terça-feira, 18 de outubro de 2011

Isso não é uma denúncia. Isso é uma agressão ao jornalismo e ao bom senso

E ainda querem que o “denunciado” prove a inocência, quando o ônus da prova é da acusação


"Considero muito grave algumas afirmações, de que não importa a apuração, não importa o processo, o que importa é que há uma denúncia. Lembrei do tribunal de Nuremberg, do dito brasileiro às favas os escrúpulos. Isso é um tribunal de exceção. Acusar alguém e não provar, acusar alguém sem o devido processo é fazer um tribunal de exceção. Isso tangencia para o fascismo".
Orlando Silva, ministro dos Esportes.

O mais confortável seria surfar na onda da revista Veja & companhia, mas a leitura e releitura reiterada da matéria sobre suposto envolvimento do ministro Orlando Silva em esquema de propinas no Ministério dos Esportes me põe diante de um episódio sórdido, subproduto mal acabado da pior mídia marrom, do que há de mais repugnante no jogo sujo do poder.

Numa me imaginei defendendo o ministro Orlando Silva, mas a reportagem da Veja (e as repercussões decorrentes) é uma agressão ao jornalismo – afirmo em nome dos meus 50 anos de redação. Cheira à matéria de encomenda, mesmo sem o mínimo de requinte e, provavelmente, tem muito a ver com toda essa trama de interesses que envolve os eventos bilionários programados para 2014 e 2016.

Estou com essa matéria atravessada ma garganta desde o sábado em que foi para as bancas. Interessei-me porque acho que essas terceirizações através de ONGs sem qualquer licitação é um perigoso ralo, sobre o qual ninguém, absolutamente ninguém, pode ter controle. O repasse do recurso público permite tudo, até que o dinheiro seja usado honestamente.

Mas ao deparar-me com o seu conteúdo, vi logo que ali tinha truta. Leviandade pura, irresponsabilidade de baixíssimo nível. Coisa de moleque. Inacreditável. Inadmissível. Intragável.

Com esse tipo de jornalismo não dá. Isso é muito feio, é um péssimo exemplo para tanta gente que acredita no poder da palavra.

Faço o desmanche dessa matéria exatamente porque considero a banalização leviana de falsas denúncias, fofocas primárias, um péssimo desserviço à luta contra a corrupção. Não é admissível que a palavra de um picareta encurralado por seus próprios delitos, que nos afronta com descarado enriquecimento ilícito, seja a única peça a alimentar a reportagem com chamada na capa, uma espécie de panfleto contra um ministro de Estado, ainda mais no centro de tantas controvérsias por conta dos eventos internacionais em que o Brasil está envolvido.

A revista nem se deu ao tabalho de checar as "denúncias"

Como é que pode? Nesse caso, penso diferente do ministro. O grande vilão não é esse PM que mora em uma mansão com três carros importados, conforme o próprio GLOBO mostra hoje, terça-feira. Quem deve ser questionado firmemente é a revista que o transforma em “testemunha” de algo sobre o que não exibe uma única prova, nada, só a palavra dele, claramente a palavra de um criminoso usado para atingir e desestabilizar um  ministro.

Essa irresponsabilidade ainda é mais grave porque bóia em citações genéricas, sem o menor cuidado de nominar possíveis envolvidos. Nada que justifique essa verdadeira fraude jornalística: “Agora, surgem evidências mais sólidas daquilo que os investigadores (quais investigadores?) sempre desconfiaram: funcionava dentro do Ministério do Esporte uma estrutura organizada pelo partido para desviar dinheiro público usando ONGs amigas como fachada. E o mais surpreendente: o ministro Orlando Silva é apontado como mentor e beneficiário do esquema (texto da revista).

A revista simplesmente assina embaixo das declarações desse dublê de policial militar e empresário, preso junto com outras quatro pessoas, por desviar dinheiro recebido do Ministério dos Esportes para dar treinamento a crianças em Brasília. Isso sem acrescentar qualquer comprovante que dê verossimilhança às suas supostas “delações”.

