domingo, 16 de junho de 2013

Revoltas muito além dos 20 centavos

Sistema que monopoliza os transportes públicos superfatura há décadas e é quem dá as cartas, pois, pelas contas, em relação aos 3 últimos anos,  o certo seria reduzir e não aumentar as tarifas dos ônibus!

Faça as contas: esse aumento não precisava
No início da década de 80, com um salário mínimo comprava-se 500 passagens de ônibus em São Paulo, segundo levantamento oficial do Ministério das Cidades, que informou também:  em 2006, quando já estava em vigor a política de reajustes do mínimo acima da inflação, este só dava para comprar 175 passagens,  Hoje, mesmo com reajustes de 182% no mínimo de 2003 para 2013 (contra 78%dos salários em geral) o mínimo de R$ 678,00 dá para comprar 211 passagens de R$ 3,20, menos da metade dos anos 80, quando todos sofriam com o arrocho salarial.

No período de janeiro 1995 a dezembro de 2002, a tarifa média dos serviços de ônibus urbanos nas capitais brasileiras cresceu em torno de 204% (R$0,35 para R$1,20) contra o aumento de 108% do Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI). Ou seja, a renda da população não acompanhou este  aumento da tarifa, segundo números da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos.

Segundo essa entidade, por conta dos aumentos exorbitantes dos preços nas passagens, no Rio de Janeiro, já em 2008, os ônibus transportavam uma quantidade cada vez menor de passageiros. A média mensal de usuários caiu em dez anos de 110 milhões para 85 milhões, uma redução de 22,7%. (O GLOBO, 06/04/2008).  E hoje não chega a 69 milhões.

Governos generosos reduziram impostos a zero

Paes tem nos ônibus a razão de sua política de transportes
Nesse período, os governos foram generosos mais da conta com as empresas de ônibus. No Rio de Janeiro, elas não pagam impostos e ainda recebem subsídios da Prefeitura. Desde 2010, o prefeito Eduardo Paes reduziu de 2% para 0,01% o ISS dos transportes municipais, uma renúncia de R$ 33 milhões por ano. O ICMS do Estado também está  no mesmo patamar.
As dádivas com dinheiro público não se limitaram aos governos municipais e estaduais, sempre bem tratados pelos empresários, mas chegaram à União. Agora em junho, por ato da presidente Dilma Rousseff, todas as empresas de ônibus do país ficaram isentas do COFINS e do PIS, com o que o governo federal deixa de arrecadar R$ 1 bilhão por ano.
Todas as iniciativas nas áreas de transportes nas grandes cidades são direcionadas para favorecer as empresas de ônibus. Os prefeitos têm desistido ou recusado projetos com veículos sobre trilhos para não afetar os seus interesses. No Rio de Janeiro, desde o início dos anos 90, em seu primeiro governo, Cesar Maia anunciou a implantação do VLT da Penha à Barra. Acabou mudando de idéia no meio do caminho.

No Rio, tudo na mão de 4 empresários

Reportagem de Luiz Ernesto Magalhães e Ruben Berta, publicada em O GLOBO de 17 de maio passado mostra que apenas 4 empresários controlam o sistema de 7.550  veículos no Rio de Janeiro, entre eles, com a maior fatia, Jacob Barata, paraense de 81 anos, que chegou aqui na década de 50 e começou dirigindo uma "lotação", micro-ônibus de 12 lugares, que fazia a linha  Madureira-Irajá, e hoje é  senhor de um império em 20 ramos diferentes, inclusive um banco e 4.200 ônibus.

O oligopólio dos transportes públicos está sendo investigado pelo Ministério Público e provocou mal estar inclusive no Tribunal de Contas do Município, onde foi objeto de uma análise crítica do conselheiro Fernando Bueno, que fez 32 restrições a um convênio no qual a Prefeitura  repassa R$ 50 milhões do orçamento da educação para o sindicato das empresas de ônibus, sob o pretexto de pagar por um serviço pelo qual o cartão RioCard, distribuído aos alunos do município, também é usado para controlar a frequência escolar. Em seu voto, o conselheiro do TCU afirmou que não existe justificativa para repassar R$ 50 milhões ao sindicato das empresas. “Não foi encaminhado nenhum estudo que demonstrasse a composição ou justificasse a cobrança desse valor” - ponderou.

