sábado, 23 de junho de 2012

Para que o STF cumpra seu dever e retome o julgamento da Varig

Essa é a última esperança de milhares de trabalhadores penalizados por uma perversa tortura continuada

Eu estava lá, em 2006, quando fizeram o leilão da Varig a preço de banana para um ínico interessado.

“Até abril de 2006, eu era autossustentável. Meu latifúndio era produtivo sem agredir nem o meio, nem o inteiro ambiente. E para isso não precisei de nenhuma conferência global para batalhar pelo meu projeto de vida autossuficiente. Só precisei fazer uma coisa um tanto estranha para os amantes de eventos, Ongs, políticos e etc....trabalhar. Ah!, e uma segunda coisa – alguém poderia dizer que assumi um risco ambiental/previdenciário mal calculado - descontar uma parte da minha colheita, digo meu salário, para um fundo de pensão – para evitar que uma OG (Organização Governamental - o INSS), que pegava outra parte do meu salário/colheita, não lançasse sobre mim o seu estigma devastador, estranhamente não condenado por dez entre dez Ongs do planeta Terra e adjacências. Qual estigma?”
J.C. Bolognese, ex-comissário da Varig



Circula na internet uma petição pública para que o STF retome do julgamento do processo de defasagem tarifária da Varig contra a União, retirado de pauta “por 60 dias” em 25 de março de 2009 para facilitar um acordo que foi, de fato, o expediente mais torpe e mais desleal para mandar ao inferno as esperanças dos demitidos, aposentados e pensionistas da outrora mais importante companhia aérea brasileira.
Eu já assinei. Seus autores fixaram a modesta meta de 5.000 assinaturas e estão chegando perto. Para que você dê sua contribuição a essa manifestação de indignação basta clicar em
http://www.avaaz.org/po/petition/Julgamento_da_Acao_de_Defasagem_Tarifaria_da_VARIG_contra_o_Governo_do_Brasil/?eDeWhdb

Se você ainda acha que o Judiciário tem obrigação de se comportar com decência e ainda pode cumprir suas obrigações constitucionais, aponha sua assinatura agora mesmo. No site desse endereço é muito fácil formalizar sua adesão.
Essa é mais uma desesperada tentativa de um grupo de aposentados e pensionistas que vivem hoje na maior penúria, embora tivessem feito parte da mais bem preparada equipe de trabalhadores da aviação brasileira.
Penúria pela qual não têm nenhuma culpa, nenhuma responsabilidade. Penúria que compromete seriamente todo o discurso social de um governo formado primeiro por um sindicalista e, agora, por uma guerreira que sofreu na carne a tortura explícita nos porões da ditadura.
Mas que ainda não percebeu que mudou de lado e participa de uma tortura continuada de milhares de brasileiros punidos politicamente por autoridades que não estão nem aí para o sofrimento infligido num conluio entre todos esses podres poderes, principalmente o Judiciário, principal responsável pelo massacre no que foi o mais vergonhoso processo de “leilão-doação” de uma empresa que já foi top de linha da aviação internacional.
A petição quer somente que a ministra Carmen Lúcia se dê conta de que os seus 60 dias já passaram de mil dias e que já nem se fala mais em acordo nos salões da corte. Quer, e não quer muito, que a excelentíssima ministra do Supremo se faça respeitar e não ofereça mais uma razão para o já cristalizado descrédito da Justiça brasileira.
É muito simples: o processo que saiu de pauta “provisoriamente” para permitir o acordo, que virou um blefe, teve início em 1993. Quando, finalmente, ia ser julgado já tinha 16 anos de percurso nas lentas instâncias do Judiciário – já chegava tarde à pauta do STF.
Quando pedem o julgamento, os aposentados e demitidos da Varig fazem mais do que a própria empresa, ou o que sobra dela, devia fazer. Porque é uma reclamação sobre os prejuízos comprovados pela União, quando congelou as tarifas das aéreas brasileiras sem considerar que os seus custos continuavam subindo, imunes a qualquer controle, principalmente os combustíveis, que compõem a maior parcela das despesas operacionais.
Não seria um assunto da alçada dos empregados e dos aposentados. Mas o ganho inevitável da empresa, tal como aconteceu em 1997 com a Transbrasil, permitiria o ressarcimento do dinheiro roubado do Aerus, o fundo de pensão que deixou aeronautas e aeroviários a verem navios, com a supressão de seus compromissos decorrentes de contribuições aportadas por décadas de admirados serviços prestadas à aviação brasileira.
Esse dinheiro também poderia servir para saldar as dívidas trabalhistas que se perpetuam desde o infausto leilão-doação de 2006, quando em nome da nova Lei de Recuperação das Empresas, quase 10 mil trabalhadores foram para a rua com a mão na frente e outra atrás, sem ver sequer a cor do dinheiro dos últimos salários, burla que foi garantida por um estranho juiz que pode ir para o Guines pelo leilão mais rápido da história, em que uma empresa foi arrematada por um preço de banana: $ 24 milhões, contra o R$ 1,01 bilhão que o grupo formado pelo TGV – Trabalhadores do Grupo Varig – havia oferecido e arrematado, num leilão anulado um mês antes.
É bom que se diga, aliás, que todo o processo de destruição da Varig é marcado por uma torpeza ensandecida, cujos efeitos foram mais trágicos para a sua corporação do que para seus diretores, todos com o bolso forrado, providência que tomaram quando viram a queda-livre anunciada.
É bom que se lembre que ninguém foi punido por esse crime que principiou a desnacionalização dos nossos transportes aéreos, iniciada já no governo Collor de Mello, mas que, sobretudo, vem se prolongando como um verdadeiro genocídio, uma agressão aos direitos humanos, uma violação de décadas de direitos trabalhistas corporificados na CLT do presidente Getúlio Vargas.
Toda essa torpeza indefensável foi mais uma vez denunciada pelos valentes sobreviventes do massacre, que se reuniram junto ao forte de Copacabana neste último dia 21, por sinal, aliás, data do 8º aniversário da inexplicável morte de Leonel Brizola, um apaixonado pelos trabalhadores da Varig.
É pena que eu não tenha tido tempo para produzir o macabro dossiê do Caso Varig, uma peça estarrecedora, que ensejaria uma nova COMISSÃO DA VERDADE, na qual figurariam como réus alguns desses mistificadores, de um lado e de outro, que contribuíram por ação e omissão para a consumação desse holocausto à brasileira.

3 comentários:

  1. Aparecida Maria Rodrigues2:12 PM

    So posso dizer uma coisa: isso que estão fazendo com o pessoal do Aerus é uma grande covardia. Meu tio vive hoje graças á ajuda dos filhos. Se não fosse por isso, não nem para pagar o aluguel.

    ResponderExcluir
  2. Valéria D. S.12:36 AM

    Nós, ex-colaboradores da Varig, estamos até hoje sem entender nada. Nem a omissão do governo Lula diante da situação que vivíamos, nem os próprios congressistas, que chegaram a fazer uma comissão em defesa da Varig, mas que não defenderam nada, mostrando que há uma grande distância entre o discurso social e as práticas no go verno.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.