quinta-feira, 5 de maio de 2011

E se a execução de Bin Laden for uma grande farsa?

Estados Unidos se serviram da sua imagem de super-terrorista para increntar suas guerras e inflar a indústria bélica
Obama acompanhou a execução de Osama em tempo real. A foto o mostra como figura secundária no ambiente do poder.
“Até agora, recebi três telefonemas de árabes certos de que os americanos só mataram um dublê de Bin Laden. E caberá à própria al-Qaeda esclarecer isso. Claro que, se estivermos errados e o morto for mesmo um dublê, em breve veremos surgir uma nova fita de ameaças do verdadeiro Bin Laden — e o presidente Barack Obama vai perder as próximas eleições”.
Robert Fisk, colunista do jornal “The Independent” de Londres.

A execução de Osama Bin Laden, o “terrorista”, ainda é uma hipótese. É tão provável como a suspeita de que Barack Obama, o presidente que teve de publicar sua certidão de nascimento para provar que é norte-americano, protagoniza uma grande farsa. Algo semelhante à montagem de 11 de setembro, sobre a qual há farta documentação mostrando o envolvimento do próprio governo dos EUA.

Pela variedade contraditória das versões conhecidas, têm razão os leitores do UOL, que fez uma enquete a respeito. Quando 19.864 pessoas já haviam se manifestado, 70,89% disseram não acreditar na morte de Bin Laden. Isso antes da Casa Branca se desmentir seguidamente sobre detalhes do episódio. E de Obama confirmar sua disposição de não divulgar as fotos da operação.

Mentiras causam desconfiança geral

A sequência novelizada dessa execução raia ao ridículo. Dizer que jogaram seu corpo ao mar para cumprir ritual muçulmano é de um primarismo grosseiro. Primeiro, porque a última coisa que se poderia esperar dos Estados Unidos seria esse tipo de preocupação religiosa depois de uma eliminação encomendada, que impede todo e qualquer esclarecimento. Depois porque, como disseram todos os conhecedores do islamismo, essa desculpa é uma grande balela.

Mais estranho, que soa como “queima de arquivo”, foi a ordem de execução sumária, violando todo o discurso jurídico do Ocidente. Osama estava desarmado e podia muito bem ser preso e levado a julgamento, como aconteceu com Sadan Hussein. Por que será que Obama abriu mão de tê-lo como um super-prisioneiro?

Uma farsa ensaiada pelos dois lados

Até fatos novos que me desmintam, fico com a possibilidade da farsa e vou mais além, com todo o risco que isso representa: foi uma “jogada ensaiada” com a participação de ambas as partes.

Osama Bin Laden, um dos homens mais ricos da Arábia Saudita, foi uma invenção da CIA, na década de 80 e a ela se manteve ligado até hoje. Sua última contribuição como aliado foi  o envolvimento na tentativa de derrubar Kadhafi, nas Líbia.

Vídeo sobre a verdadeira relação entre o milionário saudita e os presidentes dos Estados Unidos, narrado em espanhol, você poderá encontrar no meu próprio blog. No mesmo blog, ao pé desta matéria, há informações sobre como a CIA fez dele o seu principal homem no mundo muçulmano.

Uma ameaça aos EUA, por favor!

Se você se der ao trabalho de aprofundar o conhecimento da realidade norte-americana, verá que a queda da União Soviética e dos países da Europa socialista, bem como a guinada da China para uma economia de mercado, causaram profundos impactos estruturais na antiga potência.

Desde o início da “guerra fria” iniciada por Henry Truman, o complexo industrial-militar tem sido o eixo central da atividade produtiva americana. À falta da bipolaridade confrontal, da manipulação da “ameaça comunista”, os Estados Unidos entraram num vácuo sem solução a médio prazo. Esse trauma é mostrado com humor no filme Operação Canadá, dirigido por Michael Moore, o mesmo que assinou o documentário Fahrenheit 11 de Setembro, em que desmonstra o envolvimento do governo dos EUA no atentado.

Como nasceu o aliado

Os Estados Unidos tornaram-se aliados dos fundamentalistas islâmicos para derrubar o governo do Partido Democrático do Povo do Afeganistão, que assumiu em 1978 com uma proposta de reforma agrária, reconhecimento dos direitos trabalhistas e igualdade para as mulheres, ligando-se à vizinha União Soviética.

