segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Que esse beijo mortal não se repita jamais


Tragédia da boate “Kiss” é fruto da omissão e cumplicidade das autoridades de segurança e fiscais

O nosso problema ali não foi um problema de legislação, porque a legislação do município de Santa Maria era uma legislação muito forte, muito dura. Nós temos problemas de fiscalização, de cumprimento da legislação por parte dos donos da danceteria. Há um problema de fiscalização que precisará ser analisado no próximo período”.
Marcos Maia, deputado gaúcho, presidente da Câmara Federal

A prisão do dono da boate é uma resposta rápida, mas não é tudo
 Precisava do sacrifício de 231 jovens para constatar o óbvio? Ou ainda vão querer ceifar mais vidas até tomarem uma decisão decente no  controle das arapucas que se espalham pela noite povoada de incautos?

O que aconteceu em Santa Maria é o que o lugar comum convencionou chamar de tragédia anunciada. Não seria a primeira  por conta da negligência, da irresponsabilidade, da tolerância corrupta e do abuso das máfias tão poderosas que operam 90% das  nossas casas noturnas sem alvará, segundo depoimento de Antônio Ramalho,  presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil de São Paulo.

E, infelizmente, pode não ser a última. Mesmo diante do torpor e da comoção que transformou o dia de ontem no domingo mais traumático de nossa história,  são poucas as administrações municipais e estaduais que sinalizam providências para evitar o repeteco do morticínio.

Isso não teria acontecido se não houvesse cumplicidade

Nenhuma casa noturna funcionaria em condições tão afrontosas à segurança dos seus frequentadores se não rolasse um suspeita tolerância entre os vários órgãos fiscais,  inclusive, entre os bombeiros, que insistem em falar que estava tudo nos conformes. Nesse caso, desde julho estava vencido o alvará de segurança e, mesmo assim, a casa funcionou a mil, ante os olhares cúmplices e canalhas de quem tinha por obrigação interditá-la. Qualquer pessoa com o mínimo de sanidade sabe, aliás, que aquela casa com o sugestivo nome de "Kiss" jamais poderia ter funcionado um só dia.

A tendência, aliás, é persistir o quadro temerário, com algumas medidas inevitáveis, como a suspensão de espetáculos de pirotecnia em ambientes fechados.  Isso, porém, não quer dizer nada: no incêndio na boate República Cromagnon, de Buenos Aires, em 2004,  que custou 194 vidas, foram jovens da platéia que dispararam morteiros para o alto.

Por que se as autoridades agirem com seriedade, sobrarão muito poucas casas noturnas no país em condições de funcionamento. E aí vai ter muita gente de rabo preso, muito mafioso ameaçando jogar seus “gibis” no ventilador.

Na noite, é tênue e quase imperceptível a fronteira entre o mundo das casas legais e o submundo dos inferninhos e da indústria do jeitinho e da irresponsabilidade. O ponto comum  entre ambos é a baixa qualidade do pessoal de segurança, contratado sem qualquer treinamento e a salvo do controle da polícia.  Estimativas sugerem que cerca de 80% desses seguranças não se submetem aos cursos  de 160 horas da Polícia Federal e não são  filiados ao sindicato da categoria, o que supõe o devido preparo.

Tudo isso faz parte de um patético ambiente de tolerância comprada e corrupção institucionalizada. Para os agentes públicos corruptos, a noite é o filé mignon do propinoduto mundial. É nela que transitam, impávidos,  os elementos mais inescrupulosos da escória, onde o dinheiro corre fácil,  e onde se mercadejam as prendas mais degeneradas que seduzem o instinto humano.

Leis omissas e projetos congelados

Leis há, projetos também.  Desde 2007 dormita no gaveteiro da Câmara Federal o Projeto de Lei 2020-B, da deputada paraense Elcione Barbalho. Não é uma obra prima, mais já atualiza a legislação com exigências óbvias,  mas omitidas nas legislações municipais.

Já tem parecer do relator Artur Maia, no entanto, não sai do lugar. Por que? Teria a deputada recuado em função de algum “lobbie” desses que têm o poder irrecusável de mudar as posturas dos nossos parlamentares? Ou seria a obstrução da turma da pecúnia que domina a Câmara Federal?

