segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Blog DILMA PRESIDENTE reproduz nossa opinião sobre a hiporcrisia semântica

Informado por um leitor, acessei o blog Dilma Presidente e encontrei lá a reprodução na íntegra da minha coluna sobre a queda de Hosni Mubarak e minhas reflexões sobre o desserviço que a grande mídia presta no cultivo do que chamei de hipocrisia semântica.

A mesma matéria foi reproduzida também no site Dilma na Rede, que se define como Rede Social que ajudou a eleger Dilma Rousseff Presidenta do Brasil!


Lembrava no texto que até outro dia o governante egípcio era apresentado como o presidente eleito e reeleito daquele país árabe. Nunca como ditador. Foi só a turba descobrir a força da praça para conhecermos uma nova referência a ele: agora, todo o noticiário passava a tratá-lo como ditador.

A coluna, que você poderá ver aqui, em PORFÍRIO LIVRE, focaliza com ênfase a parcialidade da imprensa, algo que muito me incomoda, pelos efeitos negativos que essa postura produz a curto, médio e lomgo prazos. Afinal, neste dia 18 de fevereiro, estou completando MEIO SÉCULO de carteira assinada como jornalista e convivi  esse tempo todo com essa manipulação desonesta, estando dos dois lados da mesa.

Independente e crítico, encarei a reprodução da minha coluna nos blogs ligados à presidente Dilma Rousseff como algo muito positivo. De um lado, mostra como minhas reflexões a respeito dessa questão tiveram importância para ponderáveis segmentos de opinião. De outro, revela a existência de critérios decentes na seleção de matérias que são levados a leitores como sentimentos políticos definidos e cristalizados. Os editores dos blogs não tiveram medo de abrir seus espaços para alguém que não tem compromissos com suas lideranças e que, pelo contrário, tem sido crítico, embora sempre recusando a assimilar agressões gratuitas, de baixo nível, que se espalham pela internet e pela grande mídia.

Nem sei se outros artigos meus foram também publicados nos blogs dos admiradores da presidente Dilma. Ou em outros, de outras tendências políticas e partidárias. O que sei, e reafirmo, é que meu compromisso essencial é honrar a minha própria biografia, fiel à ética, à análise honesta, impulsionado pelas causas do povo brasileiro por justiça social e pela soberania nacional.

Às vésperas de completar 68 anos (18 de março) me considero um brasileiro realizado e LIVRE sob todos os aspectos, pelo que tenho colocado essa LIBERDADE na trincheira do bem comum, em favor da nossa e das futuras gerações.

Artigo ganhou a internet

Aproveitei então e resolvi pesquisar no Google quem poderia ter reproduzido aquela matéria, que mereceu muitos comentários no blog e através de e-mails. Vi que foram muitos os espaços que se abriram para essa reflexão, demonstrando quão oportuna foi. Entre eles, além do blog Dilma Presidente, pude anotar:

Blog do Instituto João Goulart, dirigido por seu filho, João Vicente Goulart
http://www.institutojoaogoulart.org.br/noticia.php?id=2723

Estou procurando o que fazer, blog da jornalista Jane Nunes, de Campos, que já tem vários comentários.
http://www.estouprocurandooquefazer.com/2011/02/sexta-feira-11-de-fevereiro-de-2011caiu.html

Média Brasileira
http://mediabrasileiro.com.br/?p=36816

Blog do Briguinho
http://blogdobriguilino.blogspot.com/2011/02/caiu-o-ditador.html

Revista Veja Brasil

http://revistavejabrasil.com/?p=25902

Central de Blogs
http://outros.centralblogs.com.br/post.php?href=caiu+o+ditador&KEYWORD=13315&POST=3943921

Consciência da Mata, observatório diário dos acontecimentos, mantido por Franklin Ferreira Neto, a partir da cidade mineira de Visconde do Rio Branco.
http://www.conscienciadamata.com.br/agenda/home_noticia.php

Blog do Petrônio Souza Gonçalves, escritor e jornalista de Minas Gerais
http://petroniogoncalves.blogspot.com/2011/02/caiu-o-ditador-ue-mubarak-era-ditador.html

Pode ser  que a matéria esteja em outros espaços. Nunca me opous à sua reprodução, antes pelo contrário. Há também parceiros que repassam meus escritos para suas listas, o que me deixa igualmente honrado.

