sábado, 10 de setembro de 2011

11 de setembro – napalm na terra dos outros é refresco ou o feitiço contra o feiticeiro

Por conta do atentado, os EUA continuam patrocinando genocídios imperiais no outro lado do mundo

“Um número surpreendente de pessoas ainda acredita que a organização terrorista Al Qaeda não foi responsável pelos ataques executados com aviões comerciais contra as Torres Gêmeas de Nova York e o Pentágono em Washington, que deixaram quase 3.000 mortos. As teorias mais ousadas de complô afirmam que elementos dentro da administração do então presidente George W. Bush utilizaram explosivos colocados de forma prévia e mísseis contra os edifícios do World Trade Center e do Pentágono”.
Sebastian Smith, da agência France Presse em Nova York


Torres gêmeas são lembradas. Vítimas do napalm norte-americano em dezenas de atos terroristas,NÃO!
Confesso que, independente de questionar sua autoria, tive reação bem diferente ao saber dos atentados que culminaram com a destruição das torres gêmeas e de boa parte do Pentágono, sede do Ministério da Defesa dos EUA.

Lembrei-me de imediato de um outro 11 de setembro: com apoio ostensivo do governo norte-americano, naquele 1973 o Exército chileno abandonava uma longa tradição de respeito à Constituição para derrubar a bombas o governo do presidente Salvador Allende, em incursões letais que incluíram o Palácio presidencial de La Moneda.

Abrindo minha angular, sem maiores esforços, passei em revista os banhos de sangue que se tornaram doutrinas da política externa de Washington: vieram-me à cabeça as imagens dos bombardeios com a terrível bomba de napalm no Vietnam, que custaram mais de um milhão de vidas ao longo de uma guerra marcada por experimentos criminosos, incluindo armas bacteriológicas, que reduziram a pó dezenas de cidades e mataram milhares de civis, num ambiente em que a mídia procurava legitimar um genocídio que botava no chileno até mesmo as bombas atômicas despejadas sobre Hiroshima e Nagasaki, quando a II Guerra já estava ganha, excesso desumano que batizou festivamente os Estados Unidos como potência nuclear e deu as pilotos do feito às mais altas condecorações como heróis.

É claro que, no 11 de setembro, pensei nas vítimas inocentes que não tinham nada com as atrocidades praticadas pelas três armas dos EUA, as quais, porém, contaram sempre com a aceitação e o apoio da maioria dos americanos, conforme pesquisas sucessivas divulgadas pelo Galup e outros ibopes de lá.

O ponto de referência do meu entendimento crítico era simples: enfim os norte-americanos estavam conhecendo os horrores da guerra em seu próprio território. Até aquele 11 de setembro de 2001, o aparato bélico mais sofisticado do mundo mantinha as contendas em territórios alheios, nas casas dos outros. E bomba em terra alheia é refresco que valoriza as ações da indústria bélica no Wall Street.
Pensei e lamentei, tanto como penso e lamento cada vez que uma bala perdida fulmina uma criança a caminho da escola na favela carioca.

Mesmo na II Guerra Mundial, que serviu para reduzir a força das potências européias e alavancar os Estados Unidos como primeira referência bélica do Ocidente, os norte-americanos assistiram à distância o grande morticínio, que ceifou 50 milhões de vidas.

Ante a notícia que descabelou o mundo, ocorreu-me apenas revisitar o passado recente, enquanto contemplava daqui o pânico que desceu sobre  Nova York no ataque “consentido” (ou forjado)  já  esperado pelos serviços secretos, conforme incontestáveis provas reveladas posteriormente, inclusive o documentário a respeito de Mike Moore – o Fahrenheit 11 de setembro – produzido em 2004.
Era o feitiço que se voltava contra o feiticeiro – pensei. Estava mesmo na hora do povo dos Estados Unidos sofrer na própria pele, ainda que em um ato pontual, o que representa para as populações civis o uso de máquinas mortíferas contra quem “não tem nada com o peixe”.

Minha idéia era que todo aquele horror servisse de lição e levasse os cidadãos da grande potência belicista a assumirem suas responsabilidades diante da facilidade com que seus governantes decidem despejar bombas sobre outros povos, em guerras que parecem indispensáveis ao próprio sistema, em que tiram todo tipo de proveito os grandes negociantes de armas e o crime organizado que opera a partir do Wall Street.

Os fatos seguintes mostraram, porém, que um outro sentimento envolveu a massa, cujos brios foram explorados e serviram de matéria prima para novas guerras: os grupos econômicos souberam tirar proveito mercadológico do trauma provocado e se sentiram apoiados para lançar mais bombas sobre outras populações, de olho principalmente na rapina de riquezas minerais.

Com o sofrimento provocado pelos ataques de meia centena de terroristas, Bush e os prepostos das empresas de guerra invadiram o Iraque em 20 de março de 2003, 18 meses depois do atentado das torres gêmeas, e fizeram a festa que pôs no mesmo barco a indústria bélica e as empresas especializadas no saque da riqueza alheia, a principal das quais, a Halliburton, do então vice-presidente Dick Cheney, ganhou contratos bilionários para coordenar a apropriação das riquezas do país invadido.