Das autoridades, espera-se mais do que lágrimas

A presidenta e o governador têm de agir exemplarmente
Nisso tudo há um componente cultural cada vez mais saliente: a alienação alimenta a  desinformação e cristaliza a miopia.  As pessoas estão viciadas em só tratarem daquilo que lhe diz respeito de perto, diretamente, ao palmo do nariz.  Não estão nem aí para o que acomete os outros, mesmos nas adjacências, fiel a primado de que cada  qual cuide de si, como se a elas não pudesse acontecer o mesmo.

Essa alienação acovarda e acomoda.  Muitas vezes você vê a coisa errada, mas evita “arranjar problema”.  No caso das casas noturnas, quantas vezes vemos a falta de segurança e o mais que fazemos é decidir não mais voltar a tal arapuca?

A tragédia de Santa Maria da Boca do Monte tem componentes muito graves e muito comuns a outras cidades para ser encarada apenas com um banho de lágrimas. Lágrima, aliás, não é o que se espera apenas de uma chefa de Estado.  Decretação de luto é muito fácil, não afeta interesses poderosos e violentos. Impõe-se, sim, ações concretas, exemplares.

Responsabilizar quem tem responsabilidade

Não adianta prender os guris fandangueiros e os donos da boate. É preciso ir fundo e apontar com coragem a omissão e a cumplicidade das autoridades da área. Se elas  tivessem cumprido seu dever, talvez não estivéssemos diante desse luto nacional.

Além disso, a perda de tantas vidas na flor da idade é um safanão em toda a sociedade e não apenas nas autoridades.  Causou sofrimentos profundos e permanentes aos seus parentes queridos, seus pais, irmãos e amigos. Mas também vai deixar uma ferida aberta na alma de todos os que tiverem o mínimo de humanidade em seus corações.

Por muito tempo, um longo e tempestuoso tempo, os brasileiros vão conservar em suas lembranças as imagens trágicas da fornalha tóxica em que se converteu uma casa de show pelo uso irresponsável de sinalizador pirotécnico,  pela existência de uma danceteria sem saídas alternativas de emergência, pela falta de treinamento dos seus seguranças e, o que é mais grave, pela cumplicidade comprada das autoridades.

A morte desses gauchinhos bonitos e cheios de futuro é como se fosse a morte dos nossos próprios filhos. . Quem não tem esse sentimento, não tem grandeza,  não se libertou dos grilhões mesquinhos da vida ensimesmada.

Com os filhos caçulas na faixa de idade desses jovens imolados, quando a vida verte caudalosa por todas as veias, declaro minha mais profunda indignação.  E minha vontade pétrea de contribuir com minha palavra e minhas denúncias para que tragédias tão dolorosas  não se repitam jamais.

17 comentários:

  1. Paulo Augusto Maciel6:52 AM

    Não interessa saber se essa boate estava ou não com o alvará atrasado desde agosto, por que simplesmente um prédio como aquele, com uma única saída, jamais poderia ter tido alvará em tempo algum. Concordo que tem muita autoridade envolvida com esse funcionamento irregular. Quantas boates "Kiss" existem pelo Brasil? Quem pode responder?

    ResponderExcluir
  2. Anônimo7:55 AM

    "Hoje o Patrão Velho resolveu deixar o céu um pouco mais gaudério... Levou uma gurizada pra matear com ele e deixou a nossa Querência tapada de tristeza e dor. Patrão Velho, esperamos que esta gurizada tão faceira e cheia de sonhos, alegre teus pagos e que eles encontrem no aconchego do teu poncho luz e paz. Guarde-os contigo para que muito em breve o céu vire um Fandango de Galpão e não te esqueças de amparar aqueles que aqui ficaram sofrendo por terem de matear sozinhos."
    lindo isto em homenagem as vitimas do incendio em santa maria

    Evitar que coisas destas aconteçam?eu quero que a justiça para as coisas que a JUSTIÇA TRABALHISTA QUE NÃO EXISTE AINDA NÃO ME PAGOU.
    A INTERNET VIROU UM LUGAR ONDE TODOS ACHAM QUE PODE SOLUCIONAR O QUE NÃO É MAIS SOLUÇÃO.A MALDADE HUMANA.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo8:46 AM

    Estava num taxi agora pouco e o motorista me chamou atenção para quem realmente seria o culpado desta tragédia.
    Chama-se CORRUPÇÃO !! Só isso....

