sexta-feira, 13 de maio de 2011

Os carros que mostram a natureza irresponsável de uma Câmara Municipal

“Noventa por cento dos políticos dão aos 10% restantes uma péssima reputação”

Henry Kissinger, ex-secretário de Estado dos EUA

Clque na foto e veja comentário de PEDRO PORFÍRIO no YOU TUBE


No gráfico de O GLOBO o retrato da irresponsabilidade dos vereadores
 A Câmara do Rio de Janeiro, tem por vício pisar na bola, como as congêneres de todo o país, beneficiando-se do caráter periférico dos legislativos municipais. Isto é, como o foco da mídia privilegia Brasília, os parlamentos locais pintam e bordam sob a proteção de uma penumbra tentadora.


É bem verdade que há ainda alguns vereadores decentes. E que, trabalhando-se com dedicação e persistência é possível fazer leis que justifiquem a existência de um poder legislativo citadino.

Mas a atuação da meia dúzia de três ou quatros vereadores corretos é cada vez mais bloqueada. Nas casas legislativas do Brasil há uma tendência inercial de formação de maiorias acachapantes no “dá lá toma cá” de interesses espúrios. Maiorias, via de regra, atreladas ao Poder Executivo, a quem incumbiria fiscalizar.

Esse episódio da compra de carros de luxo, que despertou a indignação geral da população carioca – uma pesquisa de um jornal na internet mostrou que 96% dos cidadãos a condenavam – é apenas a ponta de um iceberg.

Uma casa de privilégios comprometedores

Ao longo dos anos, a casa que ganhou o epíteto de “gaiola de ouro” já na época do antigo Distrito Federal (década de 50) tem se esmerado em abusivos acréscimos de privilégios que se forjam em plena luz do dia, enquanto muitos dos seus parlamentares costumam rechear seus orçamentos na calada da noite, negociando votações de matérias encomendadas por grupos econômicos – liderados pela construção civil e pelas empresas de ônibus.

Estive na Câmara na quinta-feira, participando de uma audiência pública sobre os guardas municipais, todos concursados, que uma emenda à Lei Orgânica de minha autoria transformou em servidores públicos. Tal emenda foi derrubada na Justiça pelo prefeito Cesar Maia, sob a alegação de que tratava de despesas, mas acabou virando promessa de campanha dos candidatos a prefeito: eleito, Eduardo Paes encaminhou nova proposta semelhante à minha, mas, embora ela tenha sido aprovada em 2009, o processo de transformação ainda não saiu da estaca zero: até hoje os guardas, que eram os únicos no Brasil empregados por uma empresa pública sob regime celetista, não tomaram posse como estatutários.

Encontrei alguns vereadores e o clima era de tensão. Carlos Eduardo, um aguerrido parlamentar do PSB, foi logo me dizendo: informe a seus leitores que recusei terminantemente esse carro; não há necessidade nenhuma para sua compra.

Rubens Andrade, também do PSB, lembrou que há muito mais o que considerar numa visão crítica da Câmara. E tem razão. A compra dos carros, que já havia sido tentada na década de 90, pega muito mal, porque é uma desnecessária ostentação de mordomia.

Agora, seria uma boa oportunidade para uma criteriosa lavagem de roupa dessa casa de leis, de onde saíram 4 dos seus mandatários direto para a prisão e onde, infelizmente, se chega lá hoje menos pelo espírito público e mais pela manutenção de caríssimos “atendimentos sociais” que se aproveitam do sucateamento dos serviços públicos; pelo uso da máquina oficial, por pressão de milícias e por campanhas milionárias, que custam muito mais do que os subsídios pagos durante os 4 anos de mandato.

Essa não deu para empurrar goela a dentro

O fato de que o presidente Jorge Felipe tenha decidido suspender a compra dos carros não significa que houve uma opção pelos bons modos. Essa atitude era a única cabível, ante a pressão da opinião pública. Do contrário, a casa corria risco até de ser invadida por pessoas indignadas.

Mas, independente de outras mazelas ali, como a contratação excessiva de pessoal terceirizado, sem concurso e sem controle, da quantidade do pessoal de Gabinete, é preciso olhar também para outros órgãos públicos que colecionam mordomias, inclusive com carros de luxo para seus titulares, e para outras casas legislativas, como a Assembléia do Estado, que acaba de renovar sua frota com os mesmos veículos de luxo pretendidos pela Câmara carioca.

Para ser coerente, essa mesma mídia que soube captar a revolta dos cidadãos, poderia fazer um levantamento também nos três poderes. Pode ser que essa Câmara tenha boas companhias, que permanecem na moita.

O preço de um Código de Ética sério

Em tempo: em relação à Câmara Municipal, falo de uma instituição a que pertenci por onze anos, e da qual fui excluído por uma liminar inacreditável, concedida por um desembargador ao suplente apadrinhado pelos “capos” que até hoje manobram a maioria fisiológica.

Na época – 2007 – escrevi bastante a respeito na TRIBUNA DA IMPRENSA. O suplente obteve a liminar quando ainda não havia jurisprudência sobre filiação partidária. Insatisfeito com a guinada para o fisiológico do PDT, eu havia saído desse partido, tanto quanto ele, que caiu fora por motivos bem diferentes.

O mesmo desembargador que me privou do mandato por ter deixado o PDT não tomou conhecimento de que o suplente havia feito o mesmo, e deu posse a ele. E me retirou da Câmara quando estava de novo filiado ao PDT, por considerar que o mandato era do partido. Tudo numa sequência inacreditável de desrespeito ao direito, às leis e à vontade popular.