Já estava em curso a invasão do Afeganistão, cujas riquezas são escondidas a sete chaves, até chegarem neste 2011 ao mais descarado dos assaltos militares coordenados, agora para tirar da lama a cambaleante economia de posudos países ocidentais.

Nessa nova ação, em que a opinião pública mundial foi enganada pela mídia a serviço dos piores interesses, a ONU foi solenemente transformada em biombo “jurídico”, aprovando uma resolução que seria inevitavelmente fraudada – aquela história de autorizar o bloqueio do espaço aéreo da Líbia, cenário de uma farsa seriada protagonizada por canastrões sem escrúpulos.

Os norte-americanos que neste 11 de setembro lembram os civis mortos no ataque terrorista (sic) não têm olhos críticos para as práticas igualmente terroristas em que se lançam suas forças armadas, causando os mesmos traumas e os mesmos sofrimentos a povos indefesos, cujos únicos crimes são tentar preservar a soberania sobre suas riquezas.

E se calam e consentem ante as investidas terroristas de seus governantes, não estão à vontade agora para tentar fazer marketing com a lembrança da data infausta.
Que se saiba, não faz parte de nenhuma lógica o entendimento de que os genocídios produzidos pelas potências ocidentais são civilizatórios e se destinam tão somente a garantir o exercício da liberdade nos países de que são algozes.

Toda essa manipulação da tragédia em casa parece destinada a embasar a teoria de uma “guerra santa” em terras distantes: desde aquele dia que tirou os americanos do sério, 1 trilhão de dólares já foram queimados em outras agressões, com o apoio de um Congresso corrupto, mediante propinas e sob a proteção do lema “Deus salve a América”.

Mesmo em crise, no limiar da pindaíba, os contribuintes norte-americanos continuam pagando sem reclamar foguetes de um milhão e meio de dólares empregados nas guerras de rapina, nas agressõesem  às soberanias de outros países, conforme a doutrina de “xerifes do mundo” e “povos superiores”, que desprezam as vidas de seres humanos nascidos e criados em outros cantos,   na mesma ilusão de que também são filhos de Deus.

Continuo com o mesmo sentimento em relação ao dia em que a deslumbrada Nova York amarelou, tremeu, viu ruírem símbolos de seu poderio e se deparou ao vivo e a cores com a destruição insana, de que se imaginava blindada.
É provável até que esse sentimento olímpico que sustenta as maratonas mortíferas seja hoje ainda mais forte ao pé da bandeira estrelada, porque as tropas imperiais continuam operando ferozmente em outras plagas sempre com o consentimento e apoio dos donos da cocada branca, totalmente abobalhados por uma mídia que canta e exalta as agressões alhures, ainda que a custa de milhares de vítimas tão inocentes como os que estavam nas torres atacadas naquele 11 de setembro, que não poderá sair da memória de ninguém.

Porque o 11 de setembro de 2001  mostrou que qualquer um está exposto aos horrores de uma guerra. Inclusive os exportadores de homens e armas para terras estrangeiras.

7 comentários:

  1. Além da excelente montagem fotográfica, suas reflexões são de pessoa bem ponderada.
    O título que a matéria cebeu é outro ponto alto do artigo.
    Abraços
    Fernando

    ResponderExcluir
  2. D´ARTAGNAN4:01 PM

    Concordo plenamente com o seu comentário. Note que os dois edifícios foram atingidos na parte de cima pegando fogo e cairam como CASTELOS de AREIA. graças as explosões subterraneas planejadas e executadas FRIAMENTE pela CIA.

    ResponderExcluir
  3. Jileno Sandes5:10 PM

    Sem analisar as origens, qualquer ser humano com o mínimo de lucidez sentiu naquele ll de setembro certo constrangimento pela perda de vidas naquele atentado.
    Porem não concordo com a grande encenação que torna aquele atentado, o maior atentado "terrorista" da História.
    Hiroshima, Nagasaki,Vietinam,Chile e Granada, não são contados.
    O genocídio do Índio e do Negro que nunca parou ....

    ResponderExcluir
  4. Paulo Duarte Guimarães2:23 AM

    Meu medo é que um dia eles lá descubram um pretexto para meter a mão nas nossas jazidas.

    ResponderExcluir
  5. É isto mesmo, Porfirio. É preciso ter alguém que pensa e escreve como você, para fazer a diferença. Precisamos criar mais espaço para contrapor às versões da mídia dominante.

    Franklin

    ResponderExcluir
  6. Anônimo9:26 PM

    PERFEITO !!! Mais um GOL do "Montinho Artilheiro".

    Os nossos "amigos" anglo(sionistas)americanos, pertencem à LOJA NEGRA e precisam SEMPRE estar em guerra contra alguém...

    Espero que os povos americano, israelense e inglês, percebam, um dia, como seus governantes são gananciosos e hipócritas !!!

    ResponderExcluir
  7. Anônimo10:46 AM

    Se DEUS é BRASILEIRO, o DIABO é INGLÊS, naturalizado AMERICANO !

    Ou não ???

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.