domingo, 11 de dezembro de 2011

Uma fumaça no fim do túnel

A tragédia da Covanca é um aviso para quem quer trocar a Perimetral por passagens subterrâneas


"O prolongamento do elevado da Perimetral dará ensejo a que se descortinem as fachadas leste e norte do imponente Mosteiro de São Bento com seu famoso botareu". – Lúcio Costa, o mais importante urbanista brasileiro, citado pelo engenheiro Emílio Ibrahim, que participou da obra do Elevado da Perimetral.


Todo o Brasil viu em tempo real imagens de uma tragédia que poderá se repetir outras vezes, como afirmam especialistas: um ônibus pegou fogo no túnel mais moderno da cidade do Rio de Janeiro, que foi totalmente tomado pela fumaça tóxica nos dois sentidos, levando pânico a milhares de pessoas que estavam em seu interior e paralisando boa parte da cidade: só por um milagre não morreu ninguém.

Foi um Deus nos acuda e só quem viveu o drama pessoalmente pode descrever o pânico que se estabeleceu: a fumaça densa se espalhava no meio da escuridão – isso às 4 da tarde no horário de verão:

No desespero, o designer Fabio Wojcikiewicz Almeida, uma das vítimas da nuvem de fumaça represada no túnel ainda tentou ultrapassar o veículo em chamas:

- Só que não dava para ver nada e quase atingi o ônibus que estava pegando fogo. Acabei batendo num carro mais à frente, e o meu veículo ficou preso. Não consegui abrir a porta do motorista, tive que sair pela do carona. Peguei a blusa, botei no rosto e comecei a andar grudado na parede.

Intoxicado e traumatizado, só foi socorrido à saída do túnel de 2.187 metros. E como outros, pode dizer que nasceu novamente.

Esta manchete é do jornal GLOBO... pra você ver

Sempre digo que Deus escreve certo por linhas tornas.

Neste exato momento, o jovem prefeito Eduardo Paes está intransigente em sua idéia fixa de usar uma grana preta do FGTS – liberado generosamente pelo governo federal – para derrubar o elevado da Perimetral, substituindo-o por uma rede de quatro túneis, o maior dos quais, o da Via Expressa, com 2.500 metros de extensão, e a 24 metros de profundidade
.Em nome de revitalizar a região do porto, o prefeito foi induzido a uma idéia de jerico: cortar ao meio a única via alternativa, confortável e segura, que liga a Zona Sul, às Norte, Oeste, Baixada e Ponte Niterói, passando ao largo do Centro, sem um único sinal e, portanto, sem cruzamento.

E essa demolição insana pela bagatela que já passa do bilhão e meio de reais, já que ele mudou de idéia para pior: antes, o estrago iria da Praça Mauá oo Viaduto do Gasômetro (3,5 km); agora, cismou de promover um bota - abaixo completo, começando pelo acsso do Aeroporto Santos Dumont, que não tem nada a ver com a miragem do Porto Maravilha, privando-nos agora de 5,5 km de uma obra erguida ao logo de 25 anos e por onde passam quase 100 mil veículos sem o risco de uma tragédia como a acontecida na quinta-feira passada e ainda com o deleite da contemplação vista do alto da Baía da Guanabara e de parte do Rio antigo.

O que aconteceu no Túnel da Covanca foi um recado. No mundo inteiro só se discute a abertura de túneis à falta de outras soluções. É sempre uma obra CARÍSSIMA, de custo-benefício discutível. Na maioria dos casos – isso não se diz – um túnel custa três vezes mais do que um elevado. E aí a nossa vaca é que vai pro brejo.

No caso dos projetos do Porto Maravilha, a maioria dos trechos a serem cavados é, como já disse, em áreas de aterro tomadas ao mar. E ainda que esse novo projeto viário tivesse aspecto positivo, ele podia conviver com o Elevado:  como lembrou o professor Álvaro Queiroz Bastos, “a Perimetral é o cordão umbilical que une o Estado do Rio ao município. Milhares de cariocas venderam seus imóveis, por causa da violência e foram morar do ouro lado da ponte, em Itapu, Itapuaçu e etc . Eles todos os dia utilizam a ponte Rio Niterói para virem trabalhar no Rio e Zona sul. Com o fim da perimetral o trânsito da zona oeste e Niterói vai afunilar e acabar com o centro Os engarrafamentos serão terríveis”.

Não sei se o susto do Túnel da Linha Amarela terá algum peso nas decisões dos governantes e na compreensão da população, que precisa se mobilizar o quanto antes, porque a gente nunca sabe o que leva um governo a aventurar-se numa obra de destruição,  temerária e antipática: as finanças do Rio, mesmo com as injeções do governo federal, não estão com essa bola toda e não podem se dar ao luxo de destinar uma fortuna para derrubar uma via expressa de grande utilidade só porque ela é vista como feia por quem não tem a menor noção do que seja administrar uma cidade com as características topográficas do Rio de Janeiro.

Que essa fumaceira que saiu do túnel sirva como aquele antigo sistema de aviso que foi tão usado no passado. Muitas vezes, aliás, ferramentas da antiga funcionam com muito mais precisão e consistência.

Que essas linhas tortas de Deus ajudem a evitar a caríssima demolição desnecessária do Elevado da Perimetral.

6 comentários:

  1. Em um momento de baixo nível de educação pública que vivemos, é grande temeridade e falta de responsabilidade gastar tanto dinheiro em uma obra desnecessária. Se existe esse dinheiro disponível, ele deve ser usado na Educação que é prioritária e apresenta melhores resultados no campo social.
    Franklin Ferreira Netto

    ResponderExcluir
  2. Gabriel Domenico Giovanni4:23 AM

    Concrdo plenamente com o Pedro Porfírio e com o Franklin: trocar a perimetral por mergulhões é como trocar um pombo na mão por dois voando. Além disso, qualquer prefeito que tenha o mínimo de sensibilidade deveria dar mais atenção à educação pública, que vai de mal a pior.

    ResponderExcluir
  3. Dalva Xavier Gonçalves6:22 AM

    Gostaria de saber porque a mídia deixou de falar a respeito desse assunto em menos de 48 horas. Sei que esse negócio de pedágio é uma grande jogada. E a concessionária da Linha Amarela é muito influente. Sugiro que você escreva sobre pedágios.

    ResponderExcluir
  4. Concordo plenamente: o túnel previsto para contornar o morro de São Bento é um desperdício!
    E emendar com o Mergulhão da Praça XV, pior ainda!
    E como vai ser o transporte coletivo no “Porto Maravilha”, com suas dezenas de prédios “de até 50 andares”?
    O que precisa passar pelo Porto e pelo Mergulhão da Praça XV é o Metrô!
    Veja como em http://rioguina.blogspot.com/2011/11/o-que-precisa-passar-pelo-mergulhao-da.html

    ResponderExcluir
  5. Mas não deveria notificar a concessionária por causa de equipamentos de combate ao fogo.Se tivessem uma equipe capacitada ,sensores de fumaça(sprinklers) teria liberado o túnel em menos tempos.

    ResponderExcluir
  6. Mas não deveria notificar a concessionária por causa de equipamentos de combate ao fogo.Se tivessem uma equipe capacitada ,sensores de fumaça(sprinklers) teria liberado o túnel em menos tempos.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.