Nos onze meses em que fiquei na Câmara, no quarto mandato, passei a enfrentar uma saraivada de pressões em todos os níveis. Os seus cabeças não me perdoavam pela luta que travei para aprovar um Código de Ética rigoroso e sumário, proposta que foi derrotada por 28 a 9, fato que teve muito repercussão e que serviu para mostrar o verdadeiro perfil da casa. Na ocasião, alguns jornais divulgaram os nomes dos vereadores que derrubaram o projeto do Código de Ética.

Desde então, embora tivéssemos derrubado a liminar no plenário do Órgão Especial do TJ, tal desembargador, na condição de relator, foi procrastinando o meu retorno, o que só aconteceu depois das eleições de 2008, que disputei em condições precárias. O suplente acabou executado sabe Deus por ordem de quem, tantas pessoas envolveu no seu golpe. Todo mundo sabia que ele era barra pesada, mas até hoje, dois anos e meses depois, seu caso permanece na prateleira dos casos sem solução, sabe Deus também por que.

Uma irresponsabilidade que queima os políticos

Com esse episódio dos carros de luxo, a Câmara do Rio de Janeiro expôs uma natureza irresponsável e a falta total de compromisso com a democracia.

Deu ferramentas aos que jogam na descrença total do povo em relação às suas instituições políticas e à vida pública, o que é por si uma perigosa atitude. A generalização da classe política como um exército de maus elementos leva a um equivocado afastamento, deixando terreno livre para que o exercício dos mandatos seja privativo de ladrões, corruptos e graneiros.

Por outro lado, episódios tão deploráveis como esse dos automóveis acabam caindo no esquecimento daqui a pouco, facilitando a reeleição desse magote de aproveitadores que têm vocação para tudo, menos para a vida pública. Que não estão nem aí para as causas da cidade e só tratam de se locupletarem enquanto tiverem uma cadeira numa casa legislativa ou participarem de outros órgãos da administração.

Mais do que nunca é preciso que cada cidadão assuma suas responsabilidades na escolha dos seus representantes.

12 comentários:

  1. Anônimo4:14 PM

    Troquem os VW-Jetta pelas "bichonas" da Polícia de Fortaleza (Toyota-Hillux), é mais seguro....

    Em todo o Brasil, esses "filhos-da-luta" recebem aumentos de 63% (dados por eles mesmos), enquanto nós, os TROUXAS, recebemos 6%.

    AO PAREDÃO, JÁ !!!

    ResponderExcluir
  2. Alexandre Maia11:02 PM

    Está mesmo na hora da imprensa olhar mais para as câmaras municipais e assembléias estaduais. Têm mais furo nessas casas do que no próprio Congresso Nacional.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo1:21 PM

    Os nossos 3 Poderes estão cada vez mais PODRES, em todos os níveis: Municipal, Estadual e Federal, com aval dos contribuintes-eleitores ignorantes em Política, aculturados, gananciosos e consequentemente TROUXAS.

    Os partidos políticos não têm ideologia; são agrupamentos usados para tirar vantagem de tudo.

    Em quem votar em 2012 ???

    ResponderExcluir
  4. Anônimo12:37 PM

    O "PODER" INEBRIA e CORROMPE !!!... em qualquer sociedade humana.

    Nossas "SOCIEDADES" estão baseadas na HIPOCRISIA.

    Enquanto os "HUMANOS" não controlarem suas emoções, principalmente a "GANÂNCIA", não haverá "EVOLUÇÃO".

    Ou não ???

    ResponderExcluir
  5. O BRasil precisa urgentemtne de uma revoluçao cultural.Somos indios de colonia tentando imitar a organizaçao estatal europeia..é claro que nao dá certo.Imagine o custo disso em se tratando de 5.000 prefeituras, Judiciário e Legislativo? E funciona? O pior é que agora com nossa atual e ridícula fase de BRASIL GRANDE , a decepçao vai ser ainda maior.Eu mesmo já me espanto quando vejo alguem morrendo na porta do hospital ,as escolas caindo aos pedaóes, policiais corruptos, crime organizado generalizado,pessoas sendo mortas por marginais..nós nao entramos no 1o. mundo de acordo com a propaganda Oficial?

    ResponderExcluir
  6. Anônimo1:02 PM

    Estamos muito mal !!!

    Se Lula, Dilma e "amigos" são PÉSSIMOS (70% ENTREGUISTAS); FHC, Serra, Aécio e "amigos" são MUITO PÉSSIMOS (100% ENTREGUISTAS)....

    Continuamos sem ter lideranças confiáveis, minimamente NACIONALISTAS.

    Em quem votar em 2012 ???????????

    ResponderExcluir
  7. Tenho defendido uma sugestão simples, até mesmo simplória, como vital medida para a reforma política que é a limitação de dois mandatos de um político nas casas legislativas (Congresso Nacional, Assembléias Legislativas e Câmaras Municipais).Vejam a matéria sob o título "A Necessária Moralização do Processo Político: Uma Sugestão SAneadora" no blog InfoBRASIL (www.infobrasil.spaceblog.com.br).

    Didymo Borges

    ResponderExcluir
  8. otimo blog, adorei o post, muito bom!

    ResponderExcluir
  9. adorei o blog, muito bom o post!
    sempre que der eu vou visitar!

    ResponderExcluir
  10. Assembléias Legislativas e Câmaras Municipais).Vejam a matéria sob o título "A Necessária Moralização do Processo Político: Uma Sugestão SAneadora" no blog InfoBRASIL parabéns e muito.Swing

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.