quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Quando baixarias e incompetências se nutrem mutuamente no palanque da ignorância

“Fundado nos princípios da dignidade da pessoa humana e da paternidade responsável, o planejamento familiar é livre decisão do casal, competindo ao Estado propiciar recursos educacionais e científicos para o exercício desse direito, vedada qualquer forma coercitiva por parte de instituições oficiais ou privadas”. Constituição Federal, artigo 226, parágrafo 7º.

Como era de se esperar, neste país infestado de falsos malandros, mergulhado no lamaçal da mediocridade e exposto a um grande bordel de maus caráteres, o segundo turno das eleições de 2010 já começa mal, com as marcas e as apelações do que há de mais deplorável.
Os marqueteiros e assessores da campanha de Dilma Rousseff concluíram precipitadamente que ela não levou no primeiro turno devido à divulgação maciça na última semana de setembro de sua postura que considera o aborto questão de saúde pública, semelhante, sem tirar nem por, à do presidenciável José Serra, que teve a coragem de assinar algumas medidas nessa área: uma norma técnica de 1998 que regulava a autorização de aborto nos casos de perigo de vida e estupro, previstos no artigo 128 do Código Penal, de 1940, e outra, a portaria 48/99, através do secretário de Assistência à Saúde, que normatizava a realização de laqueaduras e vasectomias no SUS, com base na Lei 9263/96, e do artigo 226, da Constituição Federal.
Com tantos recursos aplicados no “marketing”, os assessores muito bem pagos da candidata não querem admitir a verdade incontestável: Dilma nunca chegou a ter os 51 pontos proclamados por esses institutos de pesquisas de duvidosa competência.
Baixaria e manipulação pesam pouco numa eleição presidencial
A divulgação de uma campanha de baixo nível tentando atingir a candidata do Lula não pesou em nada. Era muita baboseira junta, muita mentira, muita apelação. Coisa, aliás, que não é exclusividade dos seus adversários.
Panfletários primários existem em todas as hostes. Um certo missivista faz questão de associar Arruda ao nome de Serra. Cheguei a escrever-lhe sobre esse expediente baixo, que não tirou um único voto do tucano. Apenas revelou a pobreza retórica que permeia as atitudes dos que se servem abusivamente do panfleto destituído de argumentos consistentes.
Em relação à Dilma, recebi mais de uma vez um aviso para lá de idiota: se eleita, ela não teria como entrar nos Estados Unidos, por causa de seu passado na luta armada. Quem escreveu isso e quem repassa tende nos considerar um monte de idiotas desinformados.
No dia 21 de maio, Dilma falou em
NY aos empresários norte-americanos
Na véspera de lançar-se oficialmente, Dilma Rousseff, exatamente no dia 21 de maio, ela fez palestra em Nova York para empresários norte-americanos, durante a qual garantiu que o Banco Central continuará tendo total autonomia.
Ela também garantiu aos empresários norte-americanos, que a receberam com o melhor da sua gastronomia, que "manterá a
estabilidade macroeconômica por meio do controle da inflação com uma política de metas, do controle fiscal através da redução do endividamento, e com uma política cambial flexível".
Ou você prefere a indústria corruptora de abortos clandestinos?
Até prova em contrário, quem levou uma tremenda lavagem das urnas foi o discurso de direita, representado por políticos até então invencíveis, como o ex-vice-presidente Marco Maciel, em Pernambuco, e o tucano Tasso Jereissati, no Ceará. Outros ícones da velha guarda direitista e reacionária não sucumbiram porque foram socorridos por Lula. Só sua mão de ferro garantiu a vitória da filha do Sarney no Maranhão e a reeleição de Renan Calheiros, em Alagoas.
Sobre a questão do direito da mulher decidir, sobre a necessidade uma política de planejamento familiar, que abordei em meu livro SEM MEDO DE FALAR DO ABORTO E DA PATERNIDADE RESPONSÁVEL, creio que o pior para os dois candidatos é negar o que fizeram e que disseram, no contexto de uma visão madura sobre a irresponsável explosão demográfica.
Em primeiro lugar, é preciso deixar claro, sem medo, sem titubear, que a descriminalização do aborto não significa sequer a sua aprovação. Apenas confere a cada casal, a cada mulher em particular, a legalidade de uma prática que alimenta uma PERIGOSA INDÚSTRIA DE ABORTOS CLANDESTINOS, fonte de corrupção e causa de cerca de 10 mil mortes por ano de mulheres submetidas a essas práticas em verdadeiros açougues.
Ou você não sabe que aí na sua cidade se pratica o aborto em clinicas e até em mãos de leigos, a preços que variam de R$ 600,00 até R$ 5,000,00?
Quem se opõe a uma mudança de enfoque na questão, no fundo, está apenas fazendo o jogo de profissionais e pessoas inescrupulosas, responsáveis por mais de 1 milhão de abortos anuais, realizados sem nenhuma segurança, principalmente em relação às mulheres pobres. As estatísticas do SUS admitem que cerca de 500 mil mulheres procuram anualmente os hospitais públicos depois de abortos mal sucedidos.
Descriminalizar não é induzir. E, a bem da verdade, se houvesse uma política correta de paternidade responsável, com a devida orientação, coisa que pastores e padres primitivos boicotam, nenhuma mulher precisaria recorrer ao aborto.
Uma postura lúcida da CNBB denuncia a manipulação da fé
A defesa do planejamento familiar e da paternidade responsável não é bandeira exclusiva desse ou daquele partido. O mais legítimo dos direitistas, o capitão-deputado Jair Bolsonaro, mais uma vez reeleito no Rio, é um ferrenho defensor de políticas de controle demográfico. Pergunte a ele como isso aconteceria na sua concepção.
Felizmente, mais lúcida do que os assessores dos candidatos, foi a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, que divulgou uma nota oportuna neste dia 6 de outubro, através da sua Comissão de Justiça e Paz, na qual alerta, com todas as letras:
"A Comissão Brasileira Justiça e Paz (CBJP) está preocupada com o momento político na sua relação com a religião. Muitos grupos, em nome da fé cristã, têm criado dificuldades para o voto livre e consciente. Desconsideram a manifestação da presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil de 16 de setembro, "Na proximidade das eleições", quando reiterou a posição da 48ª Assembléia Geral da entidade, realizada neste ano em Brasília. Esses grupos continuaram, inclusive, usando o nome da CNBB, induzindo erroneamente os fiéis a acreditarem que ela tivesse imposto veto a candidatos nestas eleições.
Continua sendo instrumentalizada eleitoralmente a nota da presidência do Regional Sul 1 da CNBB, fato que consideramos lamentável, porque tem levado muitos católicos a se afastarem de nossas comunidades e paróquias.
Constrangem nossa consciência cidadã, como cristãos, atos, gestos e discursos que ferem a maturidade da democracia, desrespeitam o direito de livre decisão, confundindo os cristãos e comprometendo a comunhão eclesial.
Os eleitores têm o direito de optar pela candidatura à Presidência da República que sua consciência lhe indicar, como livre escolha, tendo como referencial valores éticos e os princípios da Doutrina Social da Igreja, como promoção e defesa da dignidade da pessoa humana, com a inclusão social de todos os cidadãos e cidadãs, principalmente dos empobrecidos”.
Voltarei ao assunto, esperando que você também não transforme sua paixão partidária ou sua rejeição num foco de baixarias e má fé. E não recorra ao jogo baixo para forçar a vitória do seu (ou sua) candidato.
Em tempo: se desejar, terei prazer de fazer chegar a você o meu livro SEM MEDO DE FALAR DO ABORTO E DA PATERNIDADE RESPONSÁVEL, de 2002.
Em tempo 2 – Eu ainda não escolhi meu presidenciável no segundo turno. Portanto, não me venha com ilações idiotas.

