quarta-feira, 1 de maio de 2013

1º de maio ou 1º de abril?


Na agenda do governo a proposta de flexibilizar as leis trabalhistas  que vai tornar a CLT obsoleta

Clique na foto para vê-la maior

Um primeiro de maio com barba, cabelo e bigode de primeiro de abril. Com suas manhas e com  seu culto cínico à mentira.  Um feriado com shows e brindes para fazer a galera mergulhar no poço profundo das ilusões. O próprio faz de conta que expõe a forma mais sofisticada do peleguismo do Século XXI, numa agressão semântica ao significado de uma data que já foi de luta e hoje é de luto. Um luto paradoxalmente festejado com graças a Deus pelas proles espoliadas.

Nada mais deprimente.  Em plena era hegemonizada por um suposto partido dos trabalhadores, a classe operária vive a incerteza de um amanhã robótico, sujeitando-se a qualquer contrato que lhe assegure pelo menos o pão nosso de cada dia.

Tempos hediondos esses em que a fala mais ouvida é a da flexibilização das leis trabalhistas, a repetição ressonante do epitáfio da CLT, que hoje completa 70 anos, como se sua miniaturização fosse a panacéia da salvação da economia.  

Horas de trapaças em que os sindicatos operários se transformam em apanágios do conformismo e de um pragmatismo corrosivo, prestando-se muito mais ao gáudio dos seus dirigentes profissionalizados, quase sempre calados por prebendas, subvenções oficiais e outros quindins, além do imoral imposto sindical, que esfaqueia compulsoriamente o trabalhador em proveito de entidades a que ele não se filiou por  ter perdido a fé no seu falatório.

Pelos quatro cantos do Brasil consta-se que a classe trabalhadora perdeu o seu elã, entrou perigosamente para a sociedade do consumo compensatório, abandonou a visão matemática dos seus direitos e enveredou pelo caminho do cada um por si, do salve-se quem puder,  do antes pouco do que nada.

Sufocada a classe trabalhadora nas empresas privadas, onde não se ouve um grito, nem se sabe de um só esperneio, sob pena do olho da rua,  as vozes dissonantes ecoam tontas nos serviços públicos, onde o projeto do Estado mínimo se consolida no sucateamento da saúde, no esvaziamento da educação de qualidade e na sujeição dos órgãos monitores ao sagrado poder dos grupos econômicos incontroláveis.

Época de categorias em processo de extinção, como os bancários,  ou sob pressões desumanas, como os rodoviários, num ritual macabro de amputações sociais, na proporção inversa da engorda dos grandes banqueiros, donos incontestáveis do Brasil, e dos empresários  de ônibus, donos incontestáveis das nossas cidades.

Instante matreiro de subtração dos ganhos reais de forma tão acintosa que qualquer reivindicação operária deixou de pedir o resgate do serviço público e passou a incluir em sua pauta de negociações a adesão a esses ilusórios planos privados de saúde.

Era trágica da despolitização das massas perdidas, afetadas por todo tipo de alienação sistêmica, vulneráveis às máquinas de comunicação e aos mistificadores  que, em nome de Deus, oferecem graças mirabolantes com alto teor de idiotia.

Dias de tonalidades escuras, das políticas compensatórias manipuladoras, do prato de comida, das migalhas enfeitadas, dos programas sociais imobilizantes que reduzem a zero a dignidade do homem, extirpa-lhe a auto-estima e o transforma em gado manso, inapetente, sob efeito de uma alquimia perversa.

Momentos de uma massa acrítica, que aceitou terceirizar o raciocínio, parou de pensar, desistiu de questionar, aceitando-se como dependente crônica dos paliativos casuístas.

Situações grosseiras onde a classe política, que seduz trabalhadores desavisados, perdeu o recato, trocou a ideologia por bons negócios e  investiu no embuste, no marketing, no jogo de cena,  na vigarice e no uso da máquina pública no interesse único e exclusivo de suas ambições insaciáveis.

Ambiente obsceno que leva a cidadania ao colapso mental e apresenta gastos perdulários como conquistas nacionais, como essas farsas das copas de futebol, dos jogos olímpicos, que só beneficiam mesmo quem se farta em obras superfaturadas de utilidade efêmera,  criando meras ilusões tópicas, perecíveis, de nenhum proveito estrutural.

Atmosfera poluída de maus hábitos, em que políticos loquazes, detentores das franquias de esquerda, são pegos com a mão na massa, presos como achacadores e propineiros, julgados como corruptos e corruptores, num terrível golpe aos que deram suas vidas por uma sociedade justa, aos que consideram, como o presidente uruguaio José Mujica, que ideologia de esquerda, honestidade e austeridade são irmãs inseparáveis.

Falar em dia do trabalhador nestes anos de estelionato político hipertrofiado é agredir a história  e escarrar sobre as memórias de tantos mártires, como os trabalhadores que foram massacrados em Chicago naquele 1º de maio de 1886.

É reconhecer no sofrimento do sonho perdido que o sistema das elites vence de ponta a ponta e ainda se dá ao luxo de consolidar o regime da mais valia, da exploração do homem pelo homem,  pelas mãos de falsos esquerdistas e comunistas degenerados e apegados inescrupulosamente às  travessuras dos podres poderes.

É sentir nos cataclismos do caráter corroído a superposição de um típico 1º de abril sobre o desfigurado 1º de maio, hoje apenas um dia de folga a mais.

Leia hoje também


Artigo de Adriano Benayon sobre os leilões do petróleo
"A ANP promoveu, sob governos petistas, maior número de rodadas que sob os do PSDB. Agora, está chegando à 11ª rodada, na qual, abriu, nos leilões, quantidade enorme de áreas para exploração, como sempre, arbitrariamente e sem controle da sociedade"..



2 comentários:

  1. Anônimo7:11 AM

    Prezado Pedro Porfírio,
    Agradeço a gentileza de, mais uma vez, ser um dos destinatários de teu jornal eletrônico, já incontinenti reencaminhado aos dois foruns de debates que participo, para conhecimento e reflexão. Só posso te parabenizar pela lucidez e pelas contundentes palavras que expressam o caos em que a nossa sociedade se vê mergulhada por essa corja de corruptos a serviço de vis interesses estrangeiros. Comemorar o Dia do Trabalho? O que comemorar, com 200 milhões de trabalhadores desempregados em todo o mundo, para imensa satisfação do capital, esse, sim, comemorando seus colossais lucros em cima das massas oprimidas?
    Parabéns, prezado Pedro Porfírio, pela veemência da mensagem.
    Fraternalmente,
    Claudio Ribeiro - Casimiro de Abreu, RJ.

    ResponderExcluir
  2. Somente duas matérias recebidas pelo 1º de Maio, dia do Trabalhador. A tua e a da AEPET com a estatística da mortes por doenças laborais. É de entristecer não mais ouvir a expressão do trabalhismo "TRABALHADORES DO BRASIL!" e a última voz calou-se em em 21 de junho de 2004. Até agora não vimos outra voz de apoio a quem constrói o progresso Nacional. Aproveito para, como trabalhador ativo, homenagear a toda a classe trabalhadora ativa e inativa desse no Brasil.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.