foi sacrificada por não ter torcida e audiência competitivas, em comparação com o Fluminense. Para os negócios do futebol, ainda bem que o Flamengo não caiu ao perder pontos.  Vamos ver o que vai acontecer no "pleno" do dia 27 ante o mal-estar causado pela decisão escandalosamente unânime do STJD.


Cada um tem seu modo de lidar com o cotidiano de cada um. E cada um tem uma reação ainda mais pessoal quando a vida se complica.

Desde o primeiro exame que revelou a existência do nódulo venho tirando do cérebro vivivido os elementos da minha própria reação. Já estou com 70 anos e, portanto, não poderia me surpreender com esse tipo de notícia. Que, aliás, pode ocorrer em qualquer idade, como me narraram muitos amigos e leitores que leram a matéria postada aqui no dia 30 de novembro.

No meu caso, além do que se poderia considerar uma notícia indesejada, assaltou-me a preocupação com os sentimentos dos outros, especialmente dos mais próximos. Por toda uma trajetória engajada no pensamento inconformista aprendi a encarar com dignidade os tropeços, as adversidades e as possibilidades de pirraças do destino. A vida é, sem dúvida, imprevisível e nos oferece todo tipo de surpresas.

Cabe-nos administrar com serenidade os bons e os maus momentos. Quem não estiver pronto para tudo, que se imaginar singrando somente num mar de rosa, vai sofrer muito mais às primeiras procelas.

Como a maioria dos mortais, exceto provavelmente os profissionais da área, não morro de amores por hospitais, mas é lá que encontramos a praça de guerra mais adequada para os combates em defesa da saúde e da vida.

Pelo tratamento que estarei iniciando, a previsão é de retorno no dia seguinte. Dizem até que a retomada das atividades laborais também pode acontecer em poucos dias.

Uma técnica nova e de sucesso

CLQIUE NA IMAGEM PARA VÊ-LA MAIOR
Como não poderia deixar de ser, andei lendo muito sobre radiologia intervencionista, quimioembolização, ablação e outras variáveis dessa técnica moderna. No meu caso, o mais indicado é a quimioembolização de início.

Minimamente invasivo esse procedimento combina duas frentes de ataque: a embolização, adotada para obstruir os vasos sanguíneos que nutrem o tumor, a fim de diminuí-lo; e o uso de quimioterápicos, em geral as mesmas drogas da quimioterapia convencional. Na quimioembolização, porém, a dosagem é muito menor, aplicada diretamente na área do tumor, de maneira concentrada.

Guiado pelas imagens de angiografia (uma espécie de raio-X dinâmico), o médico conduz um microcateter até a região da lesão, levando as microesferas ao alvo. Primeiro elas estufam, bloqueando os vasos sanguíneos que alimentam o tumor, reduzindo a vascularização, o que contribuirá para que ele diminua de tamanho. Depois, a dose de quimioterápico concentrada no local vai sendo liberada de forma gradual ao longo de aproximadamente 15 dias. É a diferença, por exemplo, de se ministrar 50 mg de quimioterápico em apenas dois centímetros de tecido doente (quimioembolização) ou injetar 500 mg dessa droga em toda a corrente sanguínea do organismo (quimioterapia sistêmica). Além de atingir o alvo, os efeitos colaterais são reduzidos.

Por hoje, fica um abraço para todos e uma enorme vontade de retomar minhas atividades blogueiras. Darei notícias dessa intervenção, como velho jornalista que faz sua auto-reportagem. Aguardem.

Foi tudo bem.  Estou voltando

Amigos: Sofri a inervenção radiológica de um cânceer no fígado (CHC) ontem, dia 19 de zembro, na Casa de Saúde São José, pelas mãos do dr. Feliciano Azevedo, um dos pioneiros dessa tecnologia revoluicionária, com a assistência da dra. Vanessa e do dr. Rodrigo (anestesista).


 Após a intervenção radiológica, convenci-me de que vamos vencer essa : não precisei ir para o CTI e ainda tive alta 24 horas depois. 

Já estou de volta ao nosso ap, retomando o nosso convício internáutico (com moderalção). Nos próximos 30 dias teremos a avaliação pela ressonância magnética. Posto aqui logo a notícia e a foto como forma de AGRADEDEVER ÀS DEZENAS DE MENSAGENS DE SOLIDARIEDADE E ESTÍMULO  DOS AMIGOS.



15 comentários:

  1. Grande amigo Pedro Porfírio, aceite a minha solidariedade. Se precisar de alguma coisa conte comigo. Melhore rápido. Vc faz falta. Grande abraço, Ricardo

    ResponderExcluir
  2. Anônimo8:14 AM

    Te desejo boa sorte, nunca aprovei com tua luta do diária nunca mais, ja que sou um permissionário,mesmo nunca tendo tido um único sequer auxiliar em mais de trinta anos de "ralação"no táxi. Mais considero ser vc um pessoa importante demais para a luta de taxistas em toda a sua "lista de problemas e "reivindicações", que sempre acabam sendo motivo de "negociações" de muitos "171's entre taxista de araque e políticos sempre demagógicos .....Enfim boa sorte, que teus anjos guardães lhe possam dar uma "guarida" e que "Deus" lhe dê mais uma "carência" de vida, pois vc ainda pode ajudar a nossa classe de taxistas, pelo teu amor por causas, que abraça !! abraços.