Poder com a ajuda de bancadas fidelizadas

A nível nacional, o transporte público rendeu-se aos ambiciosos (e quase sempre inescrupulosos) empresários de ônibus.  Dados oficiais do Ministério das Cidades informam que, em 2006, das 1600 empresas de transportes urbanos, apenas 12 eram metro-ferroviárias. Nas 223 cidades com mais de 100 mil habitantes, haviam115 mil ônibus transportando 60 milhões de passageiros-dia, contra 2.700 veículos do sistema metro-ferroviário, que transportavam 5 milhões de passageiros-dia em ramais também intermunicipais.

FONTE FETRANSPOR-RJ
CLIQUE NA IMAGEM PARA VÊ-LA MAIOR
Graças ao poder político desses empresários, que têm bancadas fidelizadas em todas as casas legislativas e acessos instantâneos aos gabinetes de prefeitos e governadores, a implantação de metrôs no país é uma piada cara e de mau gosto.  Um gráfico da própria Fetranspor mostra que enquanto existiam 1.700 linhas de ônibus municipais e intermunicipais no Estado do Rio, o metrô percorria 38 km com 33 estações e os trens somavam 264 km de ferrovias com 95 estações. O mesmo gráfico compara com a cidade do México, onde o metrô percorre 177 km em 11 linhas e 177 estações.

Enquanto os ônibus transportam  por dia no Rio de Janeiro 2,7 milhões de passageiros,   o metrô atende  645 mil nos dias de semana, e os trens da Supervia, cerca de 530 mil.  (Esses números corrigem informação anterior) E olha que em 1998, embora com menos veículos,  quando os alternativos ainda eram incipientes e havia menos carros particulares nas ruas, o  transporte rodoviário contabilizava 110 milhões de passageiros/mês.

Vans criminalizadas por reduzirem lucros do ônibus

Fonte: FETRANSPOR-RJ
CLIQUE NA IMAGEM PARA VÊ-LA MAIOR
O aparecimento progressivo de vans na década de 90 afetou os negócios das empresas de ônibus.  Até 2011, o transporte alternativo já tinha um peso de 16% em número de usuários. Na maioria das linhas, as "milícias" formadas por policiais que vendem "proteção", passaram a controlar esse sistema, aliando-se aos políticos como uma força de grande poder de fogo.

Mas os empresários de ônibus falaram mais alto e o governador Sérgio Cabral esqueceu antigos aliados e resolveu reprimir o transporte alternativo, inclusive os que não tinham nada com as "milícias",  cujo maior crime foi reduzir os ganhos das donas do pedaço. O primeiro passo foi reprimir as milícias que se envolveram no ramo, mas deixando de garantir o trabalho de quem também era vítima desses grupos.

Já o prefeito Eduardo Paes nomeou um delegado de polícia para o controle dos transportes complementares e os está aniquilando por etapas. As áreas mais lucrativas da cidade, como Zona Sul, foram fechadas ao às vans, deixando campo livro e exclusivo para os ônibus.

Em SP aumentos acima da inflação e subsídios fartos

Em São Paulo, a "parceria público-privada" não é diferente. Em janeiro de 2010, as passagens passaram de R$ 2,30 para R$ 2,70, um reajuste de 17% em relação a 2009. Em 2011, o prefeito Gilberto Kassab deu um aumento de 11,11%, e as passagens foram para R$ 3,00, muito mais do que os 6,03% da inflação. Em 2012, ano eleitoral, já sem condição de aumentar nada, diante dos 29% em dois anos, preferiu deixar para depois.

