segunda-feira, 22 de abril de 2013

Todo o império contra dois chechenos


Como dois jovens imigrantes foram usados para dar uma mãozinha à insaciável indústria bélica dos EUA

 Eles tiraram o sono de 314 milhões de norte-americanos
Imigrantes e muçulmanos, os irmãos Tzanaiev  assombraram os EUA
 Uma população com os nervos à flor da pele. Insegura, como se sujeita a "vingadores" secretos, escondidos em sua própria vizinhança. Ou então um povo manipulado cientificamente pelos meios de comunicação a serviço do complexo industrial-militar.

Essas são algumas ilações que podemos tirar desse episódio espetacularizado que teve Boston como cenário principal e serviu a muitos interesses. Mais do que os percebidos na superfície das informações e que não se resumem exclusivamente a uma pressão contra a proposta de flexibilização das leis de imigração.

200 milhões de armas e o massacre de Newtown

Há uma indústria armamentista que tem no povo dos Estados Unidos o seu centenário e sempre crescente mercado de varejo. São 200 milhões de pistolas e fuzis em poder de 107 milhões (34% da população) de assustados cidadãos norte-americanos, segundo estimativas oficiais. Mais de 300 indústrias produzem esse arsenal nesse país que cultiva a supremacia e a condição de "xerife" do mundo.

Uma semana antes das duas bombas de Boston, o presidente Barack Obama, em discurso na Universidade de Hartford, Connecticut, reiterou sua disposição de levar adiante a promessa de patrocinar uma lei federal sobre controle da venda e porte de armas, lembrando Newtown, cidade daquele Estado onde 20 crianças e 6 adultos, inclusive a própria mãe, foram executados por Adam Lanza, um americano da gema de 20 anos, no dia 14 de dezembro passado.

O impacto desse massacre levou Obama a se posicionar, em lágrimas, contra o poderoso lobby da indústria bélica dos EUA, em meio a uma grande consternação.

Os acontecimentos de Boston não podem ser separados de toda essa sequência. Só em 2012, outros dois morticínios com as mesmas características foram registrados nos EUA, o país cujo orçamento militar de U$ 607 bilhões é maior do que os dos outros 9 do topo somados.  Em abril, um atirador matou 7 jovens e feriu 3 na Universidade Cristã de Oakland, e em julho, um homem mascarado matou 12 pessoas na pré-estréia do filme "Batman - O cavaleiro das trevas ressurge”, no Colorado.

Indústria bélica poderosa vive do medo

E não podem por que a maior tragédia que pode acontecer à sua economia viciada é reduzir gastos bélicos. Foi o que disseram Robert Gates, ex-secretário de Defesa até 2011, e o almirante Michel Mullen, ex-chefe do Estado Maior conjunto, quando o Congresso norte-americano debatia em setembro passado uma redução de U$ 55 bilhões no orçamento dessa área para o ano fiscal de 2013, num corte total de U$ 500 bilhões como primeira providência para enfrentar o insustentável déficit orçamentário.

Tanto Gates como Mullen falaram em nome dos interesses do poderoso complexo industrial-militar, que, junto com o sistema financeiro, integra o vértice do poder no país e não admite perder sequer uma pequena fração da sua receita. Ambos ressaltaram que os cortes seriam “devastadores e deixariam uma força (militar) oca”, incapaz de responder às ameaças à segurança nacional.

A voracidade orçamentária do complexo de segurança estadunidense é de tal monta que o corte pretendido para 2013 apenas faria o orçamento militar recuar aos níveis de 2007. Ademais, tais números se referem somente ao orçamento direto do Departamento de Defesa, que representa uma fração do montante de recursos destinados ao complexo como um todo.

De fato, como comentou Dave Lindorff, um premiado jornalista investigativo, na prática, a os custos de guerra representam 50% de todo o orçamento norte-americano. "No ano fiscal de 2012, além de um total de UJ$ 673 bilhões de dólares para o Pentágono, somam-se mais outros U$ 166 bilhões para atividades militares de outros departamentos governamentais, como o programa de armas nucleares, grande parte do qual é manejado pelo Departamento de Energia, ou o Programa de Veteranos, que paga a assistência e os benefícios do pessoal militar da reserva. Há também cerca de U$ 440 bilhões em juros pagos sobre as dívidas de guerras e gastos militares anteriores. Tudo junto chega a 1,3 trilhão de dólares, que representam quase 50% do orçamento geral dos EUA".

Uma "ameaça" espetacularizada sob medida

No caso desse escândalo internacionalizado pelas duas bombas de Boston, pode-se chegar a uma variedade de conclusões. Não é paranóia nem idéia fixa de um adepto da "teoria da conspiração" imaginar uma grande farsa para reacender nos nervosos norte-americanos o apego pelas armas e pela indústria bélica.