    ResponderExcluir
  3. Paulo Gianinni9:57 AM

    É mais uma batalha em sua vida para comprovar o que sempre foi, ou seja, um guerreiro do bem, e com certeza mais uma vez vencerás!

    ResponderExcluir
  4. Anônimo11:58 AM

    Porfírio, boa sorte:
    Fé em "Deus" (e/ou em todos os "Deuses") e continuemos a luta pela nossa sobrevivência, neste Universo, onde tudo é relativo, transitório e mutante, e, onde a virtude está no centro de "gravidade" (equilíbrio) e não nos extremos..

    ResponderExcluir
  5. Anônimo2:21 PM

    Caro Porfírio
    Acompanho seus artigos, que são uma das minhas referências para pensar as mazelas dessa nossa sociedade. Sei que só a sua generosidade o incita a tornar público seu problema e compartilhar a opção por um tratamento menos invasivo entre os que o seguem. Você, que luta todo dia tantas batalhas, se depender de nossa admiração e energia, será vitorioso em mais essa. Grande abraço, Tânia Franco

    ResponderExcluir
  6. Jileno Sandes6:43 PM

    Um guerreiro é sempre um guerreiro, vamos combater o bom combate, você já enfrentou muitas lutas. Essa é mais uma.

    ResponderExcluir
  7. vinicius bandera9:45 PM

    Porfírio,
    Você é um grande guerreiro que ainda tem muito a contribuir no caminho humanista/esquerdista. Força, serenidade e pensamento positivo. Além dos cuidados médicos, você tem uma grande energia positiva vinda da família e dos amigos. Tudo isto fará você sair dessa mais fortalecido do que antes. Tudo de bom! viniciusbandera@gmail.com (SMDS)

    ResponderExcluir
  8. Anônimo9:55 PM

    Boa noite

    Deixe o futebol para lá. Há coisas mais importantes neste momento.
    Estamos aqui em casa torcendo pela sua breve recuperação. Afinal, você já venceu lutas maiores.
    Nesta luta há muitos que estão juntos com você.
    Abraços

    Julio Cesar, Lisandra e família.

    ResponderExcluir
  9. Anônimo11:17 PM

    Porfírio,
    sou um leitor atento e entusiasta de seus artigos.
    Entretanto, irei discordar no que tange aos interesses da ¨dona do futebol¨. Para faturar em jogos da 2ª divisão ela precisa que haja sempre, pelo menos, um clube de grande investimento e torcida. Com todo respeito ao ABC e ao Sampaio Correa, clubes de pequeno porte, por exemplo, não darão retorno nas vendas de Pay Per View para a Globo em jogos de terça e sábado.
    Sou vascaíno e, portanto, isento em defender o Fluminense neste episódio.
    Se não houve alguma trama espúria (corrupção), a Portuguesa como o Flamengo não cumpriram o que preceitua o regulamento e portanto devem ser penalizados.
    Mais imoral ainda é o STJD, via seu procurador, paranaense íntimo do Petraglia, fora de suas atribuições, não acolher, por duas vezes, o pedido de defesa do meu clube.
    Enquanto Portuguesa e Flamengo tem um julgamento sob o foco técnico, para o Vasco usa-se o político (resultado em campo e violência entre as torcidas). O Atlético Paranaense, em cumprimento a pena de um mando de campo fora de sua casa, levou o jogo para Arena Itajaí, estádio sem alvará pois não cumpria as exigências do regulamento, inclusive com pedido do Ministério Público-SC pela interdição deste estádio. E como mandante do jogo não propiciou aos 10% de visitantes (vascaínos) a segurança devida como determina o CBDF e o Estatuto do Torcedor, num jogo de alto risco, tanto pela rivalidade das torcidas quanto pela importância do resultado para as duas equipes. E pasme, a violência ocorreu no espaço destinado aos cruzmaltinos apesar de o placar favorável (1x0) aos mandantes. Imagine a tragédia se desfavorável aos Atleticanos?
    Bom, mas o mais importante é sua saúde.
    Torço para sua mais breve recuperação e que neste recesso forçado aproveite para recarregar toda sua munição e em 2014 volte sentando a pua.
    Plena recuperação, boas festas e
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  10. Cláudia Versiani12:44 AM

    Espero que você saia dessa bem e o mais rápido possível.
    Abraço,
    Cláudia Versiani

    ResponderExcluir
  11. Você é duro na queda Porfírio,isso para você é um exame de rotina.Vai nos atualizando amigo e boa sorte e estou em orações para sua recuperação.

    ResponderExcluir
  12. Salvador de Farias2:08 PM

    Estou torcendo por você, Porfírio. Abraços!

    ResponderExcluir
  13. ELISA BRUM1:56 PM

    CARO AMIGO PORFÍRIO, VC ESTÁ UMA GRAÇA NESSA CAMA, PARECE UM BEBEZÃO RECÉM NASCIDO E, DE ALGUMA FORMA, É UM RENASCIMENTO
    PARA UMA VIDA MAIS SAUDÁVEL, LIVRE DO "MALIGNO". QUE 2014 NOS
    PERMITA TRAZER VC MAIS FORTE E AINDA MAIS COMBATIVO, VC É UM
    EXEMPLO E UM GUIA. ABRAÇOS, CONTINUE NOS DANDO NOTÍCIAS.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.