domingo, 6 de novembro de 2011

No calote à UNESCO a face mais boçal das potências decadentes

EUA, Israel e Canadá recusam pagamentos à organização da ONU, que reconheceu a Palestina
“Em um período de crise econômica e transformações sociais, o trabalho da UNESCO foi essencial para promover a estabilidade econômica e os valores democráticos”.
Irina Bokova, secretária-geral da UNESCO, ao saber da decisão dos EUA de dar um calote na entidade.

As atitudes bestiais dos Estados Unidos, Israel e Canadá em relação à UNESCO mostram que tipo de escória moral governa esses países. Você provavelmente não está sabendo, porque essa mídia rastejante calou o bico, por conveniência, preferindo o exercício da fofoca demolidora e suspeita.

Esses países resolveram dar um calote na Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura como represália à decisão, amplamente majoritária, que acolheu o Estado Palestino como membro. Israel, para variar, foi mais além: intensificou a agressiva implantação de colônias judaicas em território palestino, em ações que desmascaram seus mentirosos anúncios de negociar a paz.

Desde a resolução de 1948 que criou dois Estados na Palestina, só os judeus puderam instalar-se, isso a  custa de guerras e usurpações apoiadas pelas potências ocidentais e pelas colônias judaicas espalhadas por todo o mundo, principalmente nos Estados Unidos, de onde exercem a hegemonia financeira internacional.

O Estado da Palestina, ao contrário, além de até hoje não ter sido reconhecido, vem tendo suas fronteiras reduzidas pela força e vê seus direitos nacionais sucumbirem ano a ano, num sofrimento sem precedente já imposto a um povo milenar.

Ante a ostensiva disposição de Israel e dos seus aliados de remeterem para as calendas o reconhecimento da Palestina, sua liderança optou por pleitear formalmente o reconhecimento na Assembléia Geral da ONU, este ano.

Enquanto a vontade da grande maioria das nações em seu favor é postergada ali pelo poder de veto dos Estados Unidos, França e Inglaterra, a Autoridade Palestina obteve o assento na UNESCO, graças à expressiva decisão de 107 votos a favor, 14 contra e 52 abstenções.

Isso foi o bastante para que o governo dos Estados Unidos anunciasse a suspensão do pagamento em novembro de U$ 60 milhões, parte de suas obrigações com o órgão, que somam U$ 143 milhões a cada dois anos. A represália foi seguida pelo Canadá e por Israel. Em todos os casos, serão afetados programas da UNESCO em todo o mundo, inclusive no Afeganistão, como lembrou sua diretora-geral, a búlgara Irina Bokova, referindo-se aos programas de alfabetização de policiais daquele país.

“Será impossível mantermos o nosso nível de atividade atual, uma vez que a suspensão anunciada da contribuição norte-americana para 2011 afetará imediatamente a nossa capacidade de manter os programas em domínios críticos.” De acordo com a diretora da UNESCO, são programas consagrados ao alcance da educação primária universal, ao apoio às novas democracias e à luta contra o extremismo.

Não é a primeira vez que os Estados Unidos investem contra a UNESCO. De 1984 a 2003 o país afastou-se formalmente da organização, negando toda e qualquer contribuição, sob a alegação de discordar de sua linha de trabalho, de grande relevância para a educação, a ciência e a cultura, principalmente nos países pobres.

Desta vez, porém, essa decisão, anunciada pelo Sr. Barack Obama, está conectada com o apoio aos extremistas de Israel, que usam de todos os pretextos para aprofundarem o domínio total e absoluto de áreas pertencentes milenarmente às populações árabes.

O boicote à UNESCO acontece às vésperas da votação no Conselho de Segurança da ONU do pedido de reconhecimento do Estado Palestino, agendada para 11 de novembro.

E deu gás para que Israel anunciasse a intensificação das obras para a conclusão de duas mil unidades habitacionais para colonos judeus - 1650 nos territórios palestinos em Jerusalém Oriental e os restantes nos assentamentos de Maalé Adoumim e de Efrat (no sul de Belém, na Cisjordânia). Hoje, já somam 500 mil os judeus introduzidos  pela força em território palestino, através de colônias construídas pelo governo de Israel.

De quebra, o governo israelense decidiu suspender o pagamento de R$ 50 milhões mensais devidos à Autoridade Palestina por conta da Taxa sobre o Valor Agregado recolhida sobre os produtos destinados aos palestinos que transitam pelos portos e aeroportos israelitas. Esta é a segunda vez neste ano que Israel retém as receitas que recolhe em nome da Autoridade Palestina. A primeira vez sucedeu o acordo de reconciliação de do governo do Fatah com o grupo islâmico que controla Gaza, Hamas, no início deste ano.

Em horas de violação dos direitos das nações soberanas com a complacência e o apoio de uma mídia atrelada ao grande capital, era de se esperar que os interesses coloniais mais insaciáveis ganhassem estímulo e avançassem na busca de compensações por suas próprias  crises, cada vez mais agudas.

O projeto sionista é a ponta de lança mais exuberante da usurpação colonialista. Mas não se limita às suas áreas geográficas.

Quando penaliza a UNESCO, isto é, quando pune uma organização da ONU que atende a 193 países, o núcleo central do sistema colonial define suas prioridades, transformando uma injustiça regional no pretexto para atingir todo mundo, especialmente os mais de 100 países que acolheram o pedido dos palestinos, que tiveram uma vitória meramente simbólica e que em nada afetariam a estratégia e os programas da organização internacional.

Por aí, você vê com que tipo de canalhas estamos lidando. 

3 comentários:

  1. Emília Santos Julião2:43 AM

    Confesso que eu não sabia de nada disso, nã li nos jornais, nem vi na tevê. E não podia imaginar que os Estados Unidos decidissem ferrar todo mundo como represália por um ato que parece quase simbólica. Meu Deus, quanto mais rezo, mais aparece assombração.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo9:49 AM

    A máscara de "Anjo" da Ditadura Mídia-Financeira Mundial Anglo(sionista)Americana, aos poucos, vai caindo...

    O "DIABO" é inglês sionista, naturalizado americano.

    A esperança é que a própria população estadunidense perceba que é explorada pelo seu próprio governo, como demonstra o movimento "Ocupar Wall Street".

    Ou não ???

    ResponderExcluir
  3. PORFIRIO - A VOZ E OS ESCRITOS DA VERDADADE- ONU - UNESCO - G-7 - ESTA TUDO DOMINADO PELO CAPITALISMO DO MAL. NESSE MOMENTO ESTAVA OUVIDO SUA PALESTRA SOBRE O ANALFABETO POLITICO, SO EXISTE PORCAUSA DO MALDITO CAPITALISMO. REGATTIERI

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.