No entanto, os acusadores dos dois jovens chechenos vão ter que suar a camisa para encontrar um motivo para que eles se metessem nessa roubada. O mais velho já foi silenciado pelas balas dos seus caçadores. O outro, de 19 anos, pode sobreviver ou não.  

Mas o que os tornaria perigosos terroristas, alvos da mais gigantesca caçada humana já realizada nos últimos tempos naquele país, com direito a uma grandiosa cobertura cinematográfica via satélite para todo o mundo? Pinçá-los como suspeitos está dentro do manual de segurança do FBI, CIA e assemelhados.

São muçulmanos e os muçulmanos são pintados hoje como eram até bem pouco os comunistas chineses e russos, no imaginário dos 314 milhões de norte-americanos: segundo a lenda, são aqueles cujo orgasmo mais pleno decorre do comprometimento com uma  "guerra santa sanguinária".

Seriam tão monstruosos que prenderam em casa  por dois dias os 5 milhões e 800 mil  habitantes da região metropolitana de Boston, a cidade onde nasceram o dólar e o primeiro sistema de metrô dos EUA. Contra os irmãos Tsarnaev exibiram a tecnologia de última geração da indústria bélica e milhares de homens armados até os dentes, permitindo-se aos cidadãos conhecerem os avanços nessa área e entenderem  por que o ex-chefe do Pentágono não queria o corte de um único centavo dos gastos bélicos do país.

Graças a esse evento protagonizado por dois chechenos, que deu ibope no mundo inteiro, onde a grande mídia está em mãos de robôs repetidores sem qualquer critério crítico, vai ser mais difícil pensar lá em limitar as armas nas mãos dos civis e em mexer nos interesses insaciáveis do intocável complexo de "segurança nacional". De quebra, ainda será possível evitar o reconhecimento de cidadania aos milhões de imigrantes que são mais interessantes como escravos modernos, "clandestinos" baratos aptos a prestarem todo tipo de serviço por uma meia pataca.

Como aqueles dois, podem existir outros quatro ou cinco, suficientes para ameaçar a segurança nacional e a integridade física de cada cidadão dos Estados Unidos da América.

É o que reza a lenda de bem escorado suporte midiático. 

15 comentários:

  1. Anônimo2:47 AM

    Afora a "teoria da conspiração" e algum radicalismo no texto, eu sempre me deleito com suas matérias bem elaboradas e articuladas com fatos históricos e dados estatísticos! Aproveito para te fazer uma sugestão: porque você não abre um curso "A arte do bem escrever bem" no Open Mall da Península? Eu seria sua primeira cliente e com certeza seria um sucesso. Parabéns!!!

    Um abraço,

    Leila Perini

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leila
      Muito obrigado pela sugestão. Já pensei em fazer algo parecido quando comecei o blog. Assusta-me muito a desatenção das pessoas com o nosso vernáculo. Quando vereador, aprovei uma lei que pune com multas erros de português em letreiros. Não tenho a pretensão de mestre, mas 52 anos de redação(e adjacências) ensinaram-me muito. Acabei de escrever uma espécie de "orelha" de uma gramática para concursos públicos do professor Arenildo dos Santos, do Curso Plá. Ele é um grande mestre. Quando quiser, podemos conversar a respeito e à possibilidade de criarmos um grupo de estudos mais genérico.

      Excluir
    2. Sou leitor e fã de Porfírio desde os tempos da Tribuna da Imprensa (impressa). E sou aluno e fã de Arenildo, certamente o melhor professor de português que já conheci.

      Excluir
  2. Porfírio,
    Já havíamos trocado email, ainda que de forma breve, sobre o tema em questão.
    Continuo a pensar da mesma maneira e os dados que você acrescenta ao seu artigo só fazem reforçar as minhas convicções.
    Esta é uma questão de negócios, o mais lucrativo de todos os negócios, apesar de também o mais sangrento destes.
    Neste particular tema, vem a reboque todas as grandes questões da humanidade. A miséria, a barbárie, a falta de escrúpulos dos homens, o egoísmo, as políticas de controle bélico, as guerras decorrentes destas práticas, o horror e a doença que dali nascem...
    Você nos trouxe, na minha visão, a essência dos grandes problemas e desafios que a humanidade tem pela frente. Será possível um mundo sem armas? Como faremos essa transição? Quando comparamos os gastos em armamentos com aqueles direcionados para a educação e a saúde tudo fica muito claro. Quais são as verdadeiras prioridades dos Governantes e daqueles que representam! É isso. Parabéns por nos fazer refletir sobre este assunto de primordial importância. Abraço, Celso

