domingo, 27 de julho de 2008

Presos, Natalino e Jerominho dão as cartas eleitorais

Mesmo preso há mais de seis meses, Jerminho continua vereador com o Gabinete de 20 assessores e tudo o que os demais têm direito.
O GLOBO, 27 DE JULHO DE 2007

Elenilce Bottari e Waleska Borges

Mesmo na cadeia, o deputado Natalino José Guimarães (DEM) e seu irmão, o vereador Jerônimo Guimarães Filho (PMDB), o Jerominho, acusados de chefiar um grupo de milícia na Zona Oeste do Rio conhecido por Liga da Justiça, continuam a comandar a campanha eleitoral na região. Impedido de concorrer à reeleição, Jerominho impõe às comunidades o voto em sua filha, a candidata a vereadora Carmen Glória Guinâncio Guimarães (PTdoB), conhecida como Carminha Jerominho.Segundo a população local, milicianos armados distribuíram, de porta em porta, uma carta de Jerominho a moradores de Inhoaíba (Campo Grande), Cosmos e Favela do Gouveia (Paciência).
No texto, o vereador preso diz que ele e Natalino foram vítimas de artimanhas dos adversários e pede voto para a sua filha.
— Os milicianos dizem: “É ordem dos patrões”.
Ela (Carminha) tem que ganhar, se não o bicho vai pegar — contou um morador.Aliados de Jerominho e de seu irmão dão como certa a eleição da candidata. Eleito pela primeira vez em 2000 pelo PMDB com 20.560 votos, Jerominho, ex-policial civil, criou um curral eleitoral em comunidades carentes da Zona Oeste que lhe garantiu a reeleição em 2004, com 33.373 votos, e um mandado de deputado estadual para o irmão, o também policial Natalino, eleito em 2006 com 49.405 votos.Segundo investigações do delegado Marcus Neves, da 35ª DP (Campo Grande), o grupo domina diversas comunidades, coagindo moradores a pagar taxas de segurança e serviços e a votar em seus candidatos.Plano é expandir poder para a BaixadaUm sistema que fica claro nos mapas de votação do TRE. Dos 33.373 votos conquistados nas eleições de 2004, 20.072 saíram de apenas cinco zonas eleitorais de Campo Grande. Quanto mais dentro das comunidades, maior o poder eleitoral de Jerominho. Seu maior desempenho no geral foi na 244ª ZE: 12,82% dos votos válidos.Já olhando só as seções eleitorais situadas no Ciep Oiticica, na Estrada Guandu-Sapê, percebese que esse percentual sobe para 30%.O mesmo fator acontece com Natalino. Sua melhor votação no geral foi na 245ª ZE, onde conquistou 15,67% dos votos válidos. Já olhando só as seções eleitorais do Ciep Nação Xavante, em Vila Nova, percebe-se que seu desempenho sobe para 28,75%. A Liga da Justiça planejava expandir seu domínio para a Baixada Fluminense ainda nas eleições deste ano, lançando Natalino candidato a prefeito de Seropédica. Mas um inquérito federal que acaba de ser recebido pela Justiça Eleitoral denuncia Natalino por fraude na mudança de endereço eleitoral em Seropédica.Na opinião do sociólogo Marcelo Burgos, do Departamento de Sociologia Política da PUC do Rio, as autoridades públicas e o próprio sistema eleitoral são responsáveis pelo crescimento desses currais, porque usam esses grupos que concentram votos para se reproduzir.
Como poucos candidatos conseguem alcançar o quociente eleitoral (que na cidade deverá ficar em torno de 70.400 votos nestas eleições), a estratégia dos partidos tem sido apoiar aqueles que concentram votos em comunidades, porque arrebanharão os votos pulverizados em toda a cidade.
— A situação no Rio se tornou mais grave porque o poder público tem usado esse mecanismo para assegurar uma reprodução eleitoral.
De um lado, os partidos esvaziados, a esquerda fragmentada. Do outro, os partidos no poder que vêm se valendo desses candidatos para garantir votos para seus deputados. É da lógica da favela essa dinâmica de ter donos do pedaço. Hoje os donos são do tráfico e das milícias, mas já foram o dono do relógio, do ponto de água — lembrou o pesquisador.Segundo Burgos, a situação hoje é mais grave, porque, diferentemente do que ocorria nos anos 80, hoje os milicianos e os traficantes estão coagindo os moradores a votarem em quem eles querem.
— O que mudou? O poder de coerção desses grupos paramilitares que ocupam as favelas e que fazem seus moradores reféns. À medida que o poder público interage com esses grupos, ele confere a essa máquina um poder impressionante. É urgente interromper essa dinâmica — afirmou.Especialista defende gestão transparenteUm dos maiores fenômenos de votos da cidade é o vereador Josinaldo Francisco da Cruz, o Nadinho de Rio das Pedras. Foi eleito em 2004, com 34.764 votos, 15.239 deles conquistados na 179ª ZE, sendo a maioria esmagadora dentro da favela Rio das Pedras. Ele conquistou 24,03% dos votos válidos da região de Jacarepaguá. Mas foi nas seções localizadas na Escola Municipal de Rio das Pedras, dentro da comunidade, que o poder de fogo de Nadinho se revelou: ele conquistou 86% dos votos válidos. Nadinho responde a processo pela acusação de matar o policial Félix Tostes, outra “liderança” da comunidade que planejava ser candidato nestas eleições.Burgos defende que o próximo prefeito tente devolver a democracia à cidade, criando mecanismos transparentes de gestão de recursos em favelas, como, segundo ele, ocorreu na primeira fase do Favela-Bairro.
A política de coação de eleitores em comunidades carentes fica evidenciada através dos mapas eleitorais. Um levantamento do GLOBO mostra que, quando dentro de uma comunidade dominada, o candidato recebe até o triplo dos votos que conquista na zona eleitoral. É o que mostra o quadro abaixo, sobre cinco candidatos acusados de receber apoio de milícias ou mesmo do tráficoJORGE BABUEleições 2006 - Deputado EstadualTotal: 32.5633 ZEs: 16.295 votos240ª ZE : 5.337 - 15,12% dos votos válidos dessa zona eleitoralColégio Cunha Melo: 630 - 24,20% dos votos válidos dessa seção eleitoralNATALINOEleições 2006 - Deputado EstadualTotal: 49.405 votos5 ZES: 27.474 votos245ª ZE: 6.988 votos - 15,67% dos votos válidos dessa zona eleitoralCiep Nação Xavante: 668 votos - 28,75% dos votos válidos em seis seções eleitoraisJEROMINHOEleições 2004 - VereadorTotal: 33.373 votos5 ZEs de Campo Grande: 20.072244ª ZE: 3.607 votos - 12,82% dos votos válidos dessa zona eleitoralCiep Oiticica - Sapê: 865 votos - 30,42% dos votos válidos dessa seção eleitoralJORGINHO DA SOSEleições 2004 - VereadorTotal: 23.7903 ZEs: 11.02121ª ZE: 5.977 - 16,47% dos votos válidos dessa zona eleitoral Escola Padre Manoel da Nóbrega: 525 votos - 28,27% dos votos válidos dessa seção eleitoralNADINHO DE RIO DAS PEDRASEleições 2004Total: 34.764 votos179ª ZE: 15.239 - 24,03% dos votos válidos dessa zona eleitoral Escola Rio das Pedras: 2.730 - 86% dos votos válidos dessa seção eleitoral