O movimento de agora é muito mais contra o aumento sempre superior à inflação, principalmente nos últimos 3 anos. A população esperava que o prefeito Fernando Haddad, do PT, no mínimo mantivesse os R$ 3,00, que já era um custo superfaturado, ainda mais com a suspensão do COFINS e do PIS, que em São Paulo seria o suficiente para não precisar de aumento, independente do que aconteceu nos três anos anteriores.

De fato, o  paulistano morreu em R$ 4 bilhões 510 milhões em 2012 só nas catracas. E as empresas ainda receberam subsídios da Prefeitura, que somaram R$ 961 milhões - R$ 301 milhões a mais do que os R$ 660 milhões previstos no orçamento.  Para este ano, a Prefeitura vai conceder subsídios de  R$ 1 bilhão 250 milhões, segundo  o prefeito Fernando Haddad. Isto é, além de dispensados de impostos, as empresas ainda recebem dinheiro farto das prefeituras.

Apoio  surpreende pelo perfil dos simpatizantes

CLIQUE NA IMAGEM PARA VÊ-LA MAIOR
Pesquisa divulgada nesta sexta-feira, dia 14, pelo DATAFOLHA revelou que 55% dos paulistanos apóiam os protestos de rua contra a elevação das tarifas, enquanto 41% se declararam contrários. A pesquisa mostra também um descontentamento com o novo preço da tarifa do transporte público, que passou de R$ 3,00 para R$ 3,20. Para 67% o reajuste foi alto ante 29% que o consideram adequado.

Um dado na pesquisa surpreende, mas revela ao mesmo tempo o renascente ambiente crítico que mobiliza os paulistanos, sintam-se ou não diretamente prejudicados. O percentual dos que defendem os protestos cresce entre os entrevistados com renda acima de 10 salários mínimos, atingindo 67% nesse grupo. Entre os apoiadores, metade (51%) disse que não usa transporte público.

Essa talvez seja a informação mais significativa sobre a indignação de uma população cansada de conviver com a corrupção e a manipulação do sistema de transporte num contexto de uma governança degenerada, envolvendo todas as fileiras partidárias.


Com certeza, os 20 centavos a mais nas passagens dos ônibus foram apenas a gota d'água que fez ecoar um grito que estava parado no ar. E, como já observaram alguns jornalistas e especialistas, a revolta que expressa o sentimento de uma maioria silenciosa emana de um conjunto de mazelas, em todos os campos dos serviços públicos.

Em alguns municípios, protestos conseguiram reverter
CLIQUE NA IMAGEM PARA VÊ-LA MAIOR
Isso quer dizer que o recuo dos recentes aumentos em 11 capitais seria a medida mais inteligente dos governantes, principalmente diante da suspensão da cobrança do COFINS e do PIS, que já repercutiu em alguns municípios.

Em Porto Alegre (RS), por exemplo, após intensa pressão popular, a Justiça determinou a suspensão do valor de R$ 3,05 cobrado pelas empresas de ônibus, que passou a vigorar em março. A antiga tarifa de R$ 2,85 voltou a valer em abril.

Em Natal (RN), os protestos começaram em maio, após o anúncio da prefeitura de aumento de R$ 2,20 para R$ 2,40 na tarifa. Um mês depois, uma portaria reduziu o valor da passagem para R$ 2,30.

Na Região do ABC Paulista se inicia outra movimentação para redução de passagens. A partir deste dia 15 de junho, as tarifas dos ônibus de cinco cidades ficarão mais baratas tendo como base a redução a zero da alíquota do PIS e  do COFINS. Em Santo André, São Bernardo, São Caetano, Mauá e Ribeirão Pires, onde a passagem estava em R$ 3,30, o novo valor será de R$ 3,20.

Independente dessas reavaliações pontuais parece claro que a cidadania vai aos poucos se dando conta de que o ambiente político de hoje se assemelha ao do tempo da ditadura, com a diferença que os tanques e fuzis que constrangiam os mandatários deram lugar aos cifrões que fazem a festa de administradores sensíveis ao vil metal.
E que o povo precisa voltar às ruas marchando em aguerridos cordões, com a consciência recobrada de que quem sabe faz a hora, não  espera acontecer. 

