sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Uma critica necessária à Nota do Clube Militar

A César o que é de César - Governo Lula apenas dá prosseguimento ao Sistema de Corrupção CRIADO e IMPLANTADO pelo Governo Fernando Henrique Cardoso
LEILA BRITO

DE BELO HORIZONTE
O gen Ex Gilberto Barbosa de Figueiredo, ao escrever a Nota do Clube Militar (postada por mim neste blog via divulgação de Pedro Porfírio), cometeu uma injustiça com o Governo Lula: deixou de mencionar e reconhecer que o Governo FHC é o RESPONSÁVEL DIRETO pela corrupção que DESMORALIZOU, de forma irremediável, os Três Poderes da República brasileira.
Foi o Governo FHC o que mais roubou (e continua roubando) o Brasil, pois foi o que criou, implantou e implementou, no Governo Federal, a Máfia comandanda por Daniel Dantas e Gilmar Mendes (FHC gerou e amamentou esses dois gangsters). FHC implantou o sistema de robalheira generalizada que o Lula HERDOU obrigatoriamente, pois só assumiu o PODER, depois de assinar um acordo DITADO PELA ELITE SIONISTA INTERNACIONAL QUE COMANDA ESTE PAÍS, comprometendo-se a manter o sistema (esquema) criminoso.
Portanto, a Nota do Clube Militar acerta na questão da política assistencialista nefasta praticada pelo Governo Lula, que levará o país ao CAOS, mas ERRA na OMISSÃO dos crimes cometidos por FHC e SUA MÁFIA que, nos 8 anos de seu governo e nos 8 anos do Governo Lula, VEM ROUBANDO SISTEMATICAMENTE O POVO BRASILEIRO.Há que se fazer justiça, pois, DENUNCIANDO O GOVERNO FHC como o MAIOR LADRÃO DO BRASIL (FHC simplesmente quadriplicou a dívida externa, e para não ser punido por este crime contra o Estado, criou uma MP antes de deixar o governo, para se livrar de processo por Improbidade Administrativa). Em países sérios, ele responderia a processo e seria preso assim que deixasse o governo.
O relevante e precioso serviço que as operações da PF Chacal e Satiagraha, no comando do competente e ínclito Delegado Protógenes Queiroz, prestou ao país, foi INVESTIGAR E DENUNCIAR OS CRIMES DO GOVERNO FHC. Ou seja, essa corrupção mafiosa que está arruinando o Brasil, vem de antes do Governo Lula. OMITIR ISTO É FALTAR COM A VER-DA-DE.
O que não pode, pois, é o Clube Militar, em sua crítica, PROTEGER a Elite Sionista Nacional que, usando a Grande Mídia de sua propriedade (ênfase para as Organizações Globo e o poder de fogo dos Marinhos), através de manipulações espúrias, vem minando as instituições públicas do Brasil, e roubando o dinheiro do seu povo, as empresas do seu povo (como a Vale e a Petrobras), as riquezas minerais do seu povo e a SOBERANIA DO SEU POVO.
PORTANTO, "a César o que é de César" - FERNANDO HENRIQUE CARDOSO É O MAIOR CORRUPTO DESTE PAÍS - O LÍDER DA GRANDE MÁFIA COMANDADA POR DANIEL DANTAS - Lula e seus asseclas são apenas seus fiéis escudeiros e cúmplices.
letraporletra@hotmail.com
Corrupção desde o regime militar
Comentário de José Luiz postado no Blog do Protógenes, onde este artigo de LEILA BRITO foi originalmente publicado.
"Necessário voltarmos um pouco mais no tempo. A corrupção no Brasil institucionalizou-se com o Regime Militar. Quem tem mais de quarenta anos deve lembrar do Projeto Jari, das aquisições da Westinghouse para a Usina de Angra, do Aeroporto de Cumbica, da Transamazonica, do Projeto Radam, do Projeto AMX, da incomensuravel farra dos Projetos Sudene e Sudam que enriqueceu não só Sarney, como os Magalhães, os Maia, os Barbalho, os Correa, os Odebrecht e outros mais. Época em que Delfim Netto buscava dinheiro no exterior à custa de "spreads" proibitivos somente