PM milionário, corrupto e truculento

Segundo reportagem de O GLOBO, PM acusador mora numa mansão em condomínio fechado, com três carros importados na garagem: um Camaro, um Volvo e uma BMW. Seu salário bruto: R$ 4.5000,00. Isso a VEJA omitiu.

Esse soldado PM, João Dias Ferreira, que já foi filiado ao PC do B, partido do ministro, aparece também como dono de uma rede de academias de ginástica. E Célio Soares Pereira, a pessoa indicada por ele para reforçar suas acusações, é seu funcionário, gerente de uma das academias de sua propriedade.

Pelos critérios investigativos mais razoáveis, qualquer um procuraria saber, em primeiro lugar, como um soldado da PM conseguiu reunir esse patrimônio. A polícia e o ministério público certamente já sabem.
Segundo a revista, durante o inquérito policial os outros quatro presos “concordaram em falar à polícia. Contaram em detalhes como funcionava a engrenagem. O soldado João Dias, porém, manteve-se em silêncio sepulcral”. Ele contava que o próprio ministro do Esporte livraria sua cara: “O Orlando me prometeu que ia dar um jeito de solucionar e que tudo ia ficar bem” – declarou à Veja.

E admitiu que fez todo tipo de pressão para que o livrassem do processo criminal e da obrigação de devolver ao Ministério R$ 3,16 milhões desviados. Procurou pessoalmente o então secretário nacional de Esporte Educacional, Júlio Cesar Filgueira, para tirar satisfação. O encontro foi na secretaria. O próprio João Dias conta o que aconteceu: “Eu fui lá armado e dei umas pancadas nele. Dei várias coronhadas e ainda virei a mesa em cima dele. Eles me traíram”.


A revista a rigor nada revela e ainda fica nos devendo informações elementares:
Diz a matéria: “as ONGs, segundo ele, só recebiam os recursos mediante o pagamento de uma taxa previamente negociada que podia chegar a 20% do valor dos convênios”.
No mínimo, o repórter localizaria alguma ONG e publicaria seu depoimento.

Diz a matéria: “O partido indicava desde os fornecedores até pessoas encarregadas de arrumar notas fiscais frias para justificar despesas fictícias”.
Não seria difícil dar nomes de alguns fornecedores ou autores de notas frias. Nenhum nome aparece, porém.

Na matéria, Célio Pereira, funcionário do PM, diz: “Eu recolhi o dinheiro com representantes de quatro entidades aqui do Distrito Federal que recebiam verba do Segundo Tempo e entreguei ao ministro, dentro da garagem, numa caixa de papelão. Eram maços de notas de 50 e 100 reais”
Para ganhar credibilidade, esse relato teria que apontar os nomes das quatro entidades das quais ele havia recolhido o dinheiro.

Reporta ainda a matéria: “João Dias diz que Fredo Ebling era um dos camaradas destacados por Orlando Silva para coordenar a arrecadação entre as entidades. O policial relata um encontro em que Ebling abriu o bagageiro de seu Renault Mégane e lhe mostrou várias pilhas de dinheiro. “Ele disse que ia levar para o ministro”, afirma”.
Sinceramente, tem cabimento o sujeito ficar mostrando a outro dinheiro arrecadado indevidamente?

Na entrevista publicada com a matéria, o repórter pergunta: “O senhor deu dinheiro ao esquema?”.
O policial militar responde: “Não. Exigiram pagamento adiantado a um escritório indicado por eles. Foi feito um contrato de consultoria que depois eu percebi que era fictício”.

O repórter nos deve o nome desse escritório, bem como dos fornecedores de alimentos e material esportivo de quem João Dias afirma ter sido obrigado a comprar.


Você pode estranhar a minha repugnância a esse tipo de "denúncia" e até achar que resolvi fazer às vezes de advogado do ministro, com quem nunca cruzei.

