quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Declaração de voto

Tenho recebido indicações de votos e telefonemas de pessoas, interessadas em saber das minhas escolhas para estas eleições. Com a responsabilidade de quem exerceu mandatos em quatro legislaturas, de quem tem uma biografia de que podem se orgulhar os filhos e amigos, faço aqui a minha declaração de voto, sem nenhuma pretensão de proselitismo.
É uma escolha suprapartidária que parte de um princípio; esses candidatos serão úteis ao processo democrático e nem sempre comungo de todas as suas idéias. Reconheço, sim, o valor de cada um.

Veja a minha chapa:


Presidente: Plínio de Arruda Sampaio, 50, do Psol.
É uma homenagem a uma das figuras mais admiráveis de nossa história. Um homem de bem, que começou sua carreira ao lado do governador Carvalho Pinto, elegendo-se deputado federal, em 1962 pelo Partido Democrata Cristão, integrando a sua ala progressista, ao lado de Paulo de Tarso e de Franco Montoro. Foi cassado na primeira lista do golpe de 64. Hoje preside a Associação Brasileira de Reforma Agrária.

Governador: Fernando Gabeira, 43, PV.
Foi o primeiro voto que defini. É uma pena que tenha conduzido mal sua campanha, em meio à confusão da coligação que o apóia. Faltou ir fundo nos problemas de um Estado administrado em favor dos piores interesses econômicos. Mas ainda tem muito o que contribuir pela sua reconhecida integridade, por sua história e por sua sensibilidade.

Senadores: Cesar Maia (251 – DEM) e Lindberg Farias (131, PT).

Pode ser uma escolha contraditória (por coincidência é a mesma de Caetano Veloso). No entanto, considero que os dois poderão dar ao Senado o brilho de suas inquietações.
 Cesar, de quem divirjo e com quem tive confrontos quando vereador no Rio (ele prefeito) é uma das maiores culturas políticas que conheço, alguém que tem tudo para melhorar o nível do Senado. No contexto da vitória iminente de Dilma, sua presença lá será valiosa para o estabelecimento do contraditório de alto nível.

Lindberg será um senador aguerrido, com idéias e luz próprias. Desde a militância estudantil, revelou-se um inconformista. Ele será uma voz com quem poderão contar os segmentos perseguidos. Tenho certeza de que sua natureza independente prevalecerá na hora das grandes decisões.



Deputado Federal:  Otávio Leite (4555 – PSDB).

Conheço-o desde a sua atuação na juventude do PDT. É ético e leal. Tem uma grande vocação para o legislativo, tendo sido o primeiro parlamentar a encarar com seriedade e competência a luta silenciosa dos portadores de deficiência. Continua fiel às suas raízes nacionalistas.

Deputado Estadual: Luiz Paulo Corrêa da Rocha (45678, PSDB)

Quando estudante de engenharia, estava ao lado da resistência à ditadura. Na Prefeitura do Rio de Janeiro, foi um secretário de Obras de conduta corretíssima. Deputado por dois mandatos, forma ao lado de Marcelo Freixo, do PSOL, e Paulo Ramos, do PDT, uma espécie de trio quixotesco, na defesa clara da ética e das causas justas. É hoje o corregedor da Assembléia, responsável, ele sim, pelo esforço quase solitário de dar combate aos colegas corruptos.

Como disse antes, essa é a minha chapa. A circunstância me permitiu elaborá-la com total independência. Isso me dá autoridade para levá-la à sua consideração.

13 comentários:

  1. Prezado Porfirio, bom dia!!
    Fico feliz que tenhas resolvido o problema e que tenhas retornado a mais esse campo de batalha.
    Estive olhando a sua lista e permita-me comentar uma indicação.
    Moro em Nova Iguaçu onde Lindmberg foi Prefeito por aprox. 6 anos, sendo assim posso dizer tranquilamente que não votei, não voto e acho pouquíssmo provável no futuro votar nesse cidadão. Sei muito bem o que é educação, saúde e segurança na área que moro.Educação porque tenho sobrinhos e filhos de amigos em idade escolar, saúde porque os meus parentes e muitos amigos infelismente dependem do atendimento médico público e segurança nem preciso citar.Ele se orgulha e gaba de ter sido reeleito com 65% , mas não cita que o concorrente era uma alternativa pior.
    Bem, acredito ser o suficiente
    Maroildo Oliveira-Ex-Variguiano

    ResponderExcluir
  2. Grata Pedro Porfírio... por indicar ao povo brasileiro mediante sua experiência, os melhores candidatos espalhados pelo nosso querido Brasil.

    http://protogenescontraacorrupcao.ning.com/profiles/blogs/candidatos-que-merecem-nossos

    Marilda Oliveira
    São Paulo - SP

    ResponderExcluir
  3. Anônimo12:48 AM

    Até que são razoáveis, mas o tal lindinho garoto zona sul para o senado? Me desculpe, mas eu quero um senador que tenha compromisso com o RJ e que entre uma lei que traga investimentos para nosso estado e outra que os tire daqui e mande-os para a Paraíba, se junte com a senatória nordestina e nos deixe a ver navios como ele com certeza fará, eu não quero. É só ver o caso dos royaltes do petróleo. Aí, eu sou mais o Cesar e o Temer, ou mesmo o lutador Marcelo Cerqueira. Aliás, o cara usa o mote do impeachiment do Collor para iludir jovens trouxas, mas não diz que em Alagoas o rei da mentira deslava e sua ventríloqua estão aos abraços e beijinhos com o ex-presidente apeado do poder sem provas de nada que os petralhas , banqueiros e enganados o acusavam. Lembre-se o real só existe porque Collor teve peito de fechar para balanço.

    ResponderExcluir
  4. Salvador de Farias9:52 PM

    Posso entender que alguém vote no César Maia como estratégia para promover o Mal menor.

    Mas exaltar esse sujeito.. Pera lá!

    O César Maia é um debochado, um cínico. Está cheio de histórias mal-explicadas em torno de si, como esse elefante branco que deixou no Rio, chamado de Cidade da Música.

    Vai ser sem-vergonha assim lá em Paris, onde gosta de passar os fins-de-semana.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.