domingo, 8 de maio de 2011

A hora e a vez dos mais velhos

Estamos recorrendo ao video para uma conversa olho no olho, em que questionamos a omissão dos aposentados e idosos em geral, que são "punidos" por viverem mais.

E ASSISTA AO VÍDEO DE PEDRO PORFÍRIO


Voltamos a conversar “olho no olho” pelo YOU TUBE.  É o nosso ENCONTRO MARCADO COM PEDRO PORFÍRIO. Hoje, estou abordando o crescimento da população idosa no Brasil e as articulações para cortar ainda mais os benefícios da Previdência, incluindo o fim ou redução das pensões.
Tudo acontece porque os mais velhos, embora com mais tempo, não encontraram ainda o caminho da união, da troca de idéias e da mobilização em defesa dos seus direitos. 
Contribui muito para o imobilismo dos aposentados e pensionistas a alienação e a despolitização manipuladas pelo sistema. 
Parece claro que avançam em suas conquistas os segmentos mais mobilizados. Perdem terrenos os que se acomodam.
Fica, no vídeo, um apelo para que encontremos um ponto que nos reúna: afinal, nós, os idosos, somos uma força política em potencial.

6 comentários:

  1. Alexandre Monteiro2:10 PM

    Vi o vídeo no YOU TUBE e realmente acho que você tocou numa ferida. O aposentado não vota como aposentado. Perde uma grande oportunidade de fazer uma bancada respeitada, como dos evangélicos e dos ruralistas.

    ResponderExcluir
  2. IVOVIUAUVA6:15 PM

    Amigo Porfirio! Eu acho que temos que ir no âmago da questão; Se todos os Aposentado tem seus rendimentos cada vez mais próximo do mínimo, seriaz oportuno verificar a aposentadoria do LULLA, que se aposentou já fazem mais de 40 anos. Deve ter batido no mínimo. Conheço aposentado que recebendo inicialmente o equivalente a três sakários mínimos hoje estão recebendo R$ 563,00. Queremos ver se tal acontece com "certas pessoas"

    ResponderExcluir
  3. JORGE M. CURVELLO12:18 AM

    Querido Senhor Porfírio: - Acabo de ver seu vídeo e muito me toca seu interesse por nós, os idosos. Eu tenho setenta anos de idade, um jovem de setenta anos, forte ainda para gritar nos ouvidos dos usurpadores minha revolta ou meus direitos.
    Entendi e acatei seu recado, porém me pergunto de como fazer o que sugere em um país de tantos desinformados, semi-analfabetos e preguiçosos (acomodados). Sei que é preciso como sugeriu ou amanhã nem mais teremos o direito a envelhecer, talvez criem lei para eutanásia obrigatória depois da aposentadoria devido a tanta ganância e medo de perder fortuna e poder (e vale dizer que se isso vier a acontecer, eles, os criadores, criarão antes salvo conduto para eles, certamente e como tudo vem acontecendo, a exemplificar salário de aposentado e trabalhadores sempre julgados e de políticos não).
    Mas como dizia, acato e apoio, querendo incentivar a que seja criados imediatamente um quartel general e um general dentro dele comandando, algo que mobilize nem somente idosos, mas os mais jovens também que caminham para o nosso final.
    Sou aposentado da Varig e era assistido pelo Aérus, hoje somente recebo o benefício do INSS, três contra dez salários mínimos pelos quais descontei, e o complementar da previdência privada, o governo faz questão de empatar solução judicial como o senhor deve saber.
    Após aposentado me profissionalizei como ator, mas não consigo ou sou aproveitado a mais do que pequenas pontas em televisão porque estou velho. Também gosto e uso de escrever, tendo vários livros ficção, roteiros, textos para teatro e uma autobiografia, escritos, tudo arquivado sem utilidades porque não posso pagar para editar, não encontro quem se interesse, isso porque não tenho padrinhos. E isso é nosso Brasil.
    Ponho-me a seu dispor, agradeço pelo incentivo, e felicito pela obra.
    Sempre a seu lado
    Jorge M. Curvello.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo11:25 AM

    Vamos parar de blá,blá, blá e à luta.Para começar, estou agendando reunião para traçar linha de conduta.Dia 14 de maio, sábado,às 11 horas, na Praça Saenz Peña 33, grupo 302.Vamos ver se comparecem uns dez inconformados e dispostos...

    Oswaldo Duarte

    ResponderExcluir
  5. Anônimo11:44 AM

    Porfírio,

    Existe um partido político dos aposentados da Nação (PAN), mas pelo visto, não funciona, é só mais um Partido de Aluguel !!!???.

    É preciso unir a "classe" dos aposentados. Mas, COMO ???

    Precisamos pressionar os Deputados e Senadores, que dão a si próprios aumentos de 62% e para os aposentados só 6%. ISTO É UMA VERGONHA, É UM ROUBO, É UM CRIME !!!

    VAMOS À LUTA !!!

    ResponderExcluir
  6. Anônimo4:24 AM

    Pedro Porfírio Livre meu amigo
    Estou aqui meio afastada com uns probleminhas, mas esta repasso...este seu brado conclamando à união e à mobilização de aposentados e pensionistas estou sentindo, neste dia, como uma grande homenagem para mães, avós aposentadas como eu ou pensionistas. E também muito apropriado para os (as) hoje em atividade mas que um dia se aposentarão. O que você chama atenção, uma "nova" reforma da previdência já está sendo mesmo alinhavada pelos (as) mesmos (as) traidores (as)de 2003. Como tratam proventos de aposentadorias e pensões como rendas, para cobrar o Imposto de Renda, essa farsa que denominaram contribuição é, na verdade, uma bi-tributação de um imposto sobre o mesmo fato gerador, que é inconstitucional, ou seja, impedida pela Carta Magna e pelo Código Tributário Nacional. Mas como denominaram como "contribuição", o STF considerou constitucional. Nós aposentados (as) e pensionistas deveríamos coletivamente exigir deles, como você tão bem exemplifica, que destino estão dando aos milhões que arrecadam com essa "contribuição" de 11%, para não só extinguí-la mas pedir de volta o que indevidamente nos descontaram e continuam descontando. E enxurrada de emails para o Senador Paulo Paim/PT/RS, indagando que fim levou a PEC Paralela??? que ele, trazendo-a do Palácio do Planalto no bolso do colete, afirmando que tinha a palavra do Presidente que consertaria todas as injustiças e equivocos da PEC original que passou a ser conhecida como a PEC do Mensalão, e conseguiu convencer Senadores como Pedro Simon, Ramez Tebet e outros, que eram contrários à mesma. E a classe trabalhadora do regime geral e do setor público perdeu aquele NÃO que precisaria ter sido dado POR APENAS 6 VOTOS. Então é isso Pedro, temos mesmo de partir para mobilização, para a organização, nos preparando para o que está por vir, como dizem os espanhóis, que se tome las calles. Repasso ainda afirmando:
    APOSENTADOS E PENSIONISTAS DO BRASIL....UNI-VOS!

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.