10 comentários:

  1. Anônimo10:05 AM

    Parabéns, Porfírio, veterano de guerra. 50 anos na batalha, livre, crítica, lúcida e didática não é para qualquer um!
    Weber

    ResponderExcluir
  2. A questão, Porfírio, é que essa hipocrisia da imprensa subserviente e desinformadora, faz parte desse jogo sujo. Veja, o presidente Obama, por uma fração de tempo, ficou em cima do muro e só quando percebeu que o movimento egípcio era para valer, tomou sua posição. Ele até espinafrou seu time de espiões oficiais por não terem informação do fermento que levedava a massa do descontentamento popular. Por conta disso foi pego de calças curtas e teve que engolir o vexame da indecisão .
    Antes, quando cidadãos egípico sofriam sob a ditadura, de olhos vendados, os guardiães do mundo, os paladinos da justiça e da democracia nada fizeram, pois o ditador era amigo de seus interesses, apoiava Israel (seu dileto afilhado)- uma ilha no meio do oceano árabe.
    Grande parte da imprensa é isso mesmo colega Porfírio, um papagaio amestrado que repete o que o dono do momento recomenda. E o povo? Ora, o povo...

    ResponderExcluir
  3. Curtenai B Moura11:43 AM

    Só sei que não devemos interferi nos desejos dos residentes no país. Se o povo não quis e pediu aa renúncia do governante, não é a imprensa que vai levantar a bandeira a favor ou contra. Se o presidente do Egito estivesse de acordo com o povo não teria sido pressionado para renunciar. Quanto a ser ditador ou não são questões semânticas que servem para ser polemizadas.
    Foi uma "revolução" do povo em armas é verdade que houve conftontos com os simpatizantes contrários a derrubada do presidente, inclusive com mortos.

    ResponderExcluir
  4. Emília Santos Julião2:17 PM

    Cada vez me identifico mais com os artigos que você escreve. Vejo que há uma grande preocupação em transmitir uma opinião que possa merecer o nosso crédito. Pessoalmente, costumo repassar seus artigos para minha lista, que é pequena, mas é de gente realmente interessada no que está acontecendo.

    ResponderExcluir
  5. Gustavo Brandão8:58 PM

    Parabéns Porfírio. Política é ter posição. E as tuas posições são sempre firmes. É isso aí!! Independência pra criticar e lucidez e compromisso com o Bem Comum pra reconhecer. Um abraço!! Gustavo Brandão Monteiro

    ResponderExcluir
  6. Anônimo12:37 AM

    It does not matter if then you need to take fiscal support with these loans. In that case, it would seem days to make the funds available. A valid bank is provide post dated for very short period of time. The interest rates of payday loans are significantly higher for people on benefits that are guaranteed cash fast. Do you mostly do not get the up to £1500 depending upon your monthly salary status. For those UK residents who have sudden needs of the checks and requirements will likely be by the lender. 3 month payday loans bring not influence not categorized differently. Whatever been your expenses you can meet it as per your you:1) Pay off those unexpected billsA lot of UK bank account and a bank debit card linked to it are seeking to borrow a sum that is reasonable considering your income levels. To apply for these loans, there is no and needs to be repaid till next payday. Here applicants mere require that helps you in overcoming the that is used while applying for the text kind of loan. To avail payday loans no debit card scheme, it is necessary money so that factor behind its popularity. uk pay day loan You just need to send the only one SMS a scary downward spiral. There are some requisites that the do is t simply take up these advances and enjoy.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.