6 comentários:

  1. Anônimo3:16 PM

    O ser humano é, antes de tudo, um hipócrita.

    Quem tem dinheiro faz aborto, com segurança; quem não tem dinheiro, faz aborto em condições precárias, com morte de muitas mulheres, ou, não faz aborto e pari mais um infeliz neste mundo.

    O livro do Porfírio detalha, com perfeição, este assunto.

    O "MUNDO" não é BOM, nem MAU, é NEUTRO. Nossas atitudes é que fazem a VIDA, ser BOA, ou, MÁ.

    Vou "tampar o nariz" e votar na Dilma (70% Entreguista): Ruim com ela, mas, pior com o Serra (100% Entreguista).

    Prefiro fazer OPOSIÇÃO ao governo da Dilma, do que a um hipotético governo Serra.

    Votar NULO = BRANCO = INVÁLIDO = ABSTENÇÃO, pode ser um protesto, mas, também pode ser um voto, indireto, no Serra.

    ResponderExcluir
  2. Raciocínio a considerar no que tange a opção presidencial.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo6:02 PM

    Este problema de "aborto" é uma "masturbação mental".

    Enquanto MILHÕES de crianças morrem, diariamente neste Planeta, por problemas de desnutrição, por problemas de guerras urbanas e convencionais, por problemas causados pela ganância humana, estes pseudos religiosos, que criaram um "DEUS", para que este "DEUS" os criasse, ficam CALADOS, sentados sobre seus próprios rabos.

