segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Cristóvan vence pela segunda vez e mostra que é um presidenciável viável. Gal Heleno surpreende


Com um total de 186 votos postados, Cristóvan Buarque (PDT) viu confirmada a preferência dos leitores do blog PORFIRIO LIVRE, ao final da apuração, obtendo 63 indicações (33%) na pesquisa em que José Serra aparece como candidato do PSDB e 63 (36%) na pesquisa em que o nome tucano é o de Aécio Neves. Na primeira pesquisa, sem Ciro, Aécio e sem o general Heleno, Cristóvan havia vencido com 23% dos votos, seguido por Dilma Rousseff (PT), com 20%.
Mas a grande novidade é a votação dada ao general Heleno, que sequer tem filiação partidária. Ele ficou em segundo lugar com 34 indicações (18%) no primeiro cenário e 30 (17%), no segundo. No primeiro caso, o terceiro colocado foi José Serra (PSDB), com 23 indicações (12%), portanto 11 a menos. Já no segundo cenário, o general Heleno teve 30 indicações (17%) o dobro dos terceiros colocados – Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (PV), que tiveram 15 votos (8%).
Em nenhum momento, dissemos que a pesquisa do nosso blog reflete o contexto geral, como achamos que as pesquisas dos institutos especializados precisam ser recebidas com reservas, considerando o tempo que separa do dia da votação, em outubro de 2010, e quem as encomenda, geralmente confederações empresariais.
Mas dá para refletir sobre a consistência do desempenho do senador Cristóvan Buarque, hoje muito melhor posicionado do que em 2006, e sobre o fenômeno personalizado pelo ex-comandante da Amazônia, que se tornou uma referência para uma área de opinião, não necessariamente de militares.
A viabilidade de Cristóvan
A militância do PDT quer e precisa de um candidato próprio, com o mínimo de viabilidade, a Presidência da República. Do contrário, se o partido ficar atrelado ao PT, como parece ser intenção do ministro Carlos Lupi, perderá as poucas oportunidades que têm de fazer governadores e aumentar sua bancada federal, hoje de apenas 23 deputados e 5 senadores. Se o PDT quiser Cristóvan como uma candidatura viável, terá que lançar sua pré-candidatura imediatamente, como ele sugeriu, e ir se afastando dos governos que terão outros candidatos, inclusive de Lula.
Por conta da falta de coerência patrocinada pela direção nacional, o PDT tem as mais diversas posições em cada Estado e está sempre próximo dos palácios locais. Se tem um ministro com Lula, tem secretários nos governos de Aécio Neves, em Minas, e José Serra, em São Paulo. Massacrado pela oligarquia de Sarney no Maranhão, inverte sua posição no Amapá, onde seu único governador e aliado do questionado presidente do Senado.
No Paraná, onde o senador pedetista Osmar Dias é o favorito, sua coligação inclui o DEM e, possivelmente, o próprio PSDB. Em Alagoas, de Renan e Collor, dois senadores da tropa de choque de Lula, o ex-governador Ronaldo Lessa vai ter que lutar muito para não ser massacrado.
No Rio Grande do Sul, onde o PT já lançou Tarso Genro, o partido de Brizola elegeu o vice na Prefeitura de Porto Alegre, encabeçada pelo peemedebista José Fogaça, e chegou a participar do governo da tucana Yeda Crusius Na Bahia, por intervenção do presidente licenciado, abandonou a aliança com o prefeito de Salvador, do PMDB, e foi juntar-se ao governador Jacques Wagner, do PT, ganhando secretarias e a promessa de um nome na composição majoritária de 2010.
Os votos dados ao general
Na análise dessa pesquisa, é importante considerar os votos no general Heleno. Seu desempenho reflete o resgate do prestígio dos militares, na proporção inversa do desgaste dos políticos. Em setembro de 2007, a Associação dos Magistrados do Brasil divulgou uma pesquisa realizada por telefone junto a 2011 brasileiros em que a Policia Federal (75,5%) e as Forças Armadas (74,7%) apareceram como as instituições mais confiáveis do país. Os políticos estavam em último lugar, com 11%, sendo que a Câmara Federal tinha 12,5% e o Senado, 14,6%.
Entre os leitores que encaminharam opinião, alguns disseram que viam o general como um candidato nacionalista e à prova de corrupção. Um, de Barra do Pirai, RJ, chegou a opinar pela dobradinha Crsitóvan-General Heleno.
Os outros candidatos
Também surpreende a cotação de Ciro Gomes, ausente na primeira consulta, que teve apenas 2% nos dois cenários. Desta vez, José Serra derrotou Dilma Rousseff, com 12% contra 6% da candidata petista. Aécio Neves também teve mais indicações do que ela no segundo cenário: 8% contra 5%.
José Serra cresceu em relalção à primeira pesquisa e so ficou atrás de Cristóvan e do general Heleno. Marina Silva e Heloisa Helena ficaram praticamente empatadas, com percentuais superiores ao de Dilma, mas inferiores ao de José Serra. Pelo que se viu no encontro nacional do PSOL, a atual vereadora por Maceió prefere disputar o Senado por seu Estado. Já Marina, que foi ministra de Lula por 6 anos, começa a ser questionada. Ela só renunciou ao Ministério do Meio Ambiente depois que o presidente entregou a gerência de um projeto para a Amazônia ao ex-ministro Mangabeira Unger.
Nas outras duas pesquisas, 72% dos leitores consideram o Senado desnecessário e se posicionam a favor de um parlamento unicameral, enquanto 66% se manifestam contra o direito de Lula pleitear um terceiro mandato. (Confira as tabelas em http://www.porfiriolivre.com/)
Veja os resultados:

