quarta-feira, 13 de abril de 2011

Porque a espetacularização e a manipulação inescrupulosa das tragédias não têm limites

Exclusividade garante o uso seletivo de gravações encontradas pela polícia no caso de Realengo

“Em seu sentido literal, Islã significa fazer a paz, Islã é a religião e o modo de vida da construção da paz. Fazer a paz, exatamente como o nome sugere, é o objetivo do Islã”.
Conselho Internacional para a Informação Islâmica.

Aconteceu o pior: ao invés da reflexão serena, profunda e abrangente; ao invés da autocrítica honesta, aconselhável e pertinente, as mercenárias penas tratam de tingir a tragédia da escola pública de Realengo com as cores berrantes da espetacularidade, insinuando até envolvimentos sem nexos, numa sequência de impropérios e leviandades irresponsáveis, como forma astuciosa de redirecionar e industrializar o crime, por si tormentoso.

Agindo como por encomenda, como se a soldo de interesses inconfessáveis, escribas de aluguel se deleitam numa torpe e pueril teoria da conspiração, a que se juntam vozes amargas dos porões da intolerância empedernida, espargindo veneno e ódio no organismo frágil de uma sociedade já afetada por uma disfunção cerebral monitorada por aparelhos.

Esses senhores dedicam-se a um jogo sujo de cartas viciadas, ao ponto de criminalizarem o Alcorão, a Bíblia do islamismo – uma religião com mais de um bilhão de adeptos - como se fosse um manual de terrorismo e violência. E sugere que o Islã seria uma fonte de inspiração mortífera, quando ao contrário, a própria tradução do termo significa “fazer a paz”, como define didaticamente o Conselho Internacional de Informação Islâmica.

O ato criminoso de Wellington Menezes de Oliveira já foi a erupção de um tumor numa sociedade infectada pela hipocrisia e a mistificação, como escrevi antes. Por seu caráter inusitado, pela inocência de suas vítimas na flor da idade, causou torpor e revolta, desencadeando uma sucessão de reações em cadeia, algumas em decorrência dos melhores sentimentos solidários, outras, porém, impulsionadas pelo exibicionismo compensatório e ou forjadas pela rede de intrigas e sensacionalismo, onde o escrúpulo é palavra proibida.

Pais e professores das escolas de todo o país – e além-fronteiras – se sentiram igualmente feridos pelas 60 balas disparadas na escola onde odiosas práticas comuns e toleradas levaram o filho adotivo de uma “testemunha de Jeová” a gestar uma personalidade macabra e megalomaníaca, tendo como ingredientes axiomas rígidos e hábitos irracionalizados, marcas de crentes tão fanáticos que se recusam à transfusão de sangue, para preservar a pureza dos seus corpos.
Só mesmo a ânsia de aparecer levou esse jovem a se pendurar numa cruz em frente a escola da tragédia
Diferenças entre evangélicos

Ao apontar a influência do fundamentalismo cristão no contexto desse ato insano e ao reclamar maior discrição na prática pastoral, quis chamar à responsabilidade os caçadores de rebanhos, que competem entre si para ampliar seus domínios, fazendo uso da massa angustiada para todos os fins, sejam econômicos ou políticos.

Os poderes excepcionais de que se acham dotados certos pastores e práticas fanatizadas atraem pessoas sem respostas para suas angústias. Essa atração leva milhares de jovens a uma busca fantasiosa, em meio à falta de perspectivas pessoais e a humilhações repetidas.  
Entre os evangélicos, porém,  há igrejas sérias, sobretudo as tradicionais, que se recusam à conquista de adeptos pela exibição da “graça”, essa encenação grotesca da cura a granel. Insisto em que o recato impõe os limites dos templos para o exercício dos cultos e não essa escandalosa utilização da televisão e do rádio em shows caricatos,  marcados pelo mais leviano charlatanismo.

Não há, portanto, aproveitamento capcioso com segundas intenções na constatação da influência produzida pela interpretação do óbvio.