O protesto no canto de André Porto

Com o título Meu protesto em forma de canção, o cantor e compositor André Porto postou   no espaço de comentários desta matéria o clip de uma de suas composições. Foi uma iniciativa inédita, que consideramos dentro do contexto do que escrevemos.  Depois de  ouvir sua canção, decidimos dar maior destaque a ela, incluindo-a no pé da matéria, como uma forma de ilustrá-la musicalmente, apesar de não se referir especificamente aos acontecimentos abordados. Assim, para ver o vídeo, basta clicar na foto de André Porto.

18 comentários:

  1. O transporte coletivo em todo o Brasil é uma vergonha e São Paulo com Rio de Janeiro são os maiores mostruários de como funcionam tão mal e cobram tão caro. A revolta é geral porque os administradores públicos protegem as empresas de ônibus, deixando transparecer corrupção. A revolta vai continuar e agravar-se caso os homens ditos públicos não se dediquem a melhorar muito o transporte público antes da Copa de 2014.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo1:19 PM

    Esse movimento é fruto da inércia do poder público, diante de tudo de tudo ruim que está por aí; estão desdenhando da inteligência do povo; costumam alardear que está tudo bem,fazendo vista grossa passando por cima dos anseios da população. Quem sabe agora acordem, e repensem suas atitudes.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo1:22 PM

    Se for para reclamar, teríamos que ter passeatas todos os dias, todas as horas e todos os segundos.
    O que não pode é quebrar e incendiar tudo o que está em volta, sem o mínimo respeito pela população, que eles dizem defender.
    O que não pode é provocar (muito) a Polícia (até ela reagir) e depois se passar por vítima.
    Que tal protestar contra o Poder Judiciário, que é corrupto e ineficiente. A Polícia prende e a (in)Justiça, solta no dia seguinte !!!
    Há "algo" (quase tudo) de PODRE no Reino do Patropí !!!

    ResponderExcluir
  4. Anônimo2:21 PM

    Teria que começar de alguma forma: que bom que não é influenciado por nenhum partido político ou nenhum famoso; é a insatisfação pura e simples da população, é a revolta genuína; a demonstração de um novo tempo, e mais que isso: um alerta, para as autoridades, de que, do jeito que está, não dá mais...

    ResponderExcluir
  5. Anônimo4:05 PM

    A gente tem de reconhecer uma coisa. Um único governante que teve peito de encarar os galegos foi o Brizola, no seu primeiro governo, que estatizou as empresas de ônibus que estavam fazendo boicote nos transportes. Quando o Moreira Franco entrou, devolveu as empresas aos galegos. No segundo governo do Brizola, porém, ele deixou correr frouxo e ainda botou uns caras iguais aos que têm aí para serem secretários de Transportes. Foi essa e outras que o Brizola perdeu a força que tinha antes.

    ResponderExcluir
  6. Anônimo4:49 PM

    Essa não é a revolta dos centavos mas, do mil, milhares, milhões de problemas que assolam a nossa terra; e a revolta dos que só têem direito ao trabalho, ao pagamento de impostos e nada recebem em troca.

    ResponderExcluir
  7. Anônimo5:54 PM

    Infelizmente, só a violência constrói e muda a Humanidade.

    Discursos não levam a lugar nenhum, exceto se desembocarem em violência e a História sempre nos mostrou isto.

    A "paz", NESTE MOMENTO, só interessa aos que se beneficiam do status quo super injusto ao qual o Brasil e o mundo estão submetidos.

    A excência do Homem é a violência.

    Já dizia Heráclito de Éfeso : "A guerra (polemos) é pai de todas as coisas, rei de tudo; uns faz deuses e outros homens; uns tornam-se escravos e outros, homens livres."

    A "elite", auxiliada pela PROPAGANDA travestida de "notícia", fabricada diuturnamente por sua grande mídia serviçal, está incitando o caos, usando argumentos justos, para atingir objetivos injustos, no mais puro maniqueísmo.

    Se cala sobre o mensalão do Psdb e martela no mensalão do PT.