2 comentários:

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista desde 1961, quando foi ser repórter da ÚLTIMA HORA, PEDRO PORFÍRIO acumulou experiências em todos os segmentos da comunicação. Trabalhou também nos jornais O DIA e CORREIO DA MANHÃ, TRIBUNA DA IMPRENSA, da qual foi seu chefe de Redação, nas revistas MANCHETE, FATOS & FOTOS, dirigiu a Central Bloch de Fotonovelas. Chefiou a Reportagem da Tv Tupi, foi redator da Radio Tupi teve programa diário na RÁDIO CARIOCA. Em propaganda, trabalhou nas agências Alton, Focus e foi gerente da Canto e Mello. Foi assessor de relações públicas da ACESITA e assessor de imprensa de várias companhias teatrais. Teatrólogo, escreveu e encenou 8 peças, no período de 1973 a 1982, tendo ganho o maior prêmio da crítica com sua comédia O BOM BURGUÊS. Escreveu e publicou 7 livros, entre os quais O PODER DA RUA, O ASSASSINO DAS SEXTAS-FEIRAS e CONFISSÕES DE UM INCONFORMISTA. Foi coordenador das regiões administrativas da Zona Norte, presidente do Conselho de Contribuintes e, por duas vezes, Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo autor de leis de grande repercussão social.