segunda-feira, 8 de junho de 2009

A grande vitória do Bloco de Esquerda em Portugal




Ressalvando que a contagem dos votos ainda não terminou, Miguel Portas afirmou que os resultados das europeias marcam uma enorme derrota das políticas seguidas pelo governo de José Sócrates e agradeceu aos eleitores que votaram pela primeira vez no Bloco, atribuindo esse resultado à defesa persistente de políticas sociais com a reforma ao fim de 40 anos de trabalho.
O cabeça-de-lista do Bloco de Esquerda começou por agradecer a todos os eleitores que foram votar, destacando que houve mais votos nestas europeias que nas de 2004.
Sublinhou depois o "extraordinário resultado do Bloco de Esquerda", que obtém em número de votos um resultado semelhante às últimas eleições e em percentagem já nos dois dígitos: "Os números apontam para a eleição de dois deputados e a disputa do terceiro", disse, recordando que o objectivo do Bloco é duplicar a representação no Parlamento Europeu.
Agradecendo aos eleitores socialistas que depositaram o seu voto pela primeira vez no Bloco de Esquerda, Miguel Portas disse que o Bloco estará à altura desta confiança, sublinhando que "a grande vitória nestas eleições está à esquerda, não à direita", numa referência à eventual vitória do PSD. E sublinhou que o Bloco está pronto a assumir a responsabilidade pelas políticas sociais que tem defendido.


Mais informações no site do BLOCO DE ESQUERDA DE PORTUGAL

Um comentário:

  1. Anônimo1:37 AM

    PORFIRIO,a luta contra as tomadas do lúcifer Mangabeira foi intensa, a função dele no Brasil foi concomunar com Lula, utilizando o doente governo Brasileiro,a doar o resto da sua riqueza;- a MP458 que legaliza 67 milhões de hectares de terras na Amazônia Legal, aprovada pelo Senado aonde as mudanças feitas coincidem com interesses do agronegócio como a Agropecuária Sta.Barbara de Daniel Dantas; – o relator na Câmara deputado Asdrúbal Bentes (PMDB-PA) acrescentou outro dispositivo na MP para autorizar a participação, mediante processo licitatório de a pessoa jurídica que tenha propriedade rural de qualquer tamanho fora da Amazônia;- abrindo caminho para Santa Bárbara de Daniel Dantas que possui 510 mil hectares de terra, distribuida em 28 fazendas a maioria no Pará , com criação de gado e, o pior com trabalho escravo; – Lulalá vetou somente a cláusula que beneficia pessoas jurídicas! megaempresários principalmente os europeus e norte-americanos utilizam laranjas como vem sendo feito no Brasil nos últimos 25 anos; desde que os “Donos do Mundo” conseguiram escolher os candidatos para comandar o destino do Brasil e engordar o FED;- Mangabeira nunca olhou as câmaras de TV de frente, com sotaque de gringo, autoritário e arrogante falso,conseguiu seu objetivo no Brasil a MP458 como prioridade máxima, tornou-se LEI! assinada na íntegra pelo Lulalá. Ninguém analisou o “Projeto guarda-chuva”.O povo brasileiro sabe que o objetivo do Daniel Dantas & Cia Ltda é o subsolo da Amazônia na área de mineração. Mangabeira voltou aos comandos dos “Donos do Mundo” até sua próxima tarefa.
    as terras da Amazônia e criação de Gado que tornou o Brasil entre os maiores exportadores de carne;- tem participação acionária do Governo Brasileiro, assim como o BNDES que banca os financiamentos
    Que vergonha! Lulalá apoia Sarney!
    que apoia Daniel Dantas que apoia Mangabeira.
    não existe no Brasil canditado a presidencia íntegro, sem passado de corrupção.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.