Cenário 1 (com José Serra como candidato do PSDB):
VOTOS TOTAIS 186 %

Cristóvan Buarque (PDT) 63 (33%)
General Heleno (sem partido) 34 (18%)
José Serra (PSDB) 23 (12%)
Marina Silva (PV) 18 (9%)
Heloísa Helena (PSOL) 17 (9%)
Dilma Rousseff (PT) 13 (6%)
Ciro Gomes (PSB) 4 (2%)
Não tenho candidato hoje 7 (3%)
Não votará em ninguém 6 (3%)
Outro 1 (0%)

Cenário 2 (Com Aécio Neves pelo PSDB)

VOTOS TOTAIS 168 %
Cristóvan Buarque (PDT) 63 (37%)
General Heleno (sem partido) 30 (17%)
Aécio Neves (PSDB) 15 (8%)
Marina Silva (PV) 15 (8%)
Heloísa Helena (PSOL) 13 (7%)
Dilma Rousseff (PT) 10 (5%)
Ciro Gomes (PSB) 5 (2%)
Não tenho candidato hoje 9 (5%)
Não votará em ninguém 5 (2%)
Outro 3 (1%)

Sobre o Senado – Votos dados 165

O Senado é desnecessário 119 (72%)
O Senado é necessário 46 (27%)

Lula e o terceiro mandato
(Nesta pergunta o Programa autoriza mais de um voto)

Votos totais 206
Contra terceiro mandato 138 (66%)
A favor do terceiro mandato 24 (11%)
Contra qualquer reeleição 44 (21%)
Contra limite à reeleição 12 (5%)

Observação: os percentuais são estabelecidos automaticamente pelo blogspot.

Atenção: fique atento, nas próximas horas estaremos abrindo uma nova pesquisa no blog  www.porfiriolivre.com Desta vez, você dirá qual o principal motivo para escolher e para rejeitar um candidato a presidente.

4 comentários:

  1. SERGIO OLIVEIRA9:06 AM

    BRIZOLA + DARCY RIBEIRO + CRISTOVAM BUARQUE = EDUCAÇÃO
    REVOLUÇÃO NO BRASIL ? SÓ PELA EDUCAÇÃO.
    PARA FAZÊ-LA ?
    CRISTOVAM BUARQUE PRESIDENTE.
    E CANDIDATURAS PRÓPRIAS DO PDT A GOVERNADOR
    Ass.
    SERGIO OLIVEIRA
    PDT – CHARQUEADAS – RS
    REPASSE ESTA IDÉIA

    ResponderExcluir
  2. Anônimo10:15 PM

    Caro Porfirio, eu ainda colocaria em votação mais um candidato, O Protógenes Queiroz, e fazia uma cruzada pela moralização, com mais o choque de educar e anti-corrupção.

    ResponderExcluir
  3. Porfírio, quem não tem cão caça com gato, diz o velho ditado. Nosso gato é Cristovam. Não vejo com simpatia o nome do general Heleno. Acho que esta gente nova que não viveu OS 21 ANOS DE DITADURA, EM QUE O TACÃO DOS MILITARES ESMAGOU OS BRASILEIROS E SUAS INSTITUIÇÕES, APONTAM O NOME DO GENERAL POR EMPOLGAÇÃO. Tú mesmo Porfírio foste vítima de torturas. E muitos e muitos que tiveram seus lares invadidos, foram presos, torturados, azilados, tiveram suas carreiras encerradas. UM MILITAR NESTE MOMENTO NÃO É BOM PARA O BRASIL. Tem mais quando ví o general Heleno com uniforme de campanha na TV Bandeirante dizendo que servia ao Estado não ao Governo. Eu pensei que ia haver um golpe. SERÁ QUE EXISTE ESTADO SEM GOVERNO? E o governo estava cumprindo a Constituição. Não, um militar não seria bom para o Brasil. Tenho simpatia por Marina acho que ela vai crescer. Marina é competente e doce como mel. Acho que o PDT deve ter candidato. Por mim deveria ser uma chapa puro-sangue: ColaresxLupi. Tem mais, Colares é competentissimo. Dizem, ele está idoso. Mas, com certeza tem mais saúde do que Ciro que FUMA QUATRO MAÇOS DE CIGARROS POR DIA. Quero ver se tú és malandro. Sai dessa.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo3:40 PM

    RECUPERAÇAO ECONOMICA DA VARIG

    Sinceramente, não consigo entender como as pessoas podem acreditar no sucesso do processo de recuperação econômica da Varig conduzida pelo juiz Luiz Roberto Ayoub, não existe um funcionário que tenha recebido um centavo referente a rescisão trabalhista , isso em pleno governo dos trabalhadores, (ONDE ESTÃO AS 240 DEBENTURES QUE SERIA DADAS COMO GARANTIA DA DIVIDA TRABALHISTA ?) , é preciso fazer uma divisão entre os funcionários aeroviários e aeronautas



    Aeronautas os técnicos (Pilotos e co-pilotos) na maioria estão no exterior e/ou se contentaram em voar na nas Cias Brasileiras já os Aeroviários na sua grande maioria estão desempregados ou em subempregos ou vivendo de favores com relação ao AERUS , isso é outro absurdo ROUBARAM a poupança dos funcionários. E hoje somente falam da situação dos aposentados , gostaria de afirmar que muitos funcionários que ainda não estavam aposentados contribuíram mais do que muitos funcionários aposentados e isso ninguém fala ninguém noticia..



    Realmente é uma vergonha !!!!


    Hugo Ferreira Luqueci
    RG 04093778.1 SSP/RJ

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.