domingo, 1 de maio de 2011

Matança que revela a verdadeira natureza de uma agressão chancelada pela ONU a um país soberano

Morticínio que vitimou filho e netos de Kadhafi impõe uma reflexão honesta de todos os governos e cidadãos do mundo

"Devemos tirar de suas mãos o comando e o controle do país, e se ele for morto ou ferido devido a isso, tudo bem. Precisamos de uma estratégia para ajudar os rebeldes a serem bem sucedidos e derrubarem Kadhafi e quaisquer outros associados a ele".
Senador John McCain, candidato presidencial republicano nas últimas eleições nos EUA, que foi pessoalmente levar apoio aos insurretos de Benghazi.

Só não digo que o bombardeio à casa do presidente Muammar Kadhafi, no bairro residencial de Garghour, passou de todos os limites porque não há limites de espécie alguma na agressão à Líbia, “lavada” por um pusilânime Conselho de Segurança da ONU, com aquela máscara hipócrita de criação “de uma zona de exclusão aérea”.

Vocês me desculpem, mas o assassinato de um filho e três netos do líder líbio alvejou-me no mais profundo dos meus sentimentos de indignação. Queria ser mais jovem, como naqueles idos, e não me bastaria com o ato de escrever.

Essa monstruosidade que está sendo perpetrada com a chancela e a omissão de governos que jamais poderiam calar cristaliza, em alto relevo, a insegurança internacional, abrindo um perigoso precedente: qualquer país pode ser alvo da mesma trama, desde que os donos do mundo decidam apoderar-se de suas riquezas para superar suas insanáveis crises internas.

O mais revoltante é a cara de pau dos governos assassinos: mandam atirar sobre a residência do governante, matam crianças inocentes e ainda juram de pés juntos que não estão cometendo tais crimes. Que só querem atingir alvos militares, sem fazer vítimas.

Isso que aconteceu no sábado em Trípoli é de uma gravidade inimaginável. Para ajudar um grupelho que armou e abastece, grupelho que já teria sido derrotado se o conflito ficasse no âmbito do povo líbio, alguns governos ocidentais arrancaram da ONU uma imprudente decisão destinada oficialmente “a proteger” o que seria a população civil do país.

Com tal mandato, norte-americanos e seus aliados europeus, puxados pela França, despejaram milhares de mísseis e bombas sobre as cidades líbias, destruindo suas infra-estruturas e reduzindo ao mínimo as condições de habitabilidade em quase todas as regiões bombardeadas.

Os corpos do filho e dos netos de Kadhafi
foram reconhecidos pelo bispo católico de Trípoli

Conselho da ONU ou reage ou se desmoraliza

Não precisa ser especialista para constatar que a própria resolução foi escancaradamente violada. O que seria uma missão de proteção de civis, manobra solerte que eu já havia denunciado antes mesmo do início das agressões, tornou-se uma sequência de matança de cidadãos indefesos e de destruição de um país.
Mas é preciso ter dotes sobrenaturais para entender porque toda essa violência prossegue sem que o próprio Conselho de Segurança se reúna para avaliar a burla e para determinar a suspensão das agressões, consumadas em seu nome.

Maior dote é ainda necessário para entender porque certos governos, principalmente os que assinaram a resolução, optaram pela mais covarde omissão. Uma nação inteira está sendo destruída  em nome da ONU, e não se tem notícia de nenhuma movimentação diplomática para frear essa intervenção estrangeira, que desrespeita normas elementares da convivência e do direito internacionais.

Bombas  despejadas pela OTAN destruiram várias partes
 da casa de Kadhafi
Só alguém sem o menor escrúpulo, sem o mínimo de apreço pela verdade, seria capaz de reproduzir a versão de que os mísseis lançados sobre a própria casa de Kadhafi não tinham por objetivo EXECUTÁ-LO junto com sua família, num ato criminoso de desespero diante da fibra do povo líbio.

Porque os líbios lutam

A resistência aos bombardeios da “aliança” ocidental já deixou clara uma firme disposição de enfrentar a poderosa tecnologia bélica ocidental mesmo que tenha que recorrer ao arco e à flecha.

Esse povo não está defendendo apenas o seu petróleo, objeto do desejo insaciável dos agressores estrangeiros, cujos mercenários internos treinados pela CIA,  estão virtualmente encurralados.
Mais do que essa riqueza, muito mais, os líbios que resistem aos bombardeios estrangeiros querem garantir as conquistas sociais que o governo de Kadhafi lhes oferece, como o ensino público gratuito em todos os níveis, que incluem a concessão de bolsas total para que pelo menos 10% dos jovens em idade universitária estudem nas melhores faculdades da Europa e dos Estados Unidos.