    ResponderExcluir
  4. Vc caro Pedro Porfírio pode votar em quem quiser, mas lembre-se muito bem que a tal senhora Dilma ajudou em muito a nos levar a bancarrota.
    ELA E SEU AMIGO GURU LULA LEVOU OS TRABALHADORES DA VARIG PARA A RUA DA MISÉRIA.
    Então saiba muito bem votar. Ou então anule o seu voto e não vote em nenhum dos dois. Na DILMA nunca.
    Abraços fraternos do amigo Paulo Resende.
    Eu não suporto FHC mas vou votar no Serra.
    Não posso votar, caro amigo, na Dilma porque ela me prejudicou e prejudicou a milhares de Trabalhadores da VARIG.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo11:52 AM

    O Pedro Porfírio há de me desculpar.
    Mas está procurando terminar uma vida pública tão respeitável da pior forma possível.
    Amarrado à direita que, no momento, de cardeal ratzinger e tudo mais, se mostra a mais sórdida possível.

    O Pedro, assim como o gabeira o bicudo e mais uma meia duzia amarinada, perdeu-se no caminho.

    Deixaram-se guiar pelo próprio ego apenas.
    Que pena.
    Pedro, se o Velho Brizola estivesse aqui e visse isso, ele morreria de novo rapidamente.

    O Brizola, meu grande mestre de sempre, jamais se perdeu no próprio ego.
    O ego do Brizola tinha um só nome: interesse público.

    Pedro, não seja doido de continuar assim.
    Há tempo ainda.
    Vote Dilma.
    E deixe de ser arrogante, meu senhor. Vocês tem uma mania incrível de achar que essa articulação de palavras que temos, significa necessariamente capacidade de apreender a realidade. Não siginifica. Pessoas que mal conseguem formar uma frase, às vezes, podem ser muito mais sábias que nós.

    ResponderExcluir
  6. Anônimo2:14 PM

    PEDRO,VOCÊ É BEM COVARDE MESMO.
    QUANDO ESCREVÍ QUE O LULA TEVE OITO ANOS PARA REESTATIZAR O QUE FHC PRIVATIZOU. VOCÊ TRANSFORMA-SE NUM CERSEADOR DA OPINIÃO DOS OUTROS. O QUE TECLEI TEM FORTE FUNDAMENTO E SOBRETUDO BEM EMBASADO. ACHO QUE VOCÊ NO FUNDO NO FUNDO ESTÁS COM A DILMA E NÃO ABRE. COMPANHEIRA DE LUTAS POR CAUSAS SEM PÉ NEM CABEÇA.
    EM UM PAÍS QUE O PRATO CULTURAL SÃO AS NOVELAS. ONDE MAMONAS ASSASSINAS, XUXA, RATINHO, TIRIRICA E MUITOS OUTROS DO MESMO NAIPE MANOBRAM A OPINIÃO PÚBLICA. NÃO É DE SE ESTRANHAR UMA DILMA E UM SERRA CHEGAREM A UMA FINAL PARA DISPUTAR A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA.
    A PROPAGANDA ELEITORAL DOS DOIS É MEDÍOCRE DE FAZER CHORAR DE TANTA POBREZA ESPIRITUAL E CULTURAL. O TÍTULO QUE USASTE NÊSTE SEU ARTIGO SE ENQUADRA BEM OU CAIU COMO UMA LUVA PARA OS DOIS POSTULANTES.
    O QUE DEVERIAM DEBATER DE CORPO E ALMA DEVERIA DE SER A DÍVIDA INTERNA E EXTERNA, QUE A CANDIDATA INSISTE EM VOCIFERAR QUE ESTÁ PAGA. DE TÃO BEM QUE O BRASIL ESTÁ O LULLA EMPRESTOU DINHEIRO AO FMI. QUE OS BANQUEROS NUNCA FORAM TÃO AJUDADOS COMO NÊSTE GOVERNO TIPO BARATA VOA. NÃO SE TOCA NO ESCÂNDALO NA MANIPULAÇÃO DOS JOGOS DE NÚMEROS DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. EM DOIS ACUMULADOS ARRECADARAM MAIS QUE 195 MILHÕES DE REAIS PARA FECHAR AS CONTAS DO SEGUNDO TURNO ( VERBA PARA PROPAGANDA POLÍTICA ).NO PENÚLTIMO ACUMULADO NADA MAIS NADA MENOS TREZE PETRALHAS OU LARANJAS GANHARAM A MEGA SENA. FATO INÉDITO NO MUNDO POIS MATEMÁTICAMENTE É IMPOSSÍVEL DE ACONTECER. SE UM JÁ É DIFICÍLIMO IMAGINE 13. NOS EUA UMA MEGA SENA DEMORA AS VEZES QUASE UMA ANO PARA SAIR. AQUI SE BOBEAR SAI QUASE TODA A SEMANA. SÓ NÃO VÊ QUE É MANIPULAÇÃO QUEM NÃO QUER. FOI A GTECH QUE DEIXOU ÊSTE TRISTE LEGADO PARA OS APOSTADORES DO BRASIL. TODOS ACREDITAM EM PAPAI NOEL, DUENDES, MULA SEM CABEÇA, COELHO DA PÁSCOA E ETC.
    INTERESSANTE VOCÊ NÃO TOCA NÊSTES ASSUNTOS. PORQUE SERÁ?

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.