    Acusa a ditadura da Síria e se cala sobre as ditaduras capachos dos EUA, como a Arábia Saudita, Barhein, Catar, Kwait, etc.

    Acusa o Irã de querer desenvolver energia nuclear e se cala sobre o arsenal atômico clandestino de um regime racista, ilegítimo e criminoso, como o sionista.

    E há outros incontáveis exemplos de dois pesos duas medidas, no Brasil e mundo afora.

    Parte da massa está sendo usada para provocar tumulto e "justificar" um "endurecimento", através dos velhos "salvadores da Pátria", aqui e no mundo todo.

    Algo que justifique a tortura, a espionagem do cidadão, perda da liberdade, os golpes de Estado e todo o tipo de desvio e sujeira, como prega a tal "democracia" made in USA ou o comunismo da ex URSS.

    A "elite" percebeu que perdeu o controle no Brasil e no mundo todo e quer tumultuar um jogo que não pode mais vencer.

    Por isto, desejam tumultuar o PROCESSO.

    Ao perceber que não ganharão mais no voto, os parasitas da "elite", da usura e da especulação, buscam exacerbar as consequências do caos, o qual eles mesmos produziram com sua injustiça social, dinheirismo, consumismo e ganância ao longo de séculos.

    Isto visa nada mais do que destruir os avanços recentes que foram conseguidos na América Latina e no mundo todo.

    A escória dinheirista da Nova Ordem Mundial explorou o povo culminando com a Revolução industrial e se estabeleceu de vez, após a vitória da ditadura militar-financista do eixo do terror eua-inglaterra-sionistas após a 2a guerra mundial.

    A pergunta que não quer calar é, PQ CAPITALISMO E COMUNISMO SE JUNTARAM NA 2A GUERRA, SE ERAM TOTALMENTE ANTAGÔNICOS???

    QUAIS FORAM OS PATROCINADORES QUE, AO MESMO TEMPO, FOMENTARAM A REVOLUÇÃO BOLCHEVIQUE COM A DERRUBADA DO CZAR E O CAPITALISMO MADE IN USA, COLOCANDO O PAÍS DE JOELHOS PERANTE OS "FINANCISTAS" ???

    SERÁ QUE EXISTE UM PEQUENO GRUPO QUE JOGAVA DOS 2 LADOS E FINGIA QUE HAVIA UMA "DISPUTA", QUANDO NA VERDADE, SAIRIAM GANHANDO, NÃO IMPORTA QUEM SAÍSSE VENCEDOR NA SUPOSTA DISPUTA QUE HAVIA ENTRE O CAPITALISMO E O COMUNISMO?

    Afinal, o que pregava o verdadeiro Socialismo para que o capitalismo e o comunismo se unissem com tanta fúria ???

    Pq o modelo cubano e o bolivariano de socialismo têm MUITA coisa diferente do "socialismo" comunista da ex URSS e muitas semelhanças com o verdadeiro socialismo ?

    Pq a necessidade de boicotar a Ilha por 50 anos se o Sistema é tão ruim e já deveria ter ruído há muito tempo, por si só ?

    O que a "elite" capitalista e comunista tanto temiam e temem em modelos aparentemente tão "antagônicos" como o cubano e o bolivariano de um lado e o verdadeiro socialismo, que nada tem a ver com o comunismo, do outro?

    Nada pode deter a História, nem mesmo devaneios sobre 0,20 a mais ou a menos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo9:27 AM

      Vamos aguardar e ver para que lado caminhará a História dos "R$ 0,20" do nosso(?) Patropí (e da Humanidade); para o Lado Luminoso ou para o Lado Obscuro da "Força".
      Enquanto a maioria for de TROUXAS (analfabetos políticos), os ESPERTOS continuarão dominando.
      GO(L)D save The Queen !!!
      In GO(L)D we trust !!!