Mas se for mais racional haverá de entender o porquê da minha desconfiança sobre esta matéria. Nada compromete mais uma reportagem dessa gravidade do que a inconsistência que a permeia, da primeira a última linha.

Acho que a reação do ministro Orlando Silva não foi feliz, na medida em que ele descarrega sua ira sobre o policial militar, deixando de considerar a responsabilidade da revista que o acusa formalmente de ser beneficiário de um suposto esquema de propina. É isso mesmo.

A revista Veja está garantindo a seus leitores, com base n entrevista de um delinquente, que o ministro Orlando Silva e o PC do B paparam R$ 40 milhões em propinas repassadas compulsoriamente por ONGs beneficiadas pelos programas do Ministério.
O combate á corrupção é coisa séria. Não pode ser achincalhado por matérias típicas da velha imprensa marrom, sem qualquer elemento de prova, documental ou testemunhal. Acusações desmontáveis comprometem o acusador, em primeiro lugar. E acusador não apenas é o brutamonte que diz ter invadido armado o gabinete de uma autoridade para exigir que o ministério lhe livrasse a cara.
Só faltou seguir as normas elementares do jornalismo que se aprende no primeiro dia de redação. Isto é, faltou responder às perguntas básicas de uma reportagem – o que, onde, como, quando, por que, para que - e oferecer elementos reais de prova.

Do jeito que a armação foi feita, até a oposição está dividida. E não é pra menos. Quem tem "inimigos" tão incompetentes e precipitados não precisa nem ter amigos para afirmar-se no poder.

3 comentários:

  1. Pedro, Pedro, você é um crédulo incorrigível. Deixe esta esquerdopatia de lado e caia na realidade. Está na cara que há algo de muito podre no ar senão a Revista Veja não entraria em ação. A coisa plana sobre as negociações da Copa do Mundo e o governo estava fazendo jogo duro com a FIFA para melhor resultado na partilha da roubalheira. Se pegaram o Orlando Silva e seu Ministério é porque lá a canalhice dava margem para isso; para as chantagens. Este Programa Segundo Tempo é um dos maiores antros de corrupção, MESMO. O grande problema é que para vocês todos os esquerdistas são santos. Acorda Pedro. Ou você esquece que já defendeu ferrenhamente Lula, Dirceu, Lupi, Genoino, etc, etc, etc,

    Já que você está tão interessado em defender Orlando, procure saber se as ONG’s: Instituto Cidade de Juiz de Fora ou a Liga de Artes Marciais da Região dos Lagos do Rio, são entidades sérias e honestas; apesar de terem recebido milhões do “impoluto” Ministério do Orlando.
    Ou você vai se arrepender de novo.

    ResponderExcluir
  2. Jose Netto8:31 AM

    Prezado Porfírio

    Não estou acompanhando o caso, mas pelo que depreendo de seu artigo a coisa é muito mais grave do que aí está colocado. Ao se desmoralizar com uma denúncia que fere a inteligência, a grande mídia está deliberadamente criando um ambiente de desmobilização das pessoas, por falta de credibilidade do que se publica. O Brasil está tomado por situações de corrupção e desmanche, na sua estrutura econômico-funcional. Qualquer profissional da linha produtiva percebe isto, está cada vez mais impossível produzir. É como se um vírus tivesse sido instalado nos processos produtivos, onerando os custos, obscurecendo o cenário, tornando a todos robos de uma rotina imposta, rotina cega, burra, para burros motivados.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo11:38 AM

    Como escreveu o Paulo Henrique Amorim, no seu site (www.conversaafiada.com.br): "O CIVITA (VEJA) quer derrubar a Dilma".

    A VEJA, assim como toda a "grande mídia", é dirigida pela Ditadura Mídia-Financeira Anglo(sionista)americana e o CIVITA é um "testa-de-ferro".

    O Orlando Silva pode não ser um "santo", mas a VEJA (e a "grande mídia") é comandada pelo DIABO...

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.