    ResponderExcluir
  3. Anônimo9:44 AM

    Neste IMPÉRIO (dos banqueiros do FED que dominam a mídia e as grandes corporações) disfarçado de perfeita democracia cristã ocidental, nada é o que parece.
    Como nos filmes de faroeste, o JUIZ também é o chefe dos LADRÕES DE GADO.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo12:09 PM

    Caro Porfirio

    Ao ver toda a parafernália midiática que foi montada nesse episódio eu também tive nas minhas elucubrações a sensação da questão das armas e possível desculpa de tocar os tambores de guerra no qual o EUA elegeria um inimigo para atacar e assim gastar toda essa indústria amarmentista, nesse vício capitalista retroalimentador em detrimento óbvio dos países onde emana o ouro negro.

    Mas sua pena com maestria dessecou tudo.

    Parabéns


    Mauro Silva

    ResponderExcluir
  5. Jileno Sandes6:04 PM

    Ser muçulmano hoje, é ser perigosa, terrível, monstruoso, como era ser comunista na década de cinquenta. "você é um comunista". Quantas vezes ouvi essa frase dita por pessoas simples
    que nem sabiam o que era o sistema.

    ResponderExcluir
  6. José Netto6:04 PM

    Publicado na Folha de São Paulo, em 20/08/2012:
    FBI infiltrou agentes e ajudou a organizar ataques terroristas dentro dos EUA
    http://www.tribunahoje.com/noticia/37069/mundo/2012/08/20/fbi-infiltrou-agentes-e-ajudou-a-organizar-ataques-terroristas-dentro-dos-eua.html

    ResponderExcluir
  7. Anônimo6:38 PM

    É ..MEU CARO 'PORFIRO '....COMO A LEITORA LEILA PERINI COMENTOU..DÁ GOSTO VER COMO VOCE "ESCREVE"...É VERDADEIRAMENTE UM 'PRAZER '...SOU TAXISTA DE LONGO 33 ANOS DE PRNÇASTEAÇA..NUNCA GOSTEI DA TUA ATUAÇÃO COMO O QUE EU CONSIDEREI SER UM GOLPE TEU ELEITORAL SE VALER DAS QUESTÕES DAS DIÁRIAS CARAS PARA CONSEGUIRES DAR UM "UP GRADE" NA TUA CARREIRA POLITICA...ENFIM TE CONSIDEREI UM APROVEITADOR E PESCADOR DAS AGUAS TURVAS DAQUELA MUVUCA..QUE ERA A RELAÇÃO DE DIARISTAS COM PERMISSIONARIOS...MAIS O TEMPO TE DEU A RESPOSTA ...ISTO É OS TAIS DIARISTAS PELO QUAL TU LUTASTE TE DEIXARAM NA "ESTRADA" A PÉ....DANÇASTE NA ELEIÇÃO...MAIS QUANTO A TUA ENORME CAPACIDADE DE ARGUMENTAÇÃO E RACIOCÍNIO TIRO O CHAPÉU PARA VOCE...DISCORDO DE VOCE EM MUITAS DAS TUAS VISÕES DE MUNDO....SOU DE ESQUERDA...MAIS NÃO DA TUA ESQUERDA...QUE AS VEZES NO MEU VER FICA UM POUCO A "DIRETIA"...MAIS SAIBA ME ADMIRO DE VOCE E AQUI VAI UMA BRINCADEIRA....COMO PODE UM CARA FEIO QUE DOI COMO TU ...ESCREVER BONITO PRA CASSETE....E AQUI UM CONSELHO...AMIGO EM VEZ DE LIUTAR POR CAUSAS PARTICULARIOZADA DE TAXISTAS ...SEJA MAIS GEMNÉRICO E OBJETIVO QUANTO AS REAIS NECESSIDADE DE TODOS OS TAXISTAS E NÃO SOMENTE DAQUELES EGOÍSTAS QUE TE USARAM..PARA SE DAR BEM...MAIS A COISA NA REAL FICOU EMPATE...VOCE OS USOU E ELES TE USARAM...MAIS AMIGO USE TUA ENORME CAPACIDADE DE LUTAR ARGUMENTAR PARA SERES MAIS ÚTIL NÃO A UMA SÓ CLASSE OU PARCELA DE UMA CLASSE E SIM SE TORNANDO UM ÉCLETICO POLÍTICO SE POSSIVEL DE ESQUERDA...SEM QUEDAS PARA DIREITA OK...FINALIZANDO...MUITO BOA ESTE TEXTO DE ESCLARECIMENTO DESTE PAIS(EUA) OS REIS DO CRIME DE TERRORISMO DE "FALSAS BANDEIRAS" AÍ DESCULPE O CP'S LOOK...SOU MEIO CEGO...ISTO AQUI PRA MIM (MAISCÚLAS) NÃO É GRITO...É NECESSIDADE DE ENXERGAR .,...MUITA SAÚDE PRA VOCE ..ABRAÇOS !!