      Excluir
  8. Anônimo6:25 PM

    Alias, uma pergunta o que temos no Brasil hoje em dia que nos da orgulho...rs.. lugar em que os mesmos que dizem que foram torturados por protestar, hoje baixam o cacete na população que protesta... vai entender né. Outro assunto pra vc caro Pedro a Pec 37, que retira o poder de investigação do MPF, deixando a cargo apenas dos delegados, pois os politicos e quem dizem o que vai ser oferecido como denuncia equiparando o Brasil a outra categoria de potencia mundial como Indonesia, afeganistão e angola...rs...Me doi falar isso mas hoje o Brasil nao passa de uma piada sem Graça.

    ResponderExcluir
  9. Procura-se um culpado ou uma mula manca expiatória? Não importa, isso é o retrato de um sistema globalizado, próprio à desarticulação e desestabilização porque o cidadão é o alvo, indireto. E é o alvo certo, afinal o povo não reage, o povo é sanchopancente, até seu burrico tem galope troteado manso. E é aí que entra, de sopetão a mídia sórdida locupletando-se, com sua tecnologia, da falta de tempero cultural onde a paz confunde-se com caldo de galinha.

    ResponderExcluir
  10. Segue meu protesto em forma de canção
    https://www.youtube.com/watch?v=dQRQkTuYhCI

    ResponderExcluir
  11. Anônimo10:48 PM

    Tudo que está acontecendo estava pra acontecer. Essa classe política merecia uma lição da população. Daqui pra frente tem mais, com certeza.

    ResponderExcluir
  12. NORTON SENG1:55 PM

    Para onde vai este país?..
    (enviado por e-mail)

    ResponderExcluir
  13. DJALMA DO O1:57 PM


    Caro jornalista Pedro Porfírio,

    Não queres aceitar, mas, o Brasil melhorou pra pior.
    Não confiamos na segurança pública, vivemos anjaulados em nossa própias casas, se saírmos, não sabemos o que poderá acontecer e se voltaremos em Paz. Saúde nem é bom falar, Educação, destruiram o ensino básico, médio e desmantelaram as Universidades públicas e pra piorar ainda mais foram permitidos cursos universitários sem a manor capacidade para profissionalizar, apenas máquinas de fazer dinheiro, os universitários por sua vez não estão nem aí para os resultados.
    Contra os militares, só se fala das torturas, como se elas não existissem mais, por variadas formas, como se em todo mundo, essas torturas não acontecessem, até pior. Vejamos o que Israel e Estados Unidos praticam mundo afora em matéria de "direitos humanos" Não se cogita um minuto se quer das boas e muitas realizações. Todas infra- estrutura que ainda nos susteta foram resultados do Governo de Getúlio
    Vargas e dos ditos militares. Deles para cá, houve sim, um desmantelamento do aparelho de Estado e de todas nossas riquezas doadas ao interesse internacional. Nosso tão decantado PIB(6ª economia de mentira) mais de 70% são de grupos estrageiros. O que se nos apresenta são quinquilharias (ditas da modernidade) que servem para o deleite dos incautos e ingênuos tupiniquins.
    Esta Petezada chega ser quase igual a Tucanada que está louca para voltar.
    Conclusão estamos no mato sem cachorro, não temos alternativa. Talvez venha votar, sabendo que se trata de farinha do mesmo barco, no governador de Pernambuco, COMO PROTESTO.
    Mesmo não sendo socialista nem comunista, digo, aqui - só DEZ Fidel Castro com paredões em todas as regiões do Brasil, ou seja, DEZ Paredões. Para em cada Paredão um tribunal julgando e fuzilando esses maus brasileiros, ladrões do dinheiro público.
    Desculpe-me se agrido, mas, isto é resultado do meu sentimento, de minha indignação. Esses canalhas da "nova república" são uns ladrões, estão todos riquissimos, enquanto o Brasil que tinha todas condições materias para ser um grande País, uma grande Nação, está desestruturado e sem poder de reação.
    Minha, talvez, última esperança era Hugo Chaves comandar uma grande e imensa transformação na America Latina com sua politica nacionalista.
    Lembre-se, povo sempre foi e será massa de manobra, INFELIZMENTE.
    Grande abraço