Já em relação ao alegado “fascínio” do assassino pelo 11 de setembro dos seguidores do Al Qaeda, devidamente conectados com a CIA (como hoje demonstra farta documentação) ah, aí temos uma forçação de barra no pior estilo, sugerindo o dedo sempre ativo dos atuais usurpadores das terras árabes.

Exclusividade que manipula os fatos
Há toda uma clara manipulação com objetivos igualmente visíveis. Essa manipulação passa, mais uma vez, pelo enorme poder de exclusividade que a rede Globo tem sobre as investigações policiais, dispondo segundo seu interesse e na forma que lhe aprouver a divulgação “editada” do material descoberto.

Ficamos sabendo que a polícia achou três discos rígidos que o assassino teria tentado destruir – um deles ainda sem condição de leitura, nos quais a Globo, e somente ela, pinçou duas gravações feitas pelo assassino.

A partir daí, acumulam-se dúvidas: ele tinha três computadores? Seu computador tinha três hds? Por que destruiria a gravação em que tenta justificar sua monstruosidade? Por que a Globo publicou parte das gravações, exibindo apenas alguns trechos? O que há nos outros que não vem a público?

Mesmo em meio a tanta má fé, há uma percepção claríssima: fossem políticos os impulsos criminosos, o jovem assassino teria procurado alvos políticos, como nossas casas parlamentares e nossos governantes. Nesse caso, provavelmente, apareceria muita gente para justificar o eventual massacre que provocasse. Mas seu gesto, insito, foi de natureza existencial, procurando embasamento na leitura equivocada dos textos bíblicos, assimilados por sua mente já em estado de decomposição.

Os anátemas sobre os árabes e muçulmanos

Por interesse do sionismo, que hoje prepondera no complexo financeiro, político e midiático das grandes potências ocidentais, o povo brasileiro vem sofrendo sistematicamente descargas de informações cavilosas para criar uma imagem negativa da causa de libertação da palestina, do povo árabe e do islamismo.

Essas práticas insidiosas tentam encobrir o papel de cabeça de ponte que Israel joga na estratégia de estender-se do Eufrates ao Nilo para apoderar-se do petróleo e das riquezas naturais de todo o Oriente Médio, em parceria com as grandes empresas multinacionais.

Há bastante tempo, pintam como sob impulso religioso as ações destinadas a resgatar a dignidade do povo palestino, sob ocupação estrangeira há 61 anos, com a violação brutal dos seus direitos às suas terras e das próprias resoluções da ONU. Omitem deliberadamente que milhares de palestinos tiveram suas propriedades confiscadas e hoje vivem em condições subumanas, abaixo de todas as linhas de referência social, não lhes restando senão lutarem pela sobrevivência mínima a custa do sacrifício das próprias vidas. Tais práticas, sem prejuízo da fé religiosa, são de natureza essencialmente política.

Quanto à exploração de correntes religiosas do islamismo para fins bélicos, é bom que você saiba que foi a CIA quem “descobriu esse filão” ao armar e treinar os afegãos que se insurgiram contra a influência soviética em seu governo. Até os idos de 1987, Osama Bin Laden era um bilionário saudita de forte pendor anticomunista e hábitos exóticos. Foram os americanos que lhe puseram a primeira arma na mão.

Ligações fantasiosas e novos riscos

Nesse episódio trágico de Realengo os manipuladores contumazes viram a oportunidade de associar seu protagonista a “grupos extremistas islâmicos”, que não existem em hipótese alguma entre nós, brasileiros. E se existissem assim, ao alcance de um esquizofrênico, nossas forças de segurança estariam comendo mosca e passando recibo da mais comprometedora incompetência.

Para isso, os manipuladores contam com a vulnerabilidade da opinião pública. Pois se há carradas de exemplos terroristas em escolas eles estão nos Estados Unidos da América, onde pelo menos 41 jovens participaram nos últimos anos de 37 atentados em recintos juvenis. Num deles, no dia 16 de abril de 2007, Cho Seng-hui, de 23 anos, matou 32 pessoas e feriu outras 25 no Instituto Politécnico da Universidade de Virgínia, gravando antes um vídeo em que declarava: "morri como Jesus, para inspirar fracos e indefesos".