Querem preservar, a custa da própria vida, os avanços sociais que colocam a Líbia à frente de países como o Brasil em índices de desenvolvimento humano, que retirou as massas do analfabetismo, - hoje 90% dos líbios estão livres dessa peste, exatamente o percentual de analfabetos que existia no país antes da queda da monarquia corrupta e da ascensão de Kadhafi.

Que têm um sistema de assistência social tão abrangente, em condições de socorrer com dignidade as populações carentes e até mesmo de atrair emigrantes de outros países: cerca de 1 milhão e meio de egípcios, além de outros milhares de africanos, estavam lá, provendo seu sustento em condições razoáveis.

Desde 2007, o maior sistema de irrigação do mundo

Você não sabe, porque essa mídia aí é por demais tendenciosa, mas os líbios têm razão de sobra para preferir o coronel nacionalista aos corruptos cooptados pela CIA e pelos serviços secretos da França e da Inglaterra.

Veja mais algumas:

Ao casar, o casal recebe do governo até o equivalente a US$ 50.000 para adquirir seus bens.

O Sistema público de saúde gratuito rivaliza com os europeus e usa equipamentos de última geração. Todos os segmentos são atendidos. No sábado, mísseis da OTAN alvejaram também a escola para crianças mantida pelo governo, através da Sociedade Líbia da Síndrome de Down, responsável pela preparação de crianças com até 6 anos para que possam frequentar as aulas regulares, dentro de um programa que é referência para a OMS.

Os empréstimos do banco estatal têm caráter social: não cobram juros.

Inaugurado em 2007, o maior sistema de irrigação do mundo, vem tornando o deserto (95% da Líbia), em fazendas produtoras de alimentos.

O governo líbio contratou com a empreiteira brasileira Queiroz Galvão a construção de 1 milhão de casas, no prazo de 10 anos, para uma população total de 6 milhões e meio de habitantes. Com os bombardeios, estão paralisadas essas obras e outras confiadas às empresas brasileiras Odebrecht, Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa, em projetos orçados em 3 bilhões de euros.

Da mesma forma, além de apoderar-se de um petróleo de alta qualidade e baixo custo – a extração sai por US$ 1,00 o barril – os responsáveis pelos bombardeios querem desmontar o modelo econômico líbio, soberano e desatrelado do dólar e do euro, graças às suas reservas em ouro. O Ocidente não admite que outros países da África se associem à Líbia na criação de uma moeda única e soberana, iniciativa que poderá vingar no futuro.

Bombardeio pode ter saído pela culatra

Pode-se dizer neste momento que o bombardeio saiu pela culatra. Há um clima de comoção e revolta na maior parte da Líbia, o que levou populares a invadirem sedes diplomáticas da Inglaterra e da Itália, enquanto as forças leais ao governo retomavam com maior empenho as ações para resgatar a cidade de Mistrata, a terceira maior do país, provocando a fuga de insurretos que estão buscando o socorro de organizações humanitárias internacionais.

Não há igualmente como mascarar com nenhum pretexto o caráter da intervenção estrangeira, que recorre à torpeza do pior terrorismo para derrubar o governante líbio e apoderar-se de suas riquezas petrolíferas com a ajuda de um grupo títere, que se concentra em Benghazi, sob proteção da aviação da OTAN.

O morticínio do filho e netos de Kadhafi deve deixar os governantes do mundo na maior saia justa. Se permanecerem omissos diante dessas atrocidades, estarão desmoralizando o que resta de credibilidade do sistema internacional e legitimando um “direito imperial” que ameaça a todos os povos.

Principalmente os que ousarem priorizar os interesses nacionais no contexto de uma economia em que alianças econômicas novas emergem, deixando as velhas potências isoladas e perdidas em suas próprias crises.

11 comentários:

  1. Maria Helena8:46 AM

    Pedro, você, como sempre, acerta na mosca. Eu fico muito indignada com essas invasões americanas endossadas pela ONU. A patuleia, como diz o Gaspari, fica se iludindo com o casamento da realeza inglesa enquanto os líbios estão sendo invadidos e massacrados num ato de extrema covardia. Realmente, estamos vivendo um período muito sinistro. A qualquer momento qualquer nação soberana pode se tornar alvo desses chacais.
    Seu artigo está brilhante. Muito elucidativo, mostrando fatos que desconhecíamos por completo. Parabéns! Você nunca me decepciona!
    (Compartilhei seu artigo no FB.)
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Anônimo10:34 AM

    É isso aí, mano !!!