    ResponderExcluir
  8. Anônimo7:59 AM

    então...vi que entendeu minha exortação...sobre o post anterior de um taxista que admira tua capacidade de "escrita" ..e de "argumentação" e "luta"....parabéns pela "sacada"..recebi teu e-mail sobre o correio do taxista...meu caro ...sabe torço para que outros permissionários..até se arregimente junto a voce como voce pediu...mais particularmente fico de fora...estou "escolado"..pela vida...e como diz o ditado ..macaco velho ..não mete a mão em "cumbuca"....!!! eu e muitos permissionarios nos consideramos ferrados por ações como atua de "peninha" de permissionários que não valiam nada e te usaram..as sim como voce os "usou"...com másou boas intenções...o fato é que gent que nunca sentou a bunda no volante de um táxi e ralou...se mete nessa "porra" de em proveito indireto próprio dar palpites e fuder a profissão de "taxista"...estamos em descida sem freios nesta profissão ..onde não faltam aproveitadores...como foi o tal do "filhpo da puta do CESAR MAIA...que foi o responsável por começar a nos ferrar...com o golpe da liberação da "VANS" ...que a pricipio ...era "RIO BY NIGHT"...que foi a chave pra "escancarar" com a putaria dos aproveitadores...que começaram a fuder a praça...agora o "filhote filho da puta" que se chama EDUARDO PAES"!...filho da puta sendo "cria" do canalha CESAR MAIA..agora vem com esse "papo" de tirar a VANS da zona ZUL...É SEMPRE ASSIM ..UMA CAMBADA DE FILHOS DAS PUTAS ...USAM DA MANIPULAÇÃO ORA DE UM LADO ..ORA DE OUTRO..PARA SE DAREM BEM POLITICAMENTE...ORA SE LIBEROU A "VANS" E FEZ UMA ZONA NO RIO DE JANEIRO...AGORA VAN..É EXCENCIAL...AO POVÃO DO RIO...ENTÃO É ISSO "PEDRO" ..ESTOU CANSADO DE SER USADO COMO TAXISTA POR PLOTICOS APROVEITDORES...VIM PARA PRAÇA NA ANTE-VESPERA DAS SACANAGENS DA PIRVATIZAÇÕES...COMPREI UM TÁXI POR UM "PREÇO MUITO CARO" E AGORA ..VELHO ..NÃO ESTOU PODENDO VENDER OU DEIXAR PARA NETOS O DIREITO DE TRABALHAR NA PRAÇA ...POR FORÇA DE TANTOS APROVEITADORES E FILHOS DA PUTAS QUE SE METEM DE OLHO GRANDE NESSA "PORRA" DE PROFISSÃO QUE JÁ FOI MUITO BOA ..HOJE É UM INFERNO !!! vou morrer e sei que não vou poder talves ver mudado toda essa sacangem...mais morro jogando praga em todo filho da puta que cresce olho nesta profissão que pensam que se ganha muito dinheiro..pois não é verdade...e por politicos que percebem o quanto esta profissão sendo manipulada pode servir aos seus interesses eleitorais se baseando no fato que esta classe pode eleger governadores ..senadores ,...e prresidentes..que depois nos viram costa ..vão todos se fuder !!!

    ResponderExcluir
  9. Meu caro Porfirio. Já são muito anos de estrada e eu sou Marcel De Paoli aquele que desenhou o castorzinho e charges do Jornal da Noite da TV-TUPI. Não sei se vc se lembra de que logo apos fui depois preso e torturado em São Paulo por pertencer tbm a um grupo contra a ditadura. Presentemente luto para receber uma indenização no MJ (Anistia Politica)o q me proporcionaria fazer algumas cirurgias nos dois olhoe e o tratamento da esposa que foi acometida de AVC. Dependo de uma declaração de que trabalhei na Tupi como desenhista e cinegrafista. Caso seja possível, meu email é? depaoli.marcel@yahoo.com.br. Estou sempre acompanhando seu blog . abraço

    ResponderExcluir
  10. O COMANDO AMERICANO QUER PROVAR AO MUNDO QUE É VITIMA. ESQUECEM QUE INVADIU INÚMEROS PAÍSES E MATOU A POPULAÇÃO, EM ESPECIAL O POVO ÁRABE, A MAIOR VITIMA DA TIRANIA DE UM POVO SANGUINÁRIO CHAMADO AMERICANO.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.