    Djalma
    (Enviado por e-mail)

    ResponderExcluir
  14. PAULO RESENDE1:59 PM


    Quer dizer caro amigo Porfirio que os empresários de onibus como sempre são beneficiados pelos governantes e o povo como sempre é colocado em segundo plano pelos governantes. Aliás o povo é um mero detalhe.........Outrossim o que mais revolta é saber que o PT e sua turma que antes de chegarem ao poder reclamavam e vaiavam todo governo que se posicionava contra o trabalhador brasileiro. Quantas vezes eles do PT foram contra o governo do senhor FHC? Bom Fernando Henrique também não merece a consideração do trabalhador brasileiro muito menos dos aposentados brasileiros.
    Mas bastou o PT e sua gente chegarem ao poder fazerem a mesma coisa ou pior com o trabalhador brasileiro e também com os aposentados brasileiros.
    Dilma ontém mereceu a vaia do povo que estava no estádio Mané Garrincha em Brasilia. Ela que se acha o supra-sumo da competência teve que falar rapidinho o texto da abertura da Copa das Confederações porque senão a vaia seria muito maior.
    O império petista vai cair um dia caro amigo. O império romano caiu porque este impériozinho não haverá de cair.
    E quando isto acontecer quero estar vivo para assistir a derrocada desta gente que prometeu mundos e fundos principalmente ao Trabalhador Brasileiro e também aos aposentados brasileiros, mas depois que se instalaram no poder só fazem benesses para os banqueiros ( estão cada vez mais ricos ) e para empresários tipo Eike Batista que agora precisa de ajuda para que suas empresas não quebrem de vez. Continua a ser ajudado principalmente agora por Dona Graça Foster atual presidente da Petrobras. O dia desta gente do PT haverá de chegar. São poucos muito poucos que estão lá em Brasília e que são do PT que ainda merecem consideração minha e de outras pessoas.
    Tipo o senador Paulo Paim que vem batalhando a tempos pelos Aerus VARIG e TRANSBRASIL e também pelos aposentados brasileiros.
    O Dia DESTA GENTE HAVERÁ DE CHEGAR. O que temo muito é que não temos candidatos a altura do cargo de Presidente do Brasil, Aécio Neves nunca me impressionou. Ele não chega aos pés do avô dele Tancredo Neves, Eduardo Campos era até pouco tempo atrás amigo de Dilma e do Governo do PT e a senhora Marina Silva ainda tem o ranço do PT nas costas.
    Abraços fraternos do amigo Paulo Resende.
    Fique na Paz do Senhor.
    Bom domingo.
    (Enviado por e-mail)

    ResponderExcluir
  15. PATRIOTA2:01 PM

    Bem, além de se concluir que o número de usuários do sistema de transporte coletivo diminui e os lucros estão sendo compensado pelo aumento das passagens, há que se concluir também que durante o Regime Militar as passagens eram bem mais baratas.

    Está certo isso Sir. Pedro Porfírio?
    (Enviado por e-mail)

    ResponderExcluir
  16. Anônimo3:43 PM

    Estamos acostumados a vir as pesquisas de opinião (contratadas) é claro, pelos governantes em exercício apontando-os sempre, com aprovações fora da realidade; agora com as vaias e, em especial as manifestações, temos a real dimensão desses números.

    ResponderExcluir
  17. Savio Montenegro Zamboni11:02 PM

    Bom dia;E meu Amigo a hora e essa,se os Governates nao zelam pelo bem estar de seus eleitores,assim como em qualquer area onde a relacao Empregado e Empregador nao vai bem,um ou outro pede para sair ou e demitido,estamos cansados de ver os Amigos do po
    der se darem bem,e os eleitores so vendo todo esse circo,onde so entramos para pagar a conta,o voto tem que ser a resposta nas eleicoes futuras,fora PT,fora com a corrupcao,imposto e para servir os contribuintes e nao a menoria previlegiada pelos nossos governantes Chega,vamos votar,bom dia a odos..............Zamboni.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.