Os chefes religiosos e tribais não aceitaram essas idéias e mobilizaram homens com apoio financeiro da Arábia Saudita e Estados Unidos, levando o governo de Cabul  a pedir ajuda à União Soviética, que invadiu o país numa desastrada operação de guerra que pesou muito na sua própria dissolução.

Em 1986, o chefe da Central Intelligence Agency (CIA), William Casey, autorizou uma proposta de recrutamento mundial de fundamentalistas islâmicos para se juntarem à “Jihad” (Guerra Santa) no Afeganistão contra as tropas da União Soviética que tinham invadido o país.

Cem mil fanáticos islâmicos deslocaram-se então para o Paquistão, de onde eram enviados ao Afeganistão. Desses, 40 mil foram mobilizados para os combates e os restantes 60 mil frequentaram escolas corânicas para reforçarem as suas convicções e os seus conhecimentos religiosos.

Em 1988, orientado pela CIA, Bin Laden formalizou a criação da Al Qaeda (A rede) que passou a ser influente com a queda do governo progressista. Em 1992, o grupo deu o suporte para o Talibã, movimento que se enraizou entre os jovens da etnia pachtun (que se espalha entre o Afeganistão e o Paquistão) e este assumiu o poder em 1996, de onde só saiu em 2001, depois do 11 de setembro.

Um mito que servia a todos

Ao contrário do que maginavam os norte-americanos, o Al-Qaeda abriu frentes no mundo muçulmano (e fora dele) com estruturas autônomas. As informações sobre a verdadeira história do atentado às torres gêmeas provocaram um grande desgaste para Bin Laden, que  passou o comando do grupo a um coletivo e foi mantido vivo não apenas pela proteção da rede, mas também por decisões de Bill Clinton e George W. Bush, como mostra o vídeo que postei no meu blog.

Para os nacionalistas e/ou fundamentalistas islâmicos, a preservação do mito ajudava a fomentar sua expansão, embora ele pessoalmente tenha estado “fora de combate” há muitos anos, dedicando-se ao tratamento de saúde, com recurso à hemodiálise.

Para o complexo industrial-militar, a sua existência era um bom pretexto para os eleados gastos com a guerra no Afeganistão, onde os Estados Unidos têm hoje mais de 100 mil soldados. Essa guerra já custou mais de US$ 1 trilhão ao seu combalido tesouro: um relatório do Serviço de Pesquisa do Congresso americano revelou que só no ano fiscal de 2010 o governo Obama destinou US$ 330 bilhões a essa aventura, alimentada basicamente junto à opinião pública pela idéia que era lá que se refugiava o seu inimigo público número 1.

Guerras sob encomenda da indústria bélica

Conflitos como o do Afeganistão acabaram ajudando a consolidar, na última década, uma imponente indústria bélica que movimenta cifras extraordinárias, com a venda de armas, veículos, instrumentos e serviços.

Um documento divulgado em junho de 2010 pelo Instituto Internacional de Pesquisas para a Paz de Estocolmo (Sipri) revelou que só em 2009 os gastos militares em todo o planeta chegaram a aproximadamente US$ 1,531 trilhão de dólares, garantindo uma grande margem de lucro às empresas privadas do setor. O valor representa um aumento de 5,9% em comparação aos gastos de 2008, e um salto de 49% desde 2000.

Com a entrada dos Estados Unidos na guerra do Afeganistão, após os ataques de 11 de setembro de 2001, o setor militar do país voltou a ficar em evidência. “Há um foco maior no suporte às operações de guerra e à compra de equipamentos para forças terrestres”, afirmou Michael O’Hanlon, ex-analista do Congresso para assuntos orçamentários e pesquisador sobre estratégia militar da organização independente Brookings Institution, em matéria publicada pela revista VEJA, que diz ainda:

Parte imprescindível da política externa dos EUA, a indústria bélica é prioridade financeira do governo americano. Especialistas explicam que é comum ainda o intercâmbio de funções: quando militares de alta patente se aposentam, podem assumir um lugar nos conselhos de administração de empresas do setor bélico, e empresários desse ramo também stão no topo do poder político.

Tesouro não aguenta mais despesas

O’Hanlon nega, no entanto, que o governo lucre com os negócios. “As guerras são responsáveis por grande parte do nosso déficit, que gira em torno de um trilhão de dólares”, justifica.