para financiar o regabofe das empreiteiras. Até 10 anos atrás era comum viajar pelo interior do Brasil e encontrar esqueletos de industrias que funcionaram somente no dia da sua inauguração. Destilarias eram construídas onde nunca foi possível plantar cana e fábricas de papel onde não havia madeira. No âmbito dos Estados, com a anuência do BC, os Bancos estatais eram os fomentadores da corrupção local. Portanto, muito antes de FHC, de quem não tiro o mérito de ter sido o Governo mais corrupto da história, os americanos já declaravam que a corrupção no Brasil era endemica, provocando a ira de Antonio Carlos Magalhães, que, como ministro das comunicações, intermediou a venda da NEC para as Organizações Globo, além de ter distribuído centenas de concessões de rádio e TV para seus aliados políticos. Deveriam estes "militares de pijama" enfiar o rabo no meio das pernas e agradecer por, até hoje, não ter aparecido um Governo com coragem suficiente para investigar seus malfeitos. Mas chegará o tempo em que contas na Suíça, Jersey, Cayman, etc deixarão de ter números e passarão a ter nomes. Aí sim conheceremos a verdadeira face daqueles que hoje, com a ajuda da mídia corrupta, se proclamam "arautos da ética" e, também, teremos a verdadeira medida da corrupção neste País que, não tenho nenhuma dúvida, subtrai de um a dois pontos de nosso PIB todos os anos".
Escândalos políticos desde a Década de 70
Um pesquisador arguto teve reuniu uma penca de escâdalos políticos desde os anos 70 e postou na WIKIPÉDIA. Embora sendo é uma lista precária, ela já dá uma idéia dos antecedentes. A relação envolve também alguns atos de repercussão praticados pelos órgãos de repressão. CLIQUE AQUI E VEJA A LISTA. Os casos ocorridos na ditadura nem sempre chegaamà luz. Mas foram muito mais graves do que os de hoje, que pelo menos são expostos à opinião pública.
No inquérito do MR-8 há depoimentos comprovados de que Jorge Medeiros Valle, ex-gerente do Banco do Brasil que ajudou a luta armada com o desvio de dinheiro de sua agência, foi "laranja" da "primeira dama" Yolanda Costa e Silva, que teria recebido $ 700 mil numa "concorrência" para instalação de equipamentos telefômicos em Brasilia. Nos meios de fornecedores do governo há uma crônica de que os militares de então elevaram de 3 para 10% os percentuais das propinas. Isso, no entanto, não dá direito aos atuais detentores do poder, que sempre se escudaram no discurso ético de considerarem a assimilação da corrupção e a impunidade como condição para a governabilidade. (Pedro Porfírio)

4 comentários:

  1. Pedro!

    Mas é chover no molhado.
    Onde está o problema? a meu ver é no sistema, é no capitalismo.
    Por este caminho não há solução. A luta é outra.
    Abraço.
    Tita

    ResponderExcluir
  2. Uma charge, do Angeli:
    http://img199.imageshack.us/img199/7586/assimcaminhaahumanidade.jpg

    ResponderExcluir
  3. Anônimo6:53 PM

    Engraçado... O Lula obteve - E ESTÁ OBTENDO - índices históricos na melhora de vida do povo brasileiro e ainda vcs dizem que NADA mudou??? Que ele se ACOVARDOU diante do gilmar dantas (segundo o ricardo noblat), isso é INEGÁVEL, mas daí colocá-lo no MESMO balaio de gatos do Thc (o ex-pseudo-presidente que foi e É uma droga), já vai uma GRANDE distância.

    Falei...

    ResponderExcluir
  4. Anônimo10:07 PM

    P/o Anônimo acima:

    És um inocente útil !!! Não entendes nada de política e s/respectivos meandros. VOCÊ É UM ELEMENTO QUE FAZ PARTE DA MASSA DE MANOBRA !!!

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.