quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Aposentada ou na ativa, classe média é quem paga as contas, mas relaxa e goza

A maior parte de sua renda vai para tributos e despesas com serviços que são obrigações do Estado
Brasileiros de Roraima vão abastecer seus carros na Venezuela, enquanto no Sul muitos compram gasolina na Argentina
“O achatamento salarial experimentado por esses brasileiros atingiu níveis insuportáveis. Com o fim da vinculação das aposentadorias e pensões ao salário mínimo, a política de recuperação salarial desse indicador, com base no crescimento real do Produto Interno Bruto mais a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor, previsto na Lei 12.382, de 2011, pode agravar as distorções entre os beneficiários da previdência que recebem esse piso e àqueles que ganham além dele”.
Vanessa Grazziotin, senadora pelo PC do B do Amazonas.

Em breve, todos os aposentados ganharão o mínimo
Se é verdade que a política de aumento real do salário mínimo do governo federal tem contribuído para melhorar a vida de milhões de brasileiros, é igualmente verdade - e é sobre isso que devemos nos debruçar - que quem está pagando por esse louvável avanço é a classe média, incluindo aí pequenos empresários e a grande faixa de assalariados que são tributados por todos os lados.

No caso dos aposentados e pensionistas, que são referências para as políticas salariais, há uma perspectiva sombria para quem faz cálculo dos seus benefícios tomando por base o mínimo: dentro de no máximo 10 anos, a seguir a fórmula atual, todos estarão ganhando o piso e essa distorção é extremamente injusta: não se pode cobrir um santo e descobrir outro.

Quando se trata de aposentados e pensionistas, há uma dependência total de políticas autoritárias, porque esses, ao se desligarem da produção, perdem sua capacidade de pressão. Por mais que uma minoria atuante chegue ao Congresso levando o seu grito em defesa da lógica dos benefícios, a falácia dos ministérios da área econômica prevalece.

Neste momento, em função dessa agressão à lógica, quem ganha (ou ganhava) mais de um salário mínimo vai ficar “mais pobre”, pois enquanto se assegura uma correção de 14,1% no piso para 19 milhões de aposentados e pensionistas, os outros 8 milhões terão uma correção de 6,08%, abaixo do índice oficial da inflação. Estima-se que desses 8 milhões, quase 1 milhão cairão para a faixa do mínimo, embora tenham se aposentados com três salários ou mais. Além disso, é bom que se saiba: a aposentadoria média de quem ganha mais do que o mínimo é de R$ 780,00.

Perda de 76% da renda em 18 anos

Cálculos cravados da Confederação Brasileira de Aposentados e pensionistas demonstram que os aposentados e pensionistas do segmento médio amargaram uma perda de sua remuneração em 76% nos últimos 18 anos.


Nesse diapasão, o advogado baiano Marcos Barroso, membro do Conselho Jurídico da COBRAP, cita o exemplo do aposentado Lino Davi, dirigente da entidade: quando se aposentou, ele deveria receber 8,5 salários mínimos. Em 1994, já recebia o equivalente a 7,3 salários. Hoje, a situação dele é ainda pior: Davi receberá, em 2012, 3,65 salários, o que representa R$ 1.989,25.

Na ativa, a carga pesada não é diferente

É bom que se ressalte que o arrocho da classe média se dá também entre os assalariados da ativa: o rol dos seus gastos em 2012 será infinitivamente maior do que em anos anteriores, sua carga tributária começa a se tornar insuportável e o nível de serviços essenciais oferecidos pelo Poder Público o leva a uma situação esdrúxula e perversa: nesses últimos 30 anos, o cidadão de classe média se viu na condição de “multicontribuinte”.

Dos impostos que paga, incluem-se recursos para a saúde, a educação, a segurança e os serviços públicos, entre outras rubricas: não obstante, ele se vê obrigado a comprar à parte esses mesmos serviços, despendendo boa parte de sua renda em planos de saúde, escolas particulares, pedágios e, imagine, em serviços privados de segurança.

A mídia, infelizmente povoada de incompetentes, habituou-se ao hábito do papagaio e não se constrange em festejar o “crescimento da classe média”, quando uma faixa da população engrossa e passa a se enquadrar numa tabela aleatória de órgãos como a Fundação Getúlio Vargas.

Para essa entidade, quem ganha mais de R$ 1.200,00 até R$ 5.170,00 faz parte da “Classe C” e representa o maior contingente de assalariados do país, com 101 milhões de brasileiros ou 53% da população. Curioso que quando se refere à Classe B” , a faixa é bem mais estreita: R$ 5.174 a R$ 6.745,00. Já é considerado da “Classe A” quem tem uma renda superior a R$ 6.745,00.

Despesas maiores do que em outros países

Em todas as faixas, há hoje algo em comum: quem vive de salários é quem paga a duras penas os tributos no Brasil. No caso do Imposto de Renda, quem ganha mais de R$ 3.743,19 por mês vai ter que pagar 27,5%, isto é, para esse valor o dinheiro comido pelo leão, excluídas eventuais deduções, somará R$ 692,78 mensais.

Esse mesmo cidadão também paga impostos a cada passo que dá. Ao acender a luz, ele morre em 45% em tarifas disfarçadas por meio de siglas que a grande maioria da população sequer sabe que o que significa e para o que serve. As empresas do setor calculam que esses encargos totalizarão R$ 19,2 bilhões neste ano, um salto de 7,9% em relação a 2011.

Já na gasolina, a mordida é ainda maior: 55% são taxas e tarifas embutidas, o que nos leva a pagar pelo combustível 70% mais do que em Nova York. Se compararmos os preços da gasolina que pagamos no Brasil em relação à Venezuela de Hugo Chávez, você vai ficar de queixo caído: neste momento, o custo de um litro do combustível lá é o equivalente a R$ 0,10 – isto é, com apenas R$ 5,00 você enche um tanque de 50 litros. Isso tem aumentado o contrabando de gasolina venezuelana para o Brasil e até mesmo a ida de carros para abastecer seus tanques lá.

De longe, os principais fardos do combustível nacional são o ICMS e a CIDE (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico), que agrupa em uma só rubrica PIS, COFINS e antiga PPE (Parcela de Preço Específica). Os dois tributos mencionados acima respondem por, respectivamente, 32% e 21% do valor pago pelo consumidor brasileiro.

Saturada, mas embalada por fantasias milionárias

Todos os estudos levam a uma situação de saturação financeira da classe média e, no entanto, esse segmento de escolaridade razoável, refugia-se na despolitização mais burra: isto é, faz questão de ser alienada e ainda vive no mundo da fantasia da vida dos grandes milionários, como se um dia pudesse desfrutar do mesmo padrão de vida.

Uma classe média aversa ao conhecimento político é facilmente manipulável por quem joga com seus sonhos e sua desorganização individualista, embora seja ela, paradoxalmente, detentora de alta carga multiplicadora de informações.

Seria muito bom que VOCÊ começasse a refletir sobre o caráter autofágico dessa postura. Seria melhor ainda se conversássemos mais a respeito, abstraindo preconceitos, preferências e idiossincrasias.

VOCÊ não acha?

3 comentários:

  1. Mas tem gente grande amigo Pedro Porfírio que ainda defende este governo que aí está e ainda dá popularidade alta para a megera que comanda atualmente o Brasil.

    ResponderExcluir
  2. Amélia Almeida5:51 AM

    Infelizmente, a acomodação tomou conta de todos nós. Eu mesma me sinto culpada porque, mesmo achando as coisas erradas, fico na minha, limitando minhas opimniões à mesa de um barzinho.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.