O problema é que o governo norte-americano esgotou sua capacidade de financiar a indústria bélica e a população já se mostra contrária ao envolvimento dos EUA no Afeganistão, com sucessivas quedas nos índices favoráveis. As previsões do secretário do Tesouro, Timothy Geithner, é que até o próximo dia 16, o país vai estourar sua capacidade de endividamento, que é de US 14,3 trilhões.

Como o Congresso resiste à proposta de ampliar essa margem, Obama ordenou medidas excepcionais de emergência. Um freio nos gastos de guerra é inevitável. A “morte de Bin Laden” veio a calhar. E pode até ser que, com ela, o presidente, com mais 11 pontos na aprovação do seu governo e a sinalização de uma marcha-a-ré militar, ganhe fôlego para uma moratória interna. Isso é mais preponderante do que a melhoria de sua posição em relação à sucessão presidencial, que acontecerá somente daqui a 17 meses.

Por todas as razões acima, insisto em que todas as hipóteses sobre a estranha “execução” de Bin Laden são admissíveis.

Daí ser mais prudente esperar o seu desdobramento.

5 comentários:

  1. Realmente Porfírio suas suspeitas são verdadeiras.OBAMA MANDOU EXECUTAR Bin Ladem? NÃO ACREDITO... Bin Ladem está vivo e escondido pela própria CIA o aparente morto é fabricação da CIA. A finalidade da notícia foi para resgatar e elevar o prestígio de OBAMA para as próximas eleições nos EUA. E logo falaram que o povo iniciaria futuras teorias de conspiração... É CLARO e FÁCIL de entender, que é o próprio EUA quem CRIA ESSAS TEORIAS CONSPIRATÓRIAS! Leia:http://mudancaedivergencia.blogspot.com/2011/05/obama-os-eua-estourou-capacidade-de.html

    ResponderExcluir
  2. IVOVIUAUVA11:26 AM

    ASSIM COMO E DA MESMA FORMA QUE ACREDITAM QUE O HOMEM NÃO PISOU A LUA.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo1:01 PM

    Eles mata mesmo, mano!!!

    A turma do malemolente mulatinho (estilo Simonal), Barack "Darth Vader" Obama é phoda. O IMPÉRIO mata mesmo, mano !!!

    Eles mataram o J.F. Kenedy, que estava "mijando fora do penico do FED", implodiram as TORRES GÊMEAS e o WTC7, enforcaram o ex-amigo Sadam e agora, fuzilaram o também ex-amigo Osama, que estava aposentado, fazendo tricô no seu cafofo, junto com a nega Jurema....

    Eles é ESPERTO, mano, e NÓIS é TROUXA !!!

    Eles JÁ estão de olho no nosso PETRÓLEO e nas nossas AGROENERGIAS...

    Quem tem KÚ, tem MÊDO !!!

    Deixa a LUA prá lá, mano. O pobrema é aqui na TERRA !!!

    ResponderExcluir
  4. Pedro Antônio Fernandes1:14 PM

    Não entendi eese comentário sobre o homem na Lua. Naquela época, embora a televisão não tivesse os recursos de hoje, vimos tudo, ao vivo. Vimos filme, vídeo, fotos. Agora, esconder as fotos da ação é sinal de que boa coisa não aconteceu.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo12:23 PM

    O IMPÉRIO é mantido pela FARSA:

    1- O IMPÉRIO implodiu as TORRES GÊMEAS, com a ajuda dos aviões, e implodiu também, o edifício WTC7 de 55 andaders, sem ajuda de aviões, aproveitando a confusão; e, jogou a culpa nos muçulmanos, criando o INIMIGO necessário para justificar todas as suas invasões para manter o controle sobre o PETRÓLEO, em nome da "DEFESA DOS USA". Agora VALE-TUDO !!!

    2- O Barack "Darth Vader" Obama é funcionário leal do IMPÉRIO. Qualquer um, para ser eleito Presidente dos USA, tem que ser funcionário do IMPÉRIO. Se não for leal, é eliminado, vide JFK.

    3- Simplificando: a INGLATERRA é o "CÉREBRO" e os USA são os "MÚSCULOS" do IMPÉRIO.

    4- O IMPÉRIO está de olho na AMAZÔNIA, no PETRÓLEO e nas AGROENERGIAS do PATROPÍ, abençoado por Deus e bonito por natureza, mas, governado por ENTREGUISTAS.

    Ou não ???

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.