A falta de seriedade no trato midiático do episódio de Realengo, a sua espetacularização a níveis incomensuráveis e a tentativa de alguns políticos aparecerem com os salva-vidas da pátria sinalizam, infelizmente, para probabilidades de ações com o mesmo impulso macabro.

O canto do desarmamento e o umbigo da sociedade

Só mesmo um decrépito sem escrúpulos como o senhor Sarney seria capaz de tirar casquinha na dor alheia, oferecendo a cortina de fumaça do plebiscito inócuo para retomar o debate sobre a proibição da venda de armas, como se o assassino de Realengo não tivesse condição de comprar revólveres se tal providência estivesse em vigor.

É claro que essa suposta panacéia voltará à tona até porque a sociedade humana é capaz de tudo, menos de olhar para seu umbigo. Refiro-me aos seres de todo mundo, que escorregam no desvalor da vida, exasperando ambições e sonhos individuais, numa guerra interpessoal alimentada por elementos mesquinhos cada dia mais perversos.

A tragédia na Escola Pública de Realengo infelizmente não será considerada como um alerta sobre os descaminhos de um mundo impregnado de sentimentos menores, de desejos insaciáveis, de sonhos de consumo doentios.

É da índole dos senhores dos cérebros buscar tirar proveito das tragédias humanas, pois é nessa hora que a mentira cai como uma luva, incorporando-se mansamente ao imaginário coletivo.

Mesmo que amanhã seja oficialmente proclamada a óbvia inexistência de vínculos entre o gesto tresloucado do jovem evangélico e o Alcorão, a massa já está embriagada pela primeira versão, disseminada repetidas vezes pela mídia num contexto de permanente massacre midiático: os muçulmanos vão penar como bodes expiatórios, com gente torcendo para que padeçam sofrimento semelhante aos das famílias dos 12 meninos de Realengo. Manifestações de intolerância em relação a eles já estão acontecendo, como o diabo gosta.



Leia também no blog PODRES PODERES:
Submissão ao império latrogenocida
Artigo oportuno do professor Adriano Benayron com análise da visita de Obama ao Brasil, com seus desdobramentos desfarováveis ao país.

10 comentários:

  1. Eu vejo nessa tragédia de Realengo duas questões:
    1 - Diante do fato consumado, a grande mídia, com a Globo à frente, faz o estardalhaço aproveitando a comoção social, para empanar a realidade sócio-política do país. Boi de piranha, enquanto os poderes legislativo e executivo fazem a entrega da nossa riqueza e aprofunda as diferenças sociais.
    2 - O Jovem assassino tem a idade e o perfil de quem deveria ter frequentando os CIEPs, se a tentativa de Darcy Ribeiro e Leonel Brizola não tivesse sido destruída pelas classes dominantes, através dos governadores fantoches contrários a uma educação de tempo integral para salvar a juventude da rua e dos caminhos do crime.
    Esse jovem assassino, se tivesse passado sua infância e adolescência em um Centro daqueles, com alimentação, educação, lazer, acompanhamento psicológico e residência no educandário idealizado e destruído, teria aprendido a lidar com livros, computadores, pincéis, objetos de arte e de conhecimento. A destruição física de quase todos os 500 CIEPs e sua pedagogia deixou milhares de wellingtons espalhados por esse Rio de Janeiro, cada um agindo conforme seus impulsos e oportunidades.
    A mídia vai continuar a explorar essa tragédia enquanto não surgir outra de maior impacto. Pois é disto que ela se serve para manter o povo mergulhado no ópio, sem perceber as trapaças e trapalhadas da classe política a favor dos donos do grande capital, cada vez mais concentrado pelos financiadores de campanhas eleitorais.
    Franklin Ferreira Netto

    ResponderExcluir
  2. Fátima Maria Santos12:38 AM

    Concordo com o artigo e com o comentário do sar. Franklin Ferreira Neto. Sou mãe e sei muito bem a importância de uma escola de verdade na formação dos nossos adolescentes.