    Vivemos em uma grande FARSA, mantida pela DITADURA MUNDIAL dos BANQUEIROS ANGLO(JUDÁICOS)AMERICANOS e seus satélites, que estão acima da divisão mundial em países.

    Esta DITADURA está FALIDA. O DÓLAR, a LIBRA e o EURO, não têm mais LASTRO. São apenas "papel pintado".

    O novo LASTRO destas moedas virá da conquista das riquezas que estão em outros países, principalmente o PETRÓLEO (poluente e finito) e as AGROENERGIAS (limpas e renováveis), por bem ou POR MAL.

    Assim, esta CÍNICA DITADURA, com a justificativa mentirosa de salvar a "DEMOCRACIA", já invadiu o IRAQUE, está invadindo a LÍBIA e invadirá o BRASIL.

    Quem derrubou as TORRES GÊMEAS, foi esta mesma CÍNICA DITADURA, para justificar reações violentas contra os "inimigos". O finado OZAMA BIN LADEN foi apenas um "BODE EXPIATÓRIO".

    Os presidentes dos USA são meros representantes, tipo "testa-de-ferro", desta CÍNICA DITADURA. Quem manda nos USA são os BANCOS PRIVADOS, que constituem o FEDERAL RESERVE - FED - o BANCO CENTRAL deles.

    Nossa "GRANDE MÍDIA" está financeiramente escravizada a esta CÍNICA DITADURA, fantasiada de democrática.

    Ou não ???

    ResponderExcluir
  3. O Porfírio de sempre, brilhante de sempre. Aos leitores fica a indignação e o apoio nessa luta sua, que é a de todos os povos realmente livres do mundo. Viva a vida.

    ResponderExcluir
  4. Fernanda Arruda1:14 PM

    Até parece que o bombardeio da casa do corononel Kadafi foi planhejado para acontecer simultaneamente com a execução do Bin Laden, tudo com objetivos políticos eleitorais e sem respeito ao princípio de que tem dse haver julgamento.

    ResponderExcluir
  5. Pedro, para esconder o infanticídio criaram um factóide. A falsa morte de Osama. Esse Obama é um negro de alma branca...

    ResponderExcluir
  6. Anônimo7:16 PM

    Como diz a turma, que manda neste mulatinho de alma branca:

    IN GO(L)D WE TRUST !!!

    Que ALÁ nos proteja destes ASSASSINOS DEMOCRÁTICOS Falsos Hipócriras e Cínicos (FHC).

    ResponderExcluir
  7. IVOVIUAUVA9:14 AM

    Já não sei mais o que é o melhor. Ditadura? Democracia? República?Misto quente ou frio socialismo? Monarquia? Anarquista? Adotei o sistema Latino Americano; AY GOBIERNO? SOY CONTRA.

    ResponderExcluir
  8. Anônimo10:18 AM

    "Deus" e o "Diabo" estão dentro de cada um de nós, por construção da "Mãe Natureza", e se manifestam através das sinapses cerebrais, que são "programas" implantados no nosso cérebro.

    É preciso aprender a controlar nossas emoções, para deixar de ser escravo delas.

    O melhor regime político é a DEMOCRACIA VERDADEIRA, e não, a atual Democracia MENTIROSA, tipo FHC - Falsa - Hipócrita - Cínica.

    Ou não ???

    ResponderExcluir
  9. Jileno10:15 PM

    Porfírio, esse bruto "mundo novo" unepolar, está sendo conduzido por um grupo sem nenhum escrúpulo onde tudo para eles é possível. A ONU é nesse momento apenas um retrato na parede, sem nenhum respeito e que apenas bate palmas para as maiores chacinas patrocinadas pelos países comandados pelos Cavaleiros do apocalípse comandados pelos EUA.
    Jileno

    ResponderExcluir
  10. Anônimo7:49 PM

    Como sempre muito lúcido os teus artigos e colocações. Esse negócio de terem matado o Bin Ladem, me cheira mais a fantasia eleitoreira do que verdadeira.
    Se realmente o mataram foi puramente por queima de arquivo. O milionário barbudo esquisitão sempre foi agente da CIA.
    Se de fato o mataram foi porque houve discordância de alguma coisa e ele ameaçou contar verdades, e não podia!
    O tempo passa e a verdade ultrapassa barreiras e aparece. Al Quaida não passa de um braço conveniente da CIA.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.