    ResponderExcluir
  4. Anônimo9:37 AM

    É isso mesmo corrupção, não adianta rigidez na legislação se existem tantos "corruptíveis" escondidos atrás da impunidade que impera em nosso país. Não acredito que prevaleça honra, honestidade, dignidade para não aceitar suborno, só existe uma solução que os países nórdicos sabem bem como estagnar - PUNIÇÃO SEVERA,PREVISTA EM LEI, AUSTERIDADE. Não se trata de alvará, existem documentos assinados provavelmente de fiscais que liberaram o funcionamento desta casa, eles são tão responsáveis e assassinos quanto o mau carater do dono, e pior por serem funcionários pagos pelos nossos impostos. PRISÃO PERPETUA, REGIME FECHADO SEM APELAÇÃO - Como aceitar apelação de pessoas responsáveis por mais de 200 MORTES? AÇÃO NOSSA JÁ, CHEGA DE IMPUNIDADE, CHEGA DE FALSAS LÁGRIMAS, DE GOVERNANTES DISSIMULADOS, DE UM FUNCIONALISMO PÚBLICO OPORTUNISTA E DE UMA POPULAÇÃO TÃO INDIGNADA MAIS TANTAS VEZES TÃO OMISSA. Estamos de luto. Glaucia Soaress

    ResponderExcluir
  5. Outra tragédia anunciada é o elevado do Joá.
    Nossos Governantes do RJ estão esperando outra chacina para tomar uma decisão.
    Acho que vale a pena uma matéria.
    Att
    Itah

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. CULPADO É O QUE ASSINOU O ALVARÁ. REGATTIERI

    ResponderExcluir
  8. A melhor analise escrita sobre o tema.
    Publicamos em www.jornalaguaverde.com.br

    ResponderExcluir
  9. Zamboni1:28 PM

    Como sempre com ótimos artigos,realmente , e sempre assim só depois que a casa cai,alguém como Voce,que por sinal sempre fala as coisas que as autoridades nao querem -
    ver,só para dar um exe. Eu há dois anos atrás num shown do Iron Maiden em São Paulo,no Autódromo de Interlagos,no final do shown com 200 mil pessoas para ir embora-
    onde todas as luzes foram apagadas e somente uma saída,e um portão de saída,ainda bem que gracas a Deus todos estavam com um só gol,ver um grande shown,assim co
    mo não aconteceu nada,passou em branco,quem tem filhos,netos na idade dos que estavam la,agora estão pensando em quantas festas deixamos nossos irem,sem saber do
    que poderia acontecer,por favor continue sendo a nossa voz em todos os momentos,Obrigado por todos nos Pais,abraco forte
    Zamboni.

    ResponderExcluir
  10. Felipe Silva1:59 PM

    Prezado Pedro,

    É uma tragédia . Um horror!
    O Brasil é um país de tragédias, quantos morrem no trânsito por ano. São, segundo especialistas, cerca de 60 mil mortes por ano estradas horrorosas, caminhões com motoristas super-explorados pelo capital, não dormem. etc. Quantos jovens pardos e negros são assassinados por ano.
    Quantos bóias-frias ficam doentes e/ou morrem de tanto cortar cana nos canaviais do etanol moderno, energia limpa etc....8 toneladas de cana por dia!
    Quantos pobres pretos e pretas serão removidos e removidas pela Copa Mafiosa, a FIFA
    a manda no governo. Cerca de 140 mil seres humanos. Pesquise os Relatórios da grande urbanista Raquel Rolnik.

    E Dilma diz que defende os Direitos Humanos!

    Pinheirinho, Racismo Ambiental dos Tucanos. Como ficou?

    Quem fiscaliza as Favelas com gambiarras para todos os lados, "casas" construídas sem respeito às leis de edificação? Quem fiscaliza os COLIFORMES FECAIS que matam gente? Falta de saneamento básico!
    Como se coletam os nossos lixos? Gente correndo atrás de caminhões, catadoras e catadores pobres, lumpemproletarido. E estamos EM PLENO EMPREGO!