    ResponderExcluir
  3. José Netto7:22 AM

    Mais uma na mosca, meu prezado Porfírio. E desta vez você não nos poupou de LUCIDEZ, e muita.

    Não passa desapercebido aos que acordaram que há todo um programa de implantação de conflitos entre gays e não gays, aposentados e ativos, negros e não negros, e agora cristãos e muculmanos em pleno coração do Brasil. A grande mídia é podre. Vive de tragédia, se alimenta de carniça, é a mensageira do espetáculo disforme dos não artistas, dos que não sabem cantar nem dançar mas são escravos do desejo de serem famosos, e vivem de remexer a bunda para o delírio dos imbecis carentes de lazer e diversão, incapazes de olhar para sua própria deformação humana.

    Há muito a discussão deixou de ser pelo respeito que uns precisam ter pelos outros. Tudo agora se resume a provocação e depois, vitimização do provocador.

    Yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay.

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Marco Antônio Sabiá9:59 AM

    Ontem, ouvi o Boris Casoy reclamar da exclusividade que a polícia do Rio deu à tevê Globo nos primeiros vídios do assassino. Ele reclamou em causa própria, certo. Mas está cheio de razão. Como sempre, acho que esses privilégios são negociados, não acontecem por acaso. É uma pena que a polícia não tenha respeito por todos.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo12:45 PM

    Porfírio,

    Seu artigo está perfeito.

    O artigo do Benayon, também, está perfeito. O Barak "Darth Vader" Obama veio ao Brasil em campanha para sua reeleição.

    O lastro dos falidos DOLAR e EURO, está no PETRÓLEO (finito e poluente) e nas AGROENERGIAS (renováveis e limpas) do BRASIL.

    Vivemos em uma sociedade cujos valores precisam ser reavaliados.

    Uma sociedade só muda, se houver liberdade de expressão.

    A Ditadura Mídia*-Financeira** Mundial, com comando Anglo(judáico)Americano, precisa ser desmascarada totalmente.

    * Mídia = Meios de Comunicação = televisão, rádio, jornal, revista, internet, etc.

    **Financeira = Banqueiros Ingleses e Americanos de origem judáica e seus satélites pelo mundo.

    Minha esperança é que as populações da Inglaterra, dos USA e de Israel, percebam que elas também são enganadas por seus diabólicos governantes.

    ResponderExcluir
  6. Anônimo2:41 PM

    Excelente comentário, Sr. Porfírio!

    ResponderExcluir
  7. Anônimo2:42 PM

    Excelente comentário,Sr. Porfírio!
    Sandro Félix

    ResponderExcluir
  8. Anônimo6:36 PM

    Saindo um pouco deste assunto, mas não muito, espero que o FHC (Falso-Hipócrita-Cínico) seja julgado, condenado e fuzilado, pelos CRIMES de LESA-PÁTRIA, cometidos no seu governo super ENTREGUISTA.

    ResponderExcluir
  9. Anônimo6:36 PM

    Saindo um pouco deste assunto, mas não muito, espero que o FHC (Falso-Hipócrita-Cínico) seja julgado, condenado e fuzilado, pelos CRIMES de LESA-PÁTRIA, cometidos no seu governo super ENTREGUISTA.

    ResponderExcluir
  10. JORGE P.FRAGA10:38 PM

    A impresnsa brasileira fica assim como a boca do inferno a espera de tragedia.A imprensa brasileira não tem pátria,não tem religião e não tem família pois,ao achar uma notícia quer ser logo a primeira a
    nos infelicitar com suas tramas e dramatizações.Vejo que se precisa de um filtro nas informações.Se estas serão maléficas a nossa nação,a nossa familia,a nossa religião então não nos serve.Se não nos serve,por favor,aprendam a nos conquistar com boas iscas.
    É issuportável as apelações que estes apresentadores nos impoem apos os fatos lamentáveis.SERÁ QUE NÃO CONHECEM O COMPORTAMENTO DOS JAPONESES DIANTE DE FATOS TRÁGICOS
    MAS PENSO QUE O NOSSO FURTURO SERÁ REALMENTE LAMENTÁVEL.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.