    Quem fiscaliza as escolas precárias com professoras precarizadas? Há escolas com riscos! Prédios precários.


    A expropriação de gente pobre pela Transposição do São Francisco do PAC da Dilma. Quem fiscaliza? Gente sendo removida! Pesquise os relatórios do Movimento Campanha Opará em defesa do rio e das populações.
    Quem fiscaliza o uso de agrotóxicos na agricultura que mata gente com câncer?
    Essa tragédia é mais uma entre mil, INFELIZMENTE.
    E Renan é uma tragédia, tá aí com apoio do PT, dos Tucanos etc. Não é um Larápio?
    E os mais de 2 bilhões que pagamos por dia dos juros da dívida? Conheça o grande trabalho de Maria Lúcia Fattorelli, sua luta.
    Visite www.auditoriacidada.org.br
    Faltam recursos para os hospitais, leitos etc. Gente morre sem atendimento médico.
    Tudo é uma TRAGÉDIA no capitalismo Brasileiro, com FHC, Lula, Dilma, Renan.... Sarney, Serra... Qual o Projeto Sério para o Brasil?
    Ainda bem que os índios venceram, não irão mais derrubar o MUSEU da Aldeia Maracanã. Essa Copa Mafiosa é uma tragédia, uma vergonha. Estão roubando dinheiro público. E o saneamento básico? Hospitais? Escolas.
    Viva os COLIFORMES FECAIS! A Copa, a Transposição e as Bolsas da Copa, Carinhosa, etc.... Manipulações safadas.
    Quanto horror!
    Saludos,
    Felipe Silva

    ResponderExcluir
  11. Anônimo3:44 PM

    Quando acontecem as tragédias, nós paramos para pensar nos nossos erros; pena que este estado de reflexão dure pouco, só voltando na próxima tragédia.
    Estão todos errados, desde quem entra em uma casa fechada e abarrotada de gente, para se "divertir", até as autoridades que permitem estes fatos.
    É preciso um mínimo de bom senso, de responsabilidade, por parte de todos (de quem faz, de quem fiscaliza e de quem usa).
    É preciso melhorar os "valores da sociedade" para haver evolução.

    ResponderExcluir
  12. Como sempre, a visão do brasileiro é limitada. Como aconteceu numa boate, só se fala nesse tipo de estabelecimento que enche de gente. Tem-se que fiscalizar tudo, um exemplo são essas igrejas evangélicas lotadas ao máximo. Duvido que cumpram as normas de segurança- Se acontecer um acidente que cause pânico, seria outra tragédia.

    ResponderExcluir
  13. AMIGO PEDRO, DESCULPAS POR ESTAR SAINDO DO TEMA DO SEU ARTIGO, SEMPRE MUITO ESCLARECEDOR. ESSA DO RENAM CLHORDA EU NÃO ACEITO. QUE PARTIDOS SÃO ESSES QUE NOMEIA, COMO A DITADURA, UM SENADOR QUE NEM LA DEVERIA ESTAR. E A FICHA LIMPA? ALO SUPREMO, E AGORA COMO FICA A NOSSA REPUBLICA? VOLTO A REPETIR, É PRECISO QUE O POVO VOLTE AS RUAS PARA BANIR ESSE CONGRESSO. REGATTIERI

    ResponderExcluir
  14. Essa tragédia não foi uma simples fatalidade. Foi um extermínio premeditado pela ganância e pela irresponsabilidade de proprietarios e autoridades. Fruto de uma sociedade alienada que assiste este montão de barbaridades e amanhã continuará a votar mal, em gente que sò está interessada no poder e nas suas possibilidades. Por isto o voto mais importante é aquele do vereador, do deputado, etc. Ou seja, a base. Em resumo, a culpa não está apenas na corrupção, no mensalão, etc., mas também na alienação que não é de todos, claro, mas que precisa ser combatida. Por isto, infelizmente, só quando somos impactados por um golpe destes é que nos mexemos. Continuemos nossa mobilização. E obrigado ao Pedro por nos facilitar este caminho para expressarnos, com postagens muito bem sustentadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernando
      Você não tem o que agradecer. Eu é que me sinto estimulado com os comentários postos em meus blogs. Este seu é